Uma doença chamada ciúme…

Texto produzido para o programete que faço na Rede Novo Tempo.

Quero voltar a falar sobre a relação dos pais e filhos… Quero falar sobre este assunto ainda sob a perspectiva da tragédia que aconteceu em Santo André. Por mais que o assunto possa parecer repetitivo, é importante refletir sobre aspectos que dizem respeito a nossa vida. A morte da adolescente Eloá, o drama sofrido pela amiga dela, a Naiara, e a prisão de Lindemberg devem servir de estímulo para aprendermos algumas lições.

A primeira delas: muitos pais estão criando futuros Lindemberg’s. É isto mesmo. Não estou dizendo que os pais estão preparando assassinos. Estou afirmando que tem muito pai e mãe por aí ensinando os filhos a serem egoístas a ponto de entenderem que é direito deles terem acesso a determinados bens. Lindemberg matou Eloá porque entendeu que a menina só poderia ser namorada dele; e de mais ninguém.

Esse rapaz não foi preparado para experimentar a frustração. E a frustração faz parte da educação. O ser humano precisa saber lidar com a frustração. Temos que entender que não podemos ter tudo que queremos. Mas o pai e a mãe que dão tudo que o filho quer estão prestando um desserviço à sociedade. A criança de hoje vai se tornar um adulto que não sabe lidar com os “nãos” da vida. E você sabe, a vida reserva muitos “nãos” pra todos nós.

Infelizmente, Lindemberg não soube ouvir um não da Eloá. A história terminou do jeito que você já sabe…

Além de dizer não para nossos filhos e não poupá-los da frustração, a segunda lição que devemos aprender é: o ciúme é uma doença. É uma doença que precisa ser combatida. E o ciúme também é aprendido. O ciúme surge por insegurança, por falta de auto-estima e pela ausência de uma orientação adequada.

Os pais precisam ficar atentos. O ciúme se manifesta muito cedo. Seja no trato da criança com os amiguinhos ou mesmo no relacionamento da criança com os pais. Quando notado, o ciúme precisa ser tratado para impedir que se torne um sentimento continuo. Muitos crimes passionais são cometidos por ciúme. Isto sugere que esse deve ser combatido.

E aqui um último recado: se você encontrar alguém muito ciumento pelo caminho, evite essa pessoa. Não aceite certos comportamentos como naturais. Em toda relação, um certo cuidado é natural, necessário. Mas quando motiva brigas, retaliações, acessos de raiva, há indicações claras de que o sentimento pode motivar ações irracionais.

Anúncios

Futebol: a opinião do leitor…

O leitor Douglas deixou um comentário que vale a pena reproduzir. Ele fala sobre o fato de Maringá provavelmente não ter um clube na primeira divisão do Campeonato Paranaense 2009.

A prefeitura de Maringá utilizou imagens da partida entre Atlético Paraense e Galo Maringá, dizendo que apoiou o retorno do futebol maringaense à elite do Paraná. Isso é verdade? Um terreno para construir o centro de treinamentos também foi prometido pelo poder público municipal.
Mais uma vez ficaremos sem futebol profissional. Como aceitar que uma cidade do tamanho de Maringá, detentora de um passado glorioso não terá equipe no simplório campeonato paranaense, que por sinal, é a unica competição do calendário da equipe. Foi plausível a vontade do Marcos Falleiro, mas temos que entender que sem apoio do poder público e privado, é impossível caminhar. Lembrando que o vôlei ficou de fora da liga nacional por falta de patrocínio.
Quem não se lembra da situação dos jogadores da antiga Amafusa, eles aqueciam dentro do ônibus porque não havia verba para se hospedarem em um hotel. Quando disputavam a liga nacional, chegavam a viajar de Maringá ao Rio Grande do Sul de ônibus. Não há ser humano que viage durante dezesseis horas sentado e depois vá disputar bem uma partida de futsal. Palmas para o Ciagyn, que mesmo com todo esse apoio conseguiu chegar a decisão do estadual futebol de salão.

Estupro na Trip…

Minha antenada amiga Beth me indicou o blog de Lola Aronovich.
O motivo da dica foi minhas reflexões sobre a mídia…
Mas o que me chamou atenção no blog da Lola é um outro texto.
Trata-se de post sobre um colunista da Trip que confessou um estrupo.
Ele escreveu na revista sobre o assunto.
E mostrou-se bem pouco arrependido.
Quem quiser conhecer essa história nojenta, clique aqui. E aqui.

Futebol de Maringá…

Maringá pode não ter representante no Campeonato Paranaense 2009.
A informação está no site da RPC.
A parceria entre Adap e Galo será mantida.
Mas só para negociar atletas.
Diretores do clube dizem: é quase certo que o clube ficará fora do estadual.

É uma situação lamentável.
Ainda mais pelo silêncio do poder público.
Quem tem boa memória lembra que o retorno futebol foi uma das bandeiras do administração atual ainda durante a campanha eleitoral de 2004.

PS- Esta seria a segunda grande perda do esporte de Maringá neste ano. O vôlei já anunciou que, por falta de patrocínios, está fora da Superliga. Agora é a vez do futebol.

Cabelo…

Nesta semana, já vi vários dos novos agentes de trânsito nas ruas de Maringá. Mas o que me chamou mais a atenção foi a aparência de alguns deles. Será que a Secretaria de Transportes não poderia orientá-los a cuidar melhor dos cabelos? Nada contra quem usa cabelos desalinhados ou longos. Mas, no caso dos homens, a estética de guardas, policiais e afins geralmente pede cabelos bem cortados, curtos, penteados etc. Ontem, vi um dos agentes que me deixou em dúvida: era homem ou mulher?

A mídia errou? – II

Num post anterior, fiz algumas considerações sobre as críticas recebidas pela mídia, após o trágico desfecho do sequestro de Santo André. Neste, quero ampliar um pouco mais a discussão. São apenas verbalizações do que penso; não significa uma verdade a respeito da imprensa e do comportamento de jornalistas e veículos de comunicação.

Já disse que a “danada da audiência” sempre afetará negativamente o tratamento de uma notícia. Claro que o problema não está na audiência em si, mas no sentimento que move sua busca: a competição. Os donos dos veículos querem a audiência porque se traduz em maior captação de patrocínios, apoios comerciais; ou seja, faturamento. Jornalistas querem audiência porque buscam prestígio, respeito, um nome que faça diferença no meio. E, por isso, ambos – veículos e jornalistas – se mostram dispostos a vencer essa guerra. Como o topo da audiência é de quem arrisca mais, ousa mais na busca pelo diferente, sempre existe a chance de falhar. Não significa que jogam fora a cartilha da ética; apenas se tenta ir aos limites da ética na luta por fazer a “melhor” cobertura.

Para não errar
Cá com meus botões, penso que, por mais que haja um cuidado na cobertura de fatos de risco – como esse sequestro de Santo André -, a imprensa poderá ter influência nos rumos do acontecimento e em seu desfecho. É uma coisa natural. É muita gente envolvida, vários veículos de comunicação tratando de um mesmo assunto e, do outro lado, a pressão pública por novidades. Junto com tudo isso, o(s) bandido(s) que acompanha(m) todos os movimentos da polícia pelo noticiário.

Por isso, creio que a melhor estratégia ainda é o silêncio. Por mais que o público tenha direito à informação, defendo que ela se torne pública apenas após o desfecho do caso. Penso que jornalistas devem acompanhar as negociações, manter uma cobertura ativa dos fatos, mas torná-los notícias apenas quando nenhum inocente correr risco de vida. Afinal, pra mim, a vida humana está acima de qualquer outro direito.

Haveria chance de vazamento de algumas informações? Claro que sim. Sempre que tratamos com pessoas, lidamos com sujeitos complexos, contraditórios, movidos por interesses diversos. Ainda assim, creio que este deveria ser o código de conduta jornalística: não interferir nos fatos. Alguém pode até argumentar: “Narrar os acontecimentos não é interferir neles”. Num caso como o mencionado, discordo. É impossível garantir a não influência das notícias sobre os envolvidos. Ninguém pode negar que o agir da polícia e do(s) bandido(s) é pautado pelo movimento de câmeras, microfones e bloco de notas dos jornalistas.

A cobertura de acontecimentos dessa natureza, sem divulgação antes do desfecho, garante ao menos a não interferência na ação do(s) criminoso(s). E garante à polícia um certo espaço para agir com tranquilidade, ainda que saiba estar sendo vigiada.

As manchetes…

– Petróleo no Paraná: ANP libera prospecção
O jornal O Diário de hoje destaca a abertura de licitação para exploração de cinco campos de petróleo na região de Pitanga. Estudos já revelam a existência de sistemas petrolíferos nas regiões de Furnas e Irati. A reportagem de O Diário lembra que um estudo recente da Agência Nacional do Petróleo analisou 124 perfurações realizadas no Paraná; em 24 delas há indícios de óleo ou gás.

– Um em cada três brasileiros não tem condições dignas de moradia
A manchete do Hoje Notícias trata de um estudo feito em 2007 em todo o Brasil. A pesquisa identificou que 54 milhões de pessoas ainda vivem em condições de moradia inadequadas. Os principais problemas habitacionais estão relacionados ao grande adensamento de pessoas, ao ônus excessivo com o pagamento de aluguel, à proliferação de assentamentos precários e aos casos de mais de uma família vivendo em uma mesma residência.

– Suspeita de fraude eleitoral agita Marialva
A manchete do Jornal do Povo ressalta o protesto realizado em frente ao Fórum de Marialva na noite da última segunda-feira. O candidato Celso Martini denuncia possível irregularidade durante as eleições, já que urnas teriam sido fraudadas. O protesto foi realizado por eleitores partidários do candidato derrotado.

Diário do Noroeste de Paranavaí
Desrespeito a sinalização e velocidade, os vilões para o aumento dos acidentes

Umuarama Ilustrado
Preso mais um acusado de chacina

Folha de Londrina
Produção e varejo não têm crise, diz Lula

Gazeta do Povo
Sesp suspende teste de DNA gratuito e atrasa processos na justiça

Jornal do Brasil
Lula admite cortar gastos

O Globo
Lula agora admite cortes se crise econômica piorar

Valor Econômico
Empresas procuram saída para crédito escasso e caro

O Estado de S.Paulo
BC já injetou US$ 22,7 bi no mercado e dólar ainda sobe

Folha de S.Paulo
Lula já admite cortar Orçamento