Melhor ouvir…

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso saiu com esta:
O estilo do Lula é enganar.
A declaração foi feita diante das constantes declarações do presidente Lula frente à crise internacional.

Já a vice de McCain, Sarah Palin, declarou:
Me considero uma intelectual.

Dizem que é melhor ouvir que ser surdo.
Concordo e acrescento: é melhor ler que ser analfabeto.

Anúncios

Contra o anonimato…

Um dos mais respeitados jornalistas do país, Ricardo Kotscho, autor de 19 livros e ex-secretário de imprensa da Presidência da República no Governo Lula, escreveu um bom texto sobre o anonimato na rede. Reproduzo aqui parte dos argumentos do mestre.


Uma coisa que sempre me incomodou muito na internet, mesmo antes de começar a escrever nela, é a covardia dos comentaristas anônimos, que se escondem sob pseudônimos, alcunhas, niks, apelidos, codinomes e o diabo a quatro.

Há os mais preguiçosos que se assinam simplesmente assim: “Anônimo”. Já vi blogs em que praticamente todos os comentaristas escondem suas verdadeiras identidades das mais diversas formas. Gostaria de saber: por que?

Um estudante me perguntou o que achava disso durante o debate de que participei esta manhã sobre “Caminhos da Reportagem” na Semana de Jornalismo promovida pela Faculdade Cásper Líbero.

É difícil explicar as coisas que nem entendo _ por isso, fico me perguntando. O que leva uma pessoa a gastar seu tempo emitindo opiniões o dia inteiro em blogs e se recusar a assumir a própria identidade? Tem vergonha ou medo do que escreveu?

O que eu não sabia era que a Constituição Federal de 1988 já trata destes casos, como li esta semana num texto que me enviou, para um livro que estou fazendo, o Advogado-Geral da União, o amigo José Antonio Toffoli. Diz o texto constitucional com todas as letras:

“Estabelece no Capítulo dos direitos e deveres individuais e coletivos a liberdade de manifestação do pensamento, vedado o anonimato (inciso IV do art. 5º).

“Prevê como antídoto a qualquer abuso eventualmente cometido o direito de resposta proporcional ao agravo, além da indenização pelos danos materiais ou morais à imagem (inciso V do art. 5º)”.

Será que sabem disso os que despejam anonimamente seus ataques rasteiros e preconceitos doentios na internet? Sabem eles que hoje há recursos tecnológicos para descobrir a origem das mensagens criminosas, mesmo quando anônimas, e que a Justiça já está processando e punindo seus autores?

Desde que comecei a escrever em jornal, em meados do século passado, sempre batalhei para que minhas matérias fossem assinadas, de preferência na primeira página – e eram tempos de ditadura militar, em que os jornalistas corriam muitas vezes risco de vida no exercício do seu trabalho.

Justo agora, que vivemos o mais longo período de liberdades públicas desde o final do Estado Novo, e uma avenida sem fim se abre na internet para que todos possam manifestar democraticamente suas opiniões, sem censura, não consigo entender esta febre do anonimato que se espraia pela web.

[…]
Tenho fé que, com o tempo, todos descobrirão que é bem melhor assinar com nome e sobrenome verdadeiros porque assim tem mais valor o que a gente escreve.

Compromissos…

Recebi hoje o vereador Zebrão no estúdio da CBN Maringá. Na entrevista, entre outras coisas, ele indicou que a quantidade de cargos comissionados da Câmara de Maringá está relacionado com compromissos assumidos pelos vereadores. Segundo ele, Zebrão, os candidatos assumem compromissos com correligionários durante a campanha. Quando eleitos, precisam cumprir a promessa e arrumar uma oportunidade de trabalho no Legislativo para essas pessoas. Na opinião dele, esta teria sido a principal razão para o inchaço no quadro de funcionários contratados em cargos de comissão. Para ouvir a entrevista na íntegra, clique aqui.

Café reduz seios…

Pelo menos é isto que indica uma nova pesquisa

Segundo um estudo publicado na revista científica British Journal of Cancer, mulheres que tomam mais de três xícaras de café por dia podem ter os seios diminuídos.

Obviamente, existem condições específicas para a ação danosa da bebida sobre essa área do corpo feminino. Mas reforça a idéia de que o café deve ser evitado ou ingerido com moderação.

Crime e castigo…

Entendo que a redução da maioridade penal não resolve o problema dos crimes entre adolescentes. Até já a defendi. Hoje, concordo que não é a solução. Mas continua favorável a uma legislação mais rigorosa. Por exemplo, tivemos um sequestro em Apucarana. Foi cometido por dois adolescentes, irmãos – um de 15, outro de 12 anos. Sequestraram um menino de 11 anos. Já tinham passagens na polícia.

Hoje, leio no Globo que um garoto de 12 anos acusado de furtar veículos foi preso. Também tinha passagens na polícia pelos mesmos crimes. Detalhe, esta foi a oitava prisão do “menino”.

Aplicar a legislação atual significa permitir que estejam livres em alguns meses. Vão cometer novos crimes. É regra.

Por isso, penso que a legislação carece de revisão. Esses meninos não podem ser punidos como adultos. Mas também não devem ficar soltos. Devem ser ressocializados na verdadeira concepção da palavra. Entretanto, a sociedade não está preparada para isto. Mas deve refletir sobre o problema.

Acontece que estamos ocupados demais com nossos problemas. Ignoramos as questões mais amplas. Deixamos de cobrar políticas de educação, assistência social e segurança – que poderiam reduzir a criminalidade – da mesma forma que minimizamos a necessidade de planejamento e investimentos amplos no trânsito. Nossos políticos ficam livres, leves e soltos para a manutenção de um discurso “solucionista” e simplista. Mas nunca se ocupam de ir à raiz dos problemas.

E, se não tratarmos deles, incentivaremos a manutenção de um modelo de sociedade que entrará em colapso. É como a economia americana. O modelo bushiano indicava que explodiria… Explodiu.

Acidentes e obras…

Acompanho as notícias de acidentes em Maringá e fico pensando na ausência de investimentos concretos que poderiam evitar mortes. Exemplo: na campanha de 2004, recordo que o então candidato Silvio Barros defendia a construção de um viaduto no cruzamento das avenidas Colombo e São Paulo. A proposta foi abortada em virtude de questionamentos de empresários da região. Eles entendiam que a obra causaria transtornos e prejuízos.

Ontem, mais uma pessoa morreu naquele local. Era uma ciclista. Uma mulher de 44 anos. Morreu após ser pega pelo rodado de uma carreta. O motorista teve culpa? Claro que não. A ciclista foi imprudente? Não. Apenas ignorava o movimento que uma carreta faz num cruzamento de trânsito.

Então, por ninguém ser responsável por provocar o acidente fica tudo na mesma? Infelizmente, sim. Mas não deveria. Gente morre no trânsito por imprudência, mas muitos são vítimas porque o poder público não protege os cidadãos.

Havia indicações claras de que Maringá obteria os recursos necessários para a construção do viaduto da Colombo com São Paulo. Lamentavelmente engavetaram o projeto. E pessoas continuam sendo engavetadas. No cemitério.

Não investir em obras estruturais no trânsito, principalmente criando alternativas aos cruzamentos perigosos, é classificar mortes no trânsito apenas como estatísticas. Nesta semana, chegamos a ouvir o secretário de Transportes Gilberto Purpur declarar que 50 mortes não significava que Maringá tinha um trânsito violento. Sinceramente… Uma única morte deveria nos incomodar.

Talvez o Executivo diga: “estamos fazendo… Temos projetos. O dinheiro do BID está saindo”. Quem teve um familiar morto ontem não quer saber se o problema vai se resolvido amanhã.

É um crime permitir que bicicletas dividam o mesmo espaço no trânsito com carros, ônibus e caminhões. Se o poder público não dá conta de construir ciclovias, viadutos e outras obras que garantam segurança aos diferentes entes que trafegam diariamente, deve-se pelo menos ter competência e coragem para propor leis que impeçam bicicletas cruzando, ao lado de carros e caminhões, avenidas como Colombo, São Paulo, Morangueira, 19 de Dezembro etc.

As manchetes…

– Trânsito maringaense faz 53ª morte no ano
O jornal O Diário de hoje destaca mais uma morte ocorrida no trânsito de Maringá. Colhida pelo rodado de uma carreta ao tentar atravessar de bicicleta o cruzamento das avenidas Colombo e São Paulo, Irene Ribeiro da Silva, 44 anos, teve morte instantânea. A reportagem lembra que nove do total de mortes este ano em Maringá são decorrentes de acidentes na Avenida Colombo.

– Redução da alíquota do ICMS no Paraná será debatida em audiências públicas
A manchete do Hoje Notícias trata do pacote tributário do governo do Paraná. O Estado propõe a redução do ICMS de alimentos, vestuário e higiene, mas, em contrapartida, aumenta o tributo no ICMS, telefonia e energia elétrica. O governo pretende, antes de votar a proposta na Assembléia Legislativa, discutir amplamente com a sociedade através da realização de audiências públicas.

– Crise chegou à agricultura
A manchete do Jornal do Povo ressalta a crise econômica internacional. O jornal publica um artigo do maringaense Ágide Meneguette, que preside a Federação da Agricultura do Estado do Paraná. No artigo, ele diz que a crise chegou à agricultura.

Diário do Noroeste de Paranavaí
Instituto Federal deve oferecer 1.200 vagas no início de funcionamento

Umuarama Ilustrado
Banco do Brasil pode financiar veículos

Folha de Londrina
Justiça determina fim do pedágio em Jacarezinho

Gazeta do Povo
Superlotação carcerária só acaba com mais 15 presídios

Jornal do Brasil
Confronto da cordialidade

O Globo
BC vai usar mais de US$ 50 bi para enfrentar alta do dólar

Valor Econômico
Crise já coloca em xeque os projetos de novos prefeitos

O Estado de S.Paulo
Congresso quer limitar MP que permite estatização de bancos

Folha de S.Paulo
BC reserva US$ 50 bi para tentar conter alta do dólar

Coitado do Coritiba…

Fiquei até com pena do Coritiba…
Perder de cinco a zero dói.
Mas o Flamengo fez por merecer.
Não se ganha por essa diferença sem mérito.
E o Coritiba não é uma equipe fraca…
Mas o destaque foi mesmo o iluminado Obina.
Fez um gol e participou de outros três.
Saiu de campo ovacionado pela torcida.
Com o resultado, independente dos demais jogos da rodada, o rubro-negro ainda termina a rodada apenas quatro pontos atrás do líder, o Grêmio.

Por sinal, o Grêmio também venceu.
Ganhou do Sport por 1 a 0 e chegou aos 59 pontos.
Quem também venceu, e de virada, foi o São Paulo.
O tricolor bateu o Vitória por 2 a 1.
Ocupa a segunda colocação no campeonato.
Agora é secar o Palmeiras e o Cruzeiro…