Veja, casal Nardoni, filhos e impunidade…

Texto do programete que produzo para a Rede Novo Tempo:

A revista Veja desta semana destaca a vida na prisão do casal Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá. Eles completaram no último sábado, 22, 200 dias na prisão. Acusados de matar a pequena Isabella, jogando-a pela janela, o pai da menina e a madrasta ainda não sabem o que o futuro os reserva. Mas, pelo menos o presente, não é de todo ruim.

A reportagem sugere que o casal tem uma vida boa na prisão. Alexandre Nardoni experimentou a sensação de ser hostilizado pelos outros presos apenas na chegada. Hoje, tem uma vida relativamente tranqüila.

Nardoni divide uma cela com mais quatro presos. A cela tem televisão, rádio, três beliches duplos e chuveiro. O espaço também não é dos piores. Trata-se de uma cela de seis por quatro metros.

A penitenciária também não tem problemas de superlotação. Pelo contrário, tem espaço físico de sobra, é considerada modelo no sistema prisional brasileiro e ainda oferece oportunidade de trabalho aos presos.

Segundo a Veja, Alexandre Nardoni até hoje não quis trabalhar. Ele acorda cedo, toma café e volta pra cama. Passa boa parte do dia diante da televisão. Os pais de Alexandre levam à prisão muita comida, frutas, produtos de higiene e até repelente contra mosquitos e pernilongos.

Já Anna Carolina Jatobá tem vida um pouco mais difícil. A família dela passa por dificuldades financeiras. Então, a diversidade de alimentos é menor. Mas também não faltam. A cela de Anna Carolina tem três por quatro metros. E, para evitar ser hostilizada, já que muitas presas não toleram a madrasta de Isabella, Anna Carolina optou por ficar na chamada ala dos evangélicas. Lá, tem vida mais calma. Participa dos cultos, canta no coral e até já pediu para ser batizada.

Mas não é isto que me chamou a atenção. Outros aspectos da reportagem é que me deixaram bastante triste. Em alguns momentos, com desejo de chorar.

Penso que todo pai, toda mãe se sentiu agredido ao acompanhar no noticiário o desenrolar das investigações que apontaram o casal Nardoni como responsável pela morte da menina. Isabella, uma garotinha de seis anos, foi jogada pela janela do prédio provavelmente pelo próprio pai, após ser agredida, esganada pela madrasta.

Mas, a história não termina aqui. Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá não colocaram apenas fim à vida de Isabella. Os filhos do casal, um garoto de três anos e outro de um ano, vivem sob cuidados dos avós.

As crianças, hoje, já estão confusas. Não sabem direito quem é o pai, quem é a mãe. Uma hora chamam o avô de pai; outra, chamam a tia, de mãe… E, detalhe, possuem um comportamento difícil. Amigos da família contaram à Veja que as crianças são agressivas e geralmente dão beliscões e até tapas no rosto dos avós.

Consegue imaginar as cenas, caro ouvinte?

Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá não eliminaram apenas a vida da pequena Isabella. Eles também comprometeram o futuro de outras duas crianças.

Sabe, somos responsáveis por nossos atos. Mas, infelizmente, muitos de nossos atos têm conseqüências duradouras, permanentes e, em inúmeras vezes, refletem na vida de outras pessoas.

Os filhos do casal Nardoni foram condenados naquela noite juntos com a morte da irmãzinha. O futuro deles é incerto. Como é incerto o futuro de outros milhares de filhos que possuem pais e mães que são irresponsáveis, que não amam, que não educam, que não os disciplinam de forma sábia e carinhosa.

Anúncios

Obama deve vir ao Brasil em abril…

Pelo menos é o que indica o jornal argentino La Nacion. A publicação revela que Brasil e México devem ser prioridades na agenda no presidente eleito dos Estados Unidos. Barack Obama entende que esses países são fundamentais na relação dos EUA com a América Latina. Por isso, a agenda já para abril do ano que vem.

Falta pouco para o título…

Meses atrás, quando o São Paulo começou a crescer no campeonato, questionei: será que o título vai parar no Morumbi, de novo? Ao que parece, vai. Pode até acontecer um desastre. Mas o hexa não fica com o tricolor paulista só se o time entregar os pontos. Tudo indica que isto não vai ocorrer. Por algumas razões:

– Primeira, o Muricy Ramalho sabe preparar um time como poucos. Além disto, como diz ele, pretende salvar este ano “horrível” do São Paulo. Inclusive, já proibiu jogadores de participarem de programas e concederem entrevistas. Quer evitar o “oba-oba” e o “já ganhou”.

– Segunda, o Fluminense é o próximo adversário. Embora seja um time difícil de ser batido e esteja nas mãos de um bom técnico – Renê Simões -, o Fluminense é alvo de uma motivação extra para os são-paulinos. Foi o Fluminense quem tirou o São Paulo da Libertadores. E, na primeira fase, o tricolor paulista também perdeu para o Flu. Certamente, a equipe de Muricy não vai querer perder de novo. Sem contar que vale o título do Brasileirão.

– Terceira, o próprio Grêmio não parece motivado em buscar o título. Uma equipe que luta pelo título não pode cair diante dos adversários com tanta facilidade.

Então, ao que parece, só nos restará cantar, mais uma vez, o hino do São Paulo. Será o primeiro hexa campeão brasileiro.

As revistas da semana…

Veja: – 200 dias na cadeia. A (boa) vida dos acusados do caso Isabella. Alexandre Nardoni e Anna Carolina Jatobá completaram nesse sábado, dia 22, 200 dias de prisão preventiva. Segundo a reportagem, atualmente, Alexandre Nardoni divide a cela com mais quatro presos. A cela é equipada com televisão, rádio, três beliches duplos e chuveiro frio. Ao contrário da maioria das prisões paulistas, superlotadas e com número insuficiente de vagas de trabalho, a penitenciária onde está Nardoni é considerada modelo e tem leitos de sobra. Alexandre Nardoni fica na cama até tarde e ainda goza do privilégio de receber comida à vontade da família. Já a rotina de Anna Carolina, mulher de Nardoni, é um pouco mais movimentada. Para evitar problemas, desde que chegou à cadeia, Anna Carolina está na ala dos evangélicos. Lá está livre de ser hostilizada. Também frequenta os cultos e canta no coral. A cela é equipada com rádio e TV. A Veja desta semana ainda traz um especial sobre o mundo digital.

Época: – O que você precisa para ter sucesso: amigos influentes, esforço obstinado, talento genial e muita sorte. Um novo livro revela as lições dos gênios e vencedores para a sua vida. Gente como Machado de Assis, Albert Einstein e Pelé não venceram apenas pelo talento. Eles tiveram apoio, trabalho e sorte. A Época ainda traz uma reportagem sobre como a venda da Nossa Caixa, banco paulista, ajuda a candidatura de José Serra para a presidência da República, em 2010. E revelações inéditas sobre o novo crime da Mega Sena.

Isto É: – Como ser mais criativo. Novos estudos revelam como nascem as idéias originais e as melhores estratégias para o desenvolvimento desse potencial. Em um mundo que pede cada vez mais criatividade para resolver com sucesso seus milhares de problemas, a ciência está empenhada em descobrir o que leva a mente humana ao insight – aquele belo momento em que as peças do quebra-cabeça se encaixam e uma nova solução aparece como se estivesse apenas esperando um chamado. A boa notícia é que, a contar pelos resultados de pesquisas recentes, a capacidade de gerar pensamentos criativos é algo possível a todos. Na Isto É, também uma reportagem sobre a Operação Satiagraha. A estratégia e as provas da Polícia Federal e do Ministério Público para prender o banqueiro Daniel Dantas… E as medidas da direção da PF para demitir e processar criminalmente o delegado Protógenes Queiroz .

Carta Capital: – O ocaso da General Motors. A crise da GM é também a do modelo de sociedade de consumo que a empresa ajudou a construir em seu país. A reportagem trata da crise na maior montadora de veículos do mundo. Ainda na edição, balanço dos 10 anos de Hugo Chávez à frente da Venezuela. Segundo a reportagem, a Venezuela segue dependente do petróleo. Mas a Carta Capital aponta que o país tem avanços.