Jornalismo de prestação de serviço

O jornalismo de prestação de serviço está cada vez mais presente no noticiário nacional. Certos assuntos já não são exclusividade de programas matinais – tipo Ana Maria Braga, Hoje em Dia etc. Também ocupam espaço em jornais tradicionais das grandes emissoras.

Na edição desta quarta-feira de um deles está em destaque:

Saiba como escolher o sutiã ideal

É informação? Sim. É útil? Sim. É jornalismo? Sim. Mas jornalismo com todas as características trazidas pela pós-modernidade. Ou seja, o foco está nas necessidades do indivíduo; não na transformação social.

É fato que muita gente busca esse tipo de conteúdo. Há consumo. E não são informações descartáveis. Auxiliam as pessoas em suas escolhas, nos melhores serviços etc. Eu mesmo busco com frequência informações sobre produtos que pretendo comprar – um smartphone, um televisor etc. Porém, o que me preocupa é que, embora esse tipo de conteúdo seja necessário, tem faltado nos veículos de comunicação a informação relevante, com profundidade, que ajuda a esclarecer sobre os acontecimentos. 

Anúncios

Existe idade ideal para a criança sair sozinha?

Gravo daqui a pouco o Questão de Classe. Mais uma vez, a educação será o foco do nosso papo. Vamos tentar responder a dúvida de muitos pais:

– Com que idade a criança pode sair sozinha?

Afinal, será que existe uma idade ideal? Dá para identificar quando a criança tem maturidade para sair sozinha? Existe uma receitinha para quebrar o vínculo? Como os pais podem lidar com seus medos? Essas são algumas perguntas que tentaremos responder.

Como pai e educador, me vejo muitas vezes neste dilema. A gente tenta segurar os filhos pelo bem deles. Mas também não podemos criá-los distantes do mundo. Do contrário, nunca estarão preparados para tomarem as próprias decisões. Ou, como se diz por aí, “caminharem com as próprias pernas”.

Particularmente, creio que hoje vivemos os dois extremos. Tem pais liberais demais, permissivos. Estes deixam os filhos “soltos” antes da hora. Mas há o outro lado. Lembro até de um filme, O Rei da Água. O personagem principal tinha 31 anos e não podia ficar longe da mãe. A coisa é um pouco exagerada, mas mostra uma mãe protetora, que impede o filho até mesmo de ir à escola. Namorar então? De jeito nenhum. Era coisa do demônio.

Infelizmente, isso ainda acontece. Sei de um caso, por exemplo, de um garoto de 14 anos que mamava todas as noites. A mãe preparava mamadeira antes de o filho dormir. Claro, um adolescente como esse é infantilizado pelos próprios pais. Irresponsáveis, é preciso dizer.

Aumento para os aposentados

Existe muita expectativa em relação ao projeto do senador Paulo Paim (PT/RS) que quer reajuste igual ao do salário mínimo para todos os aposentados. Hoje, isto não acontece. O mínimo tem um reajuste, quem ganha mais geralmente recebe aumento menor – quase sempre, só a reposição da inflação.

Do ponto de vista social, a proposta de Paim é justa. Afinal, os aposentados têm perdido poder de compra. Entretanto, sob a perspectiva da responsabilidade fiscal, conceder reajuste semelhante é um desastre para a Previdência, já deficitária em bilhões e bilhões de reais.

Venda de motos cai mais de 20%

Dados da Fenabrave apontam que houve redução na venda de veículos no mês de outubro. A queda foi superior a 4%. Chama atenção o fato de o setor de motocicletas ter sofrido maior impacto. No acumulado do ano a redução supera 20%.

Essa realidade é sentida em Maringá. Tem empresas em dificuldades. Algumas fizeram cortes severos de pessoal. As financeiras também sofrem com a falta de pagamento. Como se sabe, muito do comércio de motos é mantido pelas vendas parceladas. E alguns dos clientes não têm honrado o pagamento mensal.

PT volta a discutir aliança com Osmar

O jornal O Estado do Paraná traz hoje a informação que o PT está retomando as discussões para uma aliança com o senador Osmar Dias para a sucessão ao governo em 2010.

A aliança esfriou nessas últimas semanas, mas, ao que parece, os petistas não querem correr o risco de deixar Osmar Dias livre para abraçar os tucanos.

O problema dessa aliança é que o senador já notou que os petistas estão mais preocupados em garantir um palanque forte para Dilma Rousseff na disputa à presidência da República que em assumir a campanha dele ao governo do Paraná.

Isto poderia implicar, por exemplo, o afastamento dos petistas que hoje ocupam cargos no governo Requião. Sem disposição para isto, seguem em cima do muro.