Ontem, hoje, amanhã

Apenas o agora nos pertence

Por que planejamos tanto o futuro ignorando o presente? Nosso hoje é o amanhã de ontem. Ontem, pensávamos no que faríamos hoje. E agora desprezamos o hoje, porque estamos ocupados demais com o amanhã. Assim vivemos dia após dia abdicando da vida e do que de melhor ela nos proporciona.

Gostamos da vida, mas sempre achamos que o melhor ainda está por vir. Às vezes me pego projetando como serão meus dias quando aposentar. Imagino o que vou fazer. Penso na possibilidade de dormir até mais tarde, descansar após o almoço, encontrar amigos, ter mais tempo para ler, escrever… Quem sabe até o livro que alguns amigos andam sugerindo.

São planos, projetos. Não significa que a vida hoje seja ruim. Pelo contrário. Tem momentos maravilhosos. Mas o que está nos sonhos parece mais encantador.

Talvez você não pense tão distante como eu… Afinal, minha aposentadoria – se é que algum dia tenha coragem, de fato, de parar de trabalhar – está para daqui 25, 30 anos. Mas creio que também tem planos. Todos nós temos.

Meus filhos têm os deles. Sonham ser adultos. Acham que ser adulto é o máximo. Vão poder assistir os filmes que desejam, sair com os amigos, dirigir o próprio carro, terão a própria casa e não serão cobrados pelas toalhas que esquecem sobre a cama e nem pelos brinquedos espalhados pelo chão. Ah… e nem escutarão mais a mãe pedir que ajudem a lavar e secar as louças.

Essas pequenas coisas que hoje não incomodam os adultos parecem um peso na infância. Por isso, as crianças vêem o universo adulto com uma certa inveja. Eles querem conquistar o direito de tomarem as próprias decisões, almejam o dia em que serão livres. Liberdade que desconhecem. Mas que faz parte do imaginário infantil.

Hoje, muitos de nós gostaríamos de retornar aos nossos primeiros anos de vida. Naquele tempo não nos ocupávamos das responsabilidades que agora temos. Quando olhamos para trás tudo parece muito simples. Tínhamos, inclusive, alguém que decidia por nós. Sentíamo-nos seguros. Errar poderia custar alguma repreensão – quem sabe até umas palmadas -, mas nunca perdíamos tanto. Sempre havia alguém para ajuntar os “cacos”.

Quando me pego olhando demais para o amanhã, idealizando o futuro, procuro exercitar a razão. Confesso que não é fácil. Porém, tento recordar da infância e ver que no passado também plantei muitos sonhos. Projetei os dias de hoje. Acreditava que eles seriam os melhores da minha vida. Por isso, não posso perder a oportunidade. Se deixá-los escapar, meus dias terão passado vazios.

O hoje é o único momento que verdadeiramente me pertence. A infância, a adolescência, a juventude são lembranças; também não podem ser alcançadas. E o futuro… Ah, o futuro só será realmente bom se souber aproveitar o aqui e agora. Do contrário, viverei de lembranças e com as culpas de ter deixado a vida passar.

Anúncios

Rádio tem contribuição maciça de ouvintes e twitteiros durante o apagão

Izabela Vasconcelos, de São Paulo

O rádio contou com um novo aliado na cobertura do blecaute que atingiu o Brasil na noite de terça-feira (10/11): o Twitter, além dos já tradicionais celulares e telefones fixos. Em poucos minutos, os usuários do microblog confirmaram que o apagão era bem maior do que se imaginava.

“O Twitter foi um diferencial porque tivemos uma dimensão do apagão muito mais rápido. Cada vez mais temos colaboração dos ouvintes pela internet”, afirmou Zallo Comucci, gerente executivo da CBN.

O mesmo aconteceu na rádio Bandeirantes. “Os repórteres entraram e os ouvintes perceberam que tinham o apoio da rádio. Foi uma grande cadeia de solidariedade. A medida em que o tempo passa e a tecnologia avança, essa colaboração fica maior”, destacou José Carlos Carboni, diretor de jornalismo da rádio Bandeirantes.

O microblog virou ferramenta até mesmo da área de comunicação da usina Itaipu, maior geradora de energia do mundo, que poucas horas depois do incidente criou uma conta para esclarecer o que havia acontecido.

As rádios também contaram que mesmo os jornalistas que estavam fora do horário de expediente se envolveram totalmente na cobertura, de qualquer lugar onde estivessem. “Naquele horário nós tínhamos três repórteres de plantão, mas 15 repórteres entraram no ar, os que estavam em casa ou na rua. Eles se autoconvocaram”, contou Carboni.

Na CBN os profissionais de várias partes do Brasil também procuraram a rádio para informar. “Tinha pouca gente na redação naquele horário, mas os próprios profissionais que estavam fora da redação ligavam para nós. Os âncoras também se envolveram, em vários estados do Brasil”, explicou Comucci. (Fonte: Comunique-se)

Apagão: ministro diz que assunto está superado

Depois tem gente que ainda defende o ministro Lobão… O cidadão foi à imprensa para dizer que “este assunto [o apagão] está superado”.

Está não, ministro. A gente sabe que o problema não é de abastecimento. O Brasil não corre tal risco. Também concordo que o tema não deve ser politizado, como quer – e sonha – a oposição. Mas razão houve para a interrupção de energia. E vossas excelências têm o dever de nos explicar.

Apadrinhados políticos e corruptos no comando da energia do país

Embora todo mundo saiba, a gente sempre prefere não acreditar nessas coisas:

Quem manda na energia? São apadrinhados políticos, alguns deles investigados por corrupção.

A coisa é mesmo complicada. Basta observar quem é o ministro. Edson Lobão é o homem. O que ele entende mesmo do setor de energias?

As manchetes do dia

Leia aqui um resumo com as manchetes dos jornais. Destaque para a derrota dos suplementes de vereadores no Supremo. Eles estavam “ansiosos” pela decisão do STF. Queriam assumir as vagas criadas pela PEC dos vereadores. Entretanto, as quase 8 mil vagas poderão ser disputadas apenas na próxima eleição.

Blogueira é vítima da ditadura cubana

A blogueira cubana Yoani Sanchez foi sequestrada e espancada por agentes da ditadura cubana. O fato aconteceu no último dia 6, mas só agora começa a repercutir na imprensa mundial. Ela talvez seja a única voz que protesta contra a violência do governo repressor de Cuba.

O blog de Yoani é censurado no país. Mas ainda assim a blogueira uso a internet para mostrar para o mundo a farsa do governo autoritário e retrógrado de Cuba.

Lamentavelmente, ninguém que socorreu Yoani Sanchez teve coragem de falar sobre o ato de violência contra a blogueira. Nem mesmo os médicos.

E o Palmeiras?

Empate. Com gosto de derrota. Pelo menos na avaliação do goleiro Marcos. Após o empate de 2 a 2, ontem à noite, o ídolo alviverde avaliou que o time jogou muito mal. Decepcionado, o goleiro ironizou que resta ao time “secar” os adversários que jogam no fim de semana. Marcos declarou que isto é o que o Palmeiras tem feito melhor nas últimas rodadas. Concordo.

Ah… dá para acreditar que, dependendo do que acontecer no fim de semana, o Flamengo pode se tornar líder do Brasileirão?