Flávia Alessandra no Fantástico

Um dos assuntos mais discutidos pelos acadêmicos de jornalismo é o espetáculo diário produzido pelos meios de comunicação. As aulas geralmente rendem boas discussões. Hoje, vou cobrar na última avaliação do semestre um pouco do aprendizado obtido nesses debates. A prova já está pronta, mas confesso que me senti tentado a mudá-la.

Ao assistir uma reportagem do Fantástico, reproduzida no blog do Daniel Castro, vi ali um exemplo claro da tentativa de seduzir o público, assegurar a audiência.

Como é sabido, o programa sofre uma crise sem precedentes. A audiência nunca esteve tão fragilizada. Um dos poucos momentos em que isto ocorrera foi durante a exibição da primeira versão de Casa dos Artistas (SBT).

Meio sem rumo, o Fantástico atira para todos os lados. Ontem, apostou na popularidade e beleza de Flávia Alessandra.

É inegável, a atriz é belíssima e talentosa. Entretanto, a reportagem só se justificou pela necessidade de garantir a audiência dos marmanjos e provocar a inveja das mulheres. Nesses casos, elas negam, mas não resistem a tentação de procurar entender o que chama atenção dos homens.

Com alguns depoimentos sobre Flávia Alessandra e uma entrevista feita por Zeca Camargo com a atriz, a reportagem ficou no ar por mais de cinco minutos mostrando cenas dela como a personagem Alzira, de Duas Caras. Claro, as mais apelativas: Alzira na boate fazendo pole dance. Enquanto Zeca conversava com Flávia Alessandra, também imagens de sua sessão fotográfica para a Playboy eram apresentadas ao telespectador. Segundo contas do Daniel Castro, duas vezes os seios da atriz foram mostrados na reportagem.

Desrespeito ao público? Depende. Entendo que quem se sente desrespeitado tem o mais poderoso instrumento nas mãos, o controle remoto.

Alguns também diriam, nada de jornalismo; tudo de espetáculo e sensacionalismo. Sob o ponto de vista de produção de conhecimento, concordo plenamente. Porém, na lógica de mercado que domina os meios de comunicação, é preciso reconhecer: foi só mais uma estratégia, uma aposta para garantir a audiência. Lamentável, mas comum entre as mídias.

Anúncios

Está fácil para o Flamengo

Para a felicidade dos amigos e leitores flamenguistas, o rubro-negro vem confirmando a aposta que temos feito aqui no blog. O Flamengo tem tudo para faturar o seu sexto título. Ontem, num jogo em que o Corinthians pouco se esforçou para ganhar, o time do Rio faturou três pontos e, com a goleada sofrida pelo São Paulo, chegou ao topo da tabela. Agora é vencer o Grêmio, que certamente vai entregar o resultado. Afinal, o Imortal não vai dar chance ao Internacional de ficar com a taça.

PS- Embora tenha ficado a impressão que o Corinthians entregou o jogo, o São Paulo não pode reclamar. Todo mundo sabia que isto deveria acontecer. Ao tricolor só restava ganhar seus jogos. Como não fez sua parte, não dá para lamentar.

As revistas da semana

VEJA: – O poder da autoajuda. Não adianta torcer o nariz. Entenda por que milhões de brasileiros encontram nesses livros inspiração, amparo e soluções reais para seus problemas. Ainda na edição, a importância do ciúme. Pesquisadora sustenta que o ciúme funciona como um detector de ameaças, de que algo de errado está acontecendo na relação. O custo de nossa falta de pontualidade. As estatísticas mostram que a ineficiência dos serviços públicos e privados no país rouba horas preciosas dos cidadãos. A origem disso é também cultural: o Brasil tem um dos povos menos pontuais do mundo.

ÉPOCA: O Brasil empreendedor. As histórias inspiradoras de gente que abriu um negócio próprio, mudou de vida – e está construindo um novo país. A revista traz sete lições para quem quer começar a empreender. Também na edição, Almodóvar e Penélope Cruz revelam os bastidores de seu novo filme. O cineasta ainda diz que o mundo ficaria louco sem ficção. E a briga entre os parentes pelo legado de Chico Mendes.

ISTO É: 11 perguntas que a ciência não consegue responder. Tudo sobre misteriosos fenômenos, como a cura pela fé, o fim do mundo e a premonição, que ainda desafiam o conhecimento humano. Marajás: o Tribunal de Contas descobre mais de mil funcionários públicos com salários milionários. A Isto É trata das perdas que José Serra terá se concorrer à presidência da República. O tucano tem muito a perder se deixar o governo paulista. Por isso, só entrará na briga nacional se conseguir fazer da campanha uma disputa entre ele e Dilma e não entre FHC e Lula.

CARTA CAPITAL: Personagem do mundo. Lula não é só o presidente mais popular do Brasil. Ganha também aprovação planetária. Ainda na edição, o Ministério Público volta a atuar contra os crimes de repressão e o enredo de poder e sangue na Itália.