Alvaro não reconhece legitimidade de reunião que vai definir candidato tucano

Alvaro Dias está com medo de perder sua última chance de disputar o governo do Paraná. Logo agora que teria as eleições na mão. Na cabeça dele, caso saia candidato, mata as candidaturas do irmão Osmar Dias e do prefeito de Curitiba Beto Richa. Ou seja, entraria na disputa sem ter um grande adversário. E com a vantagem de ter a simpatia de parte do PMDB.

Mas as coisas não são tão simples. Alvaro não tem apoio do PSDB do Paraná. Beto é o preferido. E Osmar insiste em disputar.

Por isso, tenta colocar a cúpula do PSDB na briga. Quer que os tucanos paranaenses engulam o nome dele.

Tudo isto fica claro ao ler as declarações de Alvaro ao Terra Magazine. Ele alega que a reunião do Diretório Estadual do PSDB marcada para segunda-feira, dia 8, não tem validade. E vai mais longe. Diz que a reunião:
– não tem sentido,
– é imprudente;
– e não reconhece a legitimidade do diretório estadual de decidir qual será o candidato.

Alvaro sabe que, segunda-feira, nessa disputa entre o nome dele e o de Beto Richa, sairá derrotado. Além de perder o direito de disputar o governo, ainda terá o orgulho ferido. É muito para o senador e ex-governador. Para Alvaro, é uma afronta à sua honra perder a disputa para o jovem prefeito de Curitiba.

Duas notas

Resumo das entrevistas realizadas na primeira edição do CBN Maringá desta quinta-feira

ELEIÇÕES 2010
Beto Richa assegura que não haverá privatização de estatais. O prefeito de Curitiba e pré-candidato do PSDB ao governo do Paraná diz que, se for eleito, não irá privatizar as empresas do Estado. Segundo ele, tentar compará-lo ao ex-governador Jaime Lerner é uma tentativa desesperada e maldosa de quem não consegue ganhar a simpatia do eleitorado. A crítica foi feita em resposta aos comentários do vice-governador Orlando Pessuti, em entrevista também concedida à CBN Maringá.

Ele ainda falou sobre as alianças que devem ser formadas para viabilizar a candidatura ao governo do Paraná. Destacou que os resultados obtidos na administração de Curitiba o credenciam como o nome que representa uma mudança no jeito de governar.

VEREADORES
Flávio Vicente pede novos cortes de comissionados na Câmara de Maringá. O vereador destaca que, com a contratação de servidores por concurso público, há espaço para reduzir ainda mais o número de funcionários em cargos de comissão. Ele lamenta o fato de o “grupo dos 10” ter excluído veradores com qualificação técnica – em Direito, Administração e Contabilidade – das comissões permanentes.

Só diplomados são jornalistas profissionais

Não sabia desta… Desde a decisão do Supremo, quem não tem diploma consegue o registro como jornalista. Porém, os não diplomados recebem o título de “Jornalista/decisão STF”. Apenas os que concluíram o curso são identificados como “jornalista profissional”.

As manchetes dos jornais de Maringá

– Maringá ganhou um bar por dia em janeiro
O Diário destaca o aquecimento da economia em Maringá. Das 345 empresas abertas na cidade em janeiro, 29 são bares. O ramo é tradicionalmente o que mais tem empresas fechadas, mas o saldo é positivo. Revendedoras de bebidas calculam crescimento de 25%. No total, 3,7 mil foram abertas no ano passado.

– Prefeitura arrecada em um mês R$ 34 milhões com IPTU
A manchete do Hoje Notícias trata do volume de arrecadação do tributo em Maringá. Em menos de um mês, a prefeitura arrecadou mais de 50% do valor lançado em 2010. Em janeiro do ano passado foram arrecadados R$ 28 milhões. Neste ano, o incremento de receita chegou a 13,6% somente com o IPTU. No próximo dia 11 vence o prazo para o pagamento à vista com 10%.

– Implatação de parquímetros continua em estudo na cidade
O Jornal do Povo fala do estudo que vem sendo feito para implantação de um novo sistema que garanta a rotatividade de carros na área central de Maringá. A proposta é reimplantar os parquímetros. A prefeitura considera o modelo atual – com cartões – ultrapassado.