Quem disse que leitura dá prazer?

O Questão de Classe desta quinta-feira fala sobre leitura. Nosso convidado é o professor doutor em Letras, Renilson Megenassi. Ele sustenta: ler é a ferramenta mais importante para o desenvolvimento do ser humano. Quem lê, pensa. Mas a leitura nem sempre dá prazer… Pelo contrário, cansa, dói. Dói o corpo, dói a mente. É muito mais fácil deixar de ler. Mas o saber proporcionado pela leitura proporciona, posteriormente, prazer. Afinal, poucas coisas são tão prazerosas quando saber, deter conhecimento.

A edição do Questão de Classe de hoje tem discussões polêmicas. O professor Renilson foi bastante duro, direto e crítico. Sustentou que não há como desenvolver leitura no Brasil se os professores não são leitores. “Ninguém dá aquilo que não tem”. Ou seja, a escola alfabetiza, mas não forma leitores.

Pra falar ao coração…

Gosto bastante dos tweets do Fabrício Carpinejar. O escritor consegue expressar com profundidade e inteligência os sentimentos e conflitos humanos. Veja dois exemplos:

– Eu somente bebo quando estou feliz. Desolado, não ponho álcool na boca, já me basta a ressaca da tristeza.

– Não vou repassar minha dor de amor a um remédio – ela é minha.

Os textos publicados no blog dele também provocam boas reflexões.

Municipalização do serviço de água e esgoto. Não gostei do que vi

Uma comissão de vereadores de Maringá vai a Uberlândia e Uberaba, em Minas Gerais, para conhecer o serviço de água e esgoto daquelas cidades. Por lá, a gestão é dos municípios.

Os parlamentares vão fazer viagem oficial, com tudo pago. Eu também resolvi conhecer os benefícios da municipalização do sistema. Mas optei por viajar até Uberaba pelo Google. Mais rápido, fácil e sem custos.

E o que descobri não me deixou nenhum pouco empolgado. O primeiro problema: não são raras as interrupções de abastecimento. É comum faltar água nos bairros da cidade. E não é de hoje. Pesquisa rápida e básica nos jornais de Uberaba mostram que a população sofre constantemente com o problema há vários anos. Em tempos de pouca chuva, o problema se acentua.

A população reclama. Gente, como o advogado Leandro Correa Ribeiro, diz que a Codau, Centro Operacional de Desenvolvimento e Saneamento de Uberaba, presta “um serviço público de péssima qualidade”.

E os preços não são melhores que os praticados por uma companhia como a Sanepar. No ano passado, em agosto, as tarifas foram reajustadas em 11,75%. A menor delas saltou para R$ 21,34. O custo do esgoto, que era de 50% do valor da tarifa de água, passou para 60%.

Em janeiro deste ano, o Jornal da Manhã tratou dos problemas enfrentados pela população da cidade. Sustentou que recebe reclamações diariamente por conta dos serviços prestados pela Codau. E elas são variadas. Vão desde a falta de abastecimento, passando pela ausência de planejamento da empresa até a vazamentos constantes de água. Estes por um motivo simples: pouco investimento na rede. Há muitas obras inacabadas, as tubulações são antigas e não resistem a pressão da água.

Outro jornal da cidade, o Jornal de Uberaba, tratou da corrosão das estruturas. A matéria foi publicada no último dia 10. Trouxe depoimentos de moradores que disseram já estar “acostumados” com a necessidade de quebrar o concreto da calçada para tentar resolver os vazamentos de água. Mas a solução definitiva nunca acontece.

Também não é difícil encontrar queixas contra a companhia em função da cobrança irregular de serviços não prestados.

Essas informações estão disponíveis para qualquer que tiver um pouco de disposição para pesquisar notícias a respeito dos serviços de água e esgoto prestados pela Codau. Ainda não pesquisei sobre a empresa de Uberlândia. Mas não é difícil. Basta usar o Google e saber distinguir quais fontes são um pouco confiáveis, preferencialmente os jornais da cidade.

Claro, o que apontamos aqui não é conclusivo. É interessante ver de perto a qualidade dos serviços municipalizados. Por isso, a viagem da comissão se justifica. Mas, lamentavelmente, o que nossos vereadores verão provavelmente são os resultados oficiais – mostrados pela empresa. Não terão como ouvir a população. E, por isso, talvez o relatório que vão trazer das cidades mineiras não seja assim tão revelador.

As manchetes dos jornais de Maringá

O DIÁRIO: – Das maiores cidades, só Londrina tem IPTU progressivo
Entre os municípios com mais de 300 mil habitantes no Estado, apenas Londrina implantou o sistema previsto no Estatuto das Cidades. Maringá promete a medida para 2011. O IPTU progressivo consiste no aumento do porcentual cobrado, ano a ano, para glebas não loteadas, terrenos sem edificações e imóveis abandonados.

HOJE NOTÍCIAS: – Vereadores vão a MG comparar tarifa de água
Com a possibilidade de Maringá vir a retomar o serviço de água e esgoto, vereadores de Maringá irão a Uberaba, em Minas Gerais, conhecer o sistema, que é municipalizado. O objetivo é verificar a funcionalidade e os custos, que serão comparados aos valores praticados atualmente pela Sanepar.

JORNAL DO POVO: – Saúde desmente morte por gripe suína em Maringá
Ontem, na cidade, circularam boatos de que uma jovem de 18 anos, que estava internada na Santa Casa de Maringá, teria morrido em razão da gripe A. Em entrevista ao jornal, o secretário de Saúde, Antonio Carlos Nardi, disse que, até a data de ontem, a secretaria não recebera nenhuma informação e nem houve registro de óbito relacionado com a doença.