As manchetes dos jornais de Maringá

O DIÁRIO: – Das maiores cidades, só Londrina tem IPTU progressivo
Entre os municípios com mais de 300 mil habitantes no Estado, apenas Londrina implantou o sistema previsto no Estatuto das Cidades. Maringá promete a medida para 2011. O IPTU progressivo consiste no aumento do porcentual cobrado, ano a ano, para glebas não loteadas, terrenos sem edificações e imóveis abandonados.

HOJE NOTÍCIAS: – Vereadores vão a MG comparar tarifa de água
Com a possibilidade de Maringá vir a retomar o serviço de água e esgoto, vereadores de Maringá irão a Uberaba, em Minas Gerais, conhecer o sistema, que é municipalizado. O objetivo é verificar a funcionalidade e os custos, que serão comparados aos valores praticados atualmente pela Sanepar.

JORNAL DO POVO: – Saúde desmente morte por gripe suína em Maringá
Ontem, na cidade, circularam boatos de que uma jovem de 18 anos, que estava internada na Santa Casa de Maringá, teria morrido em razão da gripe A. Em entrevista ao jornal, o secretário de Saúde, Antonio Carlos Nardi, disse que, até a data de ontem, a secretaria não recebera nenhuma informação e nem houve registro de óbito relacionado com a doença.

O coração merece mais que isso

Relacionamentos virtuais é tema recorrente aqui no blog. Basta fazer uma breve busca aí no “search the archives”. Hoje, por sinal, vou tratar disso numa de minhas aulas. Vou falar da virtualização do corpo. Vou utilizar inclusive um texto de James Hillman. Ele faz uma reflexão interessante. Diz:

Sabe, grande parte de nossa vida é maníaca. Posso ver 34 canais de TV, posso usar o fax para me comunicar com pessoas em toda parte, posso estar em muitos lugares ao mesmo tempo, posso sobrevoar o país de ponta a ponta; alguém me aguarda ao telefone, e eu posso atender duas chamadas ao mesmo tempo. Vivo em toda parte e em lugar nenhum. Mas não conheço meu vizinho. Quem mora no apartamento ao lado? Quem mora no 14-B?

Não sei quem é, mas estou falando ao telefone, uso o telefone do carro, do banheiro, do avião; tenho uma amante em Chicago, moro com minha mulher em Washington, a ex-mulher mora em Phoenix, minha mãe, no Havaí, e meus quatro filhos estão espalhados pelo país. Os fax chegam dia e noite, tenho acesso a todas as bolsas de valores do mundo, os fundos de commodities, estou em toda parte, amigo – mas não sei quem mora no 14-B. Percebe que a hipercomunicação e a hiperinformação participam do que mantém a alma à distância?

É bem isto que acontece… A gente conhece todo mundo no virtual, mas desconhece quem está ao nosso lado.

Entretanto, a coisa tem tomado tamanha proporção que, uma pesquisa revela, cada vez mais relacionamentos são terminados pela internet. Por email, num recadinho pelo Facebook. Ou no simples ato de mudar de status o Orkut, Facebook etc. A pessoinha tira de lá o “namorando” e coloca “solteiro”. Pronto. A relação acabou. Absurdo? Eu acho. Afinal, o coração merece mais que isso.

Professora de SC é nova vítima de agressão

Por hábito, paixão, prazer, necessidade… enfim, acompanho quase tudo que envolve a educação. Sempre sinto uma enorme frustração por ver que o tema é tão pouco levado a sério. Mas fico ainda mais preocupado quando noto que os docentes são desrespeitados, discriminados e até se tornam vítimas de agressão de alunos e, por incrível que pareça, de pais.

Na verdade, minha tese é simples: alunos que agridem professores são filhos de pessoas que menosprezam o papel do educador. E pior, noto que isso é muito frequente. Não são raros os casos, principalmente nas escolas particulares, de pais que veem os professores como seus empregados. Lamentável.

Bem, mas a questão aqui é outra… O post é para registrar mais uma vítima de violência na escola. Dessa vez, a agressora, dizem, é uma mãe desequilibrada, que sofre distúrbios emocionais. Ainda assim, não há justificativa. A professora foi golpeada na cabeça e, ao desmaiar, quebrou a perna.

O fato aconteceu no município de São José (SC).

Sem palavras…

Aliados querem Ciro fora da disputa

Vi há pouco a notícia:

– siglas querem que Ciro concorra ao governo de São Paulo

São os partidos aliados. Na verdade, querem Ciro Gomes fora da disputa presidencial. Sabem, inclusive, que o deputado cearense não tem identificação com o eleitorado paulistano. Será derrotado, e provavelmente por um tucano.

Por outro lado, deixa o caminho livre para um primeiro turno com jeitão de segundo na disputa presidencial. José Serra e Dilma Rousseff fariam a tal da eleição plebiscitária desejada por Lula. Bom negócio?

As manchetes dos jornais de Maringá

O DIÁRIO: – Cerro Azul lidera casos de assaltos a pedestres
Em 2010 já foram registrados 144 assaltos a pedestres na cidade, e a avenida Cerro Azul concentra o maior número de casos. Lá os bandidos preferem atacar à noite e nas madrugadas de sábado para domingo. E a polícia reconhece que nem todas as vítimas de rouba ligam para o 190.

JORNAL DO POVO: Maringá Liquida começa sexta-feira
A Associação Comercial e Empresarial de Maringá e o Sivamar promovem mais uma campanha Maringá Liquida. A campanha começa sexta-feira e vai até domingo. Algumas lojas prometem descontos de 70%. A campanha é uma forma de atrair consumidores para o comércio maringaense e movimentar a economia.

PS- O resumo da manchete do Hoje Notícias não tem sido publicado aqui pois não temos recebido a edição diário do jornal.

Professores ruins: esta é a solução?

Concordo que maus professores não podem estar em sala de aula, aprovo a ideia de que precisam ser avaliados constantemente, mas a alternativa encontrada pela cidade de Nova Iorque para lidar com o problema é, no mínimo, desumana. Li há pouco sobre o assunto. E fiquei chocado.

Por lá, por não poderem ser demitidos, os professores ruins são afastados e colocados numa espécie de castigo. Veja o relato:

Eles passam os dias de trabalho confinados em salas vazias, dentro de complexos chamados de Centros de Recolocação Temporária. […] As salas desses centros foram apelidadas de rubber rooms (quartos “emborrachados”, em referência a quartos de hospício). […] Tirando as carteiras típicas, nada lembra uma sala de aula. Não há livros, mapas pendurados na parede nem computadores. Algumas nem sequer têm janelas. Os professores são vigiados por dois seguranças e dois supervisores da Secretaria de Educação, têm horário para chegar e ir embora e não podem acessar a internet nem falar ao celular. […] E isso pode durar anos.

É verdade que os resultados já começam a aparecer. A qualidade de educação melhorou sensivelmente. Entretanto, será que não haveria uma forma mais humana de lidar com o problema? Ainda que sejam ruins, devem ser respeitados. Não devem em hipótese alguma permanecer como educadores. Porém, é uma agressão tratá-los de tal forma.