O que tira a esperança de alguém tão jovem?

Sinceramente, não sei responder. Há várias hipóteses. Mas nenhuma delas combina com juventude. A juventude combina com a ousadia, com a alegria de viver e de ver a vida. Entretanto, não raras vezes tenho sido surpreendido por comentários pouco animadores vindos de pessoas que deveriam estar cheias de planos. Não, não estou sugerindo que teriam de ver um mundo “cor-de-rosa”. Nada disso. Mas são as crenças de que o mundo pode ser melhor que nos movem e motivam à construção das grandes mudanças.

Tenho pensado muito nisso. Por quê? Porque na semana passada tive um papo revelador com um garoto, caixa de um supermercado. Já o conheço há algum tempo. Sempre “jogamos conversa fora”. Mas noto seu olhar pouco esperançoso para a vida.

Nesse último diálogo, em poucos minutos, ele desfilou suas desilusões com o trabalho, com a vida, com os estudos e com o país. Sobre o emprego, reclamou que estava louco para deixar a empresa.

– Mas e daí? Quais são seus planos? Tem algo novo em vista?; questionei.

Ele respondeu que não, que ainda não tinha feito sondado nada diferente. Perguntei sobre as razões de seu desânimo em continuar no supermercado.

– Eles pagam muito pouco. Não reconhecem. Demorou dois anos para ganhar uma promoção; respondeu.

Brinquei:

– Já é alguma coisa… Pelo menos, foi promovido.

Depois de voltar a falar do salário e do não reconhecimento, ainda sustentou que o trabalho atual prejudicava os estudos. Apontou que várias vezes precisa faltar às aulas porque chega cansado em casa e não tem ânimo de ir para o colégio.

E continuou:

– Eu quero mesmo é ir embora deste país. O Brasil não tem jeito. Vai demorar para ser um país de primeiro mundo; se é que algum dia vai ser desenvolvido.

Cá com meus botões, até acredito que nosso processo de desenvolvimento não é tão satisfatório. Poderíamos ter um Brasil melhor, economicamente mais rico e com distribuição mais justa de suas riquezas. Entretanto, temos uma visão distorcida a respeito do assunto. Creditamos o problema aos nossos governantes e não notamos a nossa responsabilidade. O Brasil é tão bom quanto sua gente.

Temos uma herança histórica de atraso e de corrupção. Mas, na medida em que estabelecemos um olhar crítico para os problemas atuais, notamos que é nosso papel romper com esse ciclo vicioso.

Quanto aos jovens, ao perderem a esperança, colaboram com a manutenção de nossas contradições. A ausência de perspectiva gera passividade. Quando deixamos de lutar abdicamos do direito de construir uma vida melhor. Este direito é nosso. Quando acreditamos que é possível, identificamos oportunidades mesmo num ambiente pouco favorável. E isto sempre foi determinante para a construção uma vida de sucesso.

O Ronaldo aqui é outro

Dia desses um aluno e amigo brincou comigo por causa dos comentários deixados no blog. Claro, ele não estava falando do que tradicionalmente as pessoas escrevem, mas sim daquilo que alguns desavisados, desatentos (ou… deixa pra lá) escrevem para eu ler. O problema é que todo dia aparecem por aqui uns vinte ou trinta internautas achando que o blog é do Fenômeno – aquele do Corinthians, bem menos famoso que eu (rsrs).

Como não tem nada de ofensivo e ainda faz rir, autorizo os comentários. Fica tudo aí disponível para leitura quem quiser dar uma olhadela. Tudo inocente. Só elogios, incentivos… Enfim, o único problema é que o destino das mensagens está equivocado. O Ronaldo aqui é outro – e embora a idade seja quase a mesma, bem mais magro, mas péssimo boleiro.

Na segunda, uma música

Em destaque hoje Lulu Santos. Mais que destacar uma música, pensei no artista. Suas canções não envelhecem… Enquanto tentava escolher o que compartilhar, pensava em como suas músicas continuam agradáveis. Daria para trocar boa parte do que anda tocando no rádio e resgatar o repertório desse artista revelado na década de 1980. Como esquecer “Tempos Modernos”, “O último romântico”, “Toda forma de amor”, “Assim Caminha a Humanidade”, “Um certo alguém”, “Como uma onda”? Enfim, essas são apenas algumas das músicas marcantes de Lulu Santos.

Escolhi compartilhar trechos de “Sereia” e “De repente, Califórnia” numa apresentação acústica do cantor. Vamos ver e ouvir?

17/5: Notas do esporte

É LÍDER
O Corinthians venceu de novo e segue 100% no Brasileirão. Ontem, o timão venceu o Grêmio no Olímpico. Dois a um. A equipe de Mano Menezes lidera o campeonato.

TRICOLOR
Pelo mesmo placar, o Botafogo venceu o São Paulo. O tricolor do Morumbi saiu na frente, mas sofreu a virada. A equipe tem apenas um ponto no Brasileirão.

VERDÃO
O Palmeiras ficou no empate com o Vasco. Zero a zero.

PEIXE
Mesmo com a ajudinha do juiz, o Santos não superou o Ceará. A partida foi disputada na Vila Belmiro, mas ficou no 1 a 1.

FURACÃO
O Atlético Paranaense não conseguiu vencer o Guarani. Mesmo jogando em casa, ficou no 2 a 2 com o Bugre.

URUBU
No sábado, o Flamengo também ficou no empate com o Vitória. Um a um.

SEGUNDONA
Pela Série B, o Coritiba segue sem vencer. Na sexta-feira, o Coxa empatou em casa com o América mineiro. Um a um. No sábado, o Paraná Clube perdeu para a Ponte Preta por 1 a 0.

F1
E o domingo teve GP de Mônaco. As RBR’s seguem imbatíveis. Mark Webber e Sebastian Vettel chegaram em primeiro e segundo lugares, respectivamente. O brasileiro Felipe Massa ficou na quarta colocação.

As revistas da semana

VEJA: – O milionário mora ao lado. Os novos ricos surgem no país. Onze mulheres e homens que enriqueceram dão a receita de como aproveitar a maré alta da economia. Por que os dólares acharam o caminho do Brasil. A substância que produz o amor. Como funciona a oxitocina, responsável por estabelecer e reforçar os vínculos afetivos entre mãe e filho – e entre amigos, namorados, amantes… Ainda na Veja, os jovens prodígios em Matemática. A história desses jovens mostra como o estímulo precoce produz resultados extraordinários.

ÉPOCA: – Cabeça ou coração? Uma série de novos estudos está mostrando que nem razão nem intuição – e nem análise de dados por computadores – são suficientes para garantir boas decisões. Você precisa de tudo o que estiver a seu alcance. A Seleção de R$ 800 milhões. Esse é o valor dos convocados de Dunga, segundo um mercado virtual de jogadores. Parece muito, mas o Brasil nem é o time mais valioso da Copa. As brasileiras de Bollywood. A Índia foi invadida por atrizes e modelos brasileiras que começam a fazer carreira no cinema de Bollywood.

ISTO É: A nova febre dos imóveis. A união de juros baixos, crédito longo e farto e economia estável fará de 2010 o ano com o maior volume de vendas de imóveis das últimas três décadas no Brasil. De volta ao começo. Mais de duas décadas depois, Fernando Collor quer novamente ser governador de Alagoas, cargo que o catapultou à Presidência. Os padres casados da igreja. Sob as bênçãos do Vaticano, os diáconos assumem paróquias e celebram batizados e casamentos. Depois, voltam para mulher e filhos.

CARTA CAPITAL: Grampos e intrigas: Tuma Jr. não resiste à divulgação de conversas comprometedoras e é afastado do governo. Mas a quem, na Polícia Federal e fora dela, interessa o vazamento? O Estado tira o pé do acelerador. Bancos preveem PIB de até 7,5% e Mantega anuncia corte no orçamento.