Quando os fãs se tornam mercadoria

No início do século passado, um pensador, Walter Benjamin, relacionou os prejuízos sofridos pela arte em função de sua reprodução técnica. Ou seja, por causa da possibilidade tecnológica da época de se reproduzir a produção cultural, o autor sustentava que a maneira de consumir e produzir cultura não seria a mesma – com prejuízos para o autor e para o público.

Hoje, cerca de um século depois, notamos que as tecnologias mudaram tudo. A arte não é mesma. Na perspectiva do pensamento americano, popularizamos a arte. Porém, há consequências negativas. Além da arte ter se tornado muitas vezes tão somente mercadoria, alguns artistas se tornaram estrelas. E a própria relação deles com os fãs muitas vezes é motivada apenas pelo interesse econômico. Afinal, o que dizer de artistas que cobram ingresso para se deixarem fotografar?

As manchetes dos jornais de Maringá

O DIÁRIO: – Maringá tem terceira maior frota por habitante do País
Para cada cem maringaenses, existem 68,5 veículos, o que leva a cidade a ficar atrás apenas de São Caetano do Sul (SP) e Brusque (SC). O crescimento acelerado da frota gera problemas de tráfego e eleva o número de acidentesl

HOJE NOTÍCIAS: – Advogado de Almenara confirma gravação
O empresário Devanir Almenara acusa o secretário de Desenvolvimento Econômico Valter Viana de favorecer empresas beneficiadas pelo Prodem. A prefeitura afirma que ainda não recebeu a cópia da fita contendo as acusações contra o secretário.

JORNAL DO POVO: – Termina hoje o Vestibular de Inverno da UEM
De acordo com a Comissão Central do Vestibular Unificado, até agora foram registradas 2.486 desistências. O concurso ocorre em nove cidades paranaenses: Maringá, Cianorte, Cidade Gaúcha, Goioerê, Umuarama, Paranavaí, Apucarana, Campo Mourão e Ivaiporã.