No Brasil, educação é demagogia

Escutei nessa sexta-feira a comentarista Lucia Hippolito resumir: "o garoto que hoje quer ser professor deve ser carregado no colo". Trata-se de uma verdade. Quem deseja ser professor em nosso país? Certamente, quem faz esta opção, por livre e espontânea vontade, deveria receber tratamento diferenciado. Afinal, que valor tem um educador em nossos dias? Pelo menos do ponto de vista do reconhecimento público e financeiro, quase nenhum. E o "quase" aqui é só para não generalizar mesmo. 

Não faz muito tempo, a revista Veja trouxe uma reportagem curiosa. Com base numa ampla pesquisa, concluiu que poucos desejam seguir essa profissão. E os que pensam nela quase sempre o fazem porque sabem que a concorrência no vestibular é menor. Como geralmente são alunos com menor potencial, menos chances de conquistar uma vaga na Engenharia, Arquitetura, Medicina etc, olham para a carreira de professor como uma alternativa de possuírem um diploma universitário. 

A mesma reportagem mostra o tamanho da contradição existente em nosso país pontuando o que ocorre na Finlândia. Por lá, só podem se candidatar ao exercício do ensino os melhores. Ou seja, para ser professor é necessário ter sido um excelente aluno ao longo da vida escolar. Resultado? A Finlândia tem a melhor educação do planeta. 

E por aqui? Temos índices de qualidade ridículos. Pior, os prefeitos de nossas cidades comemoram quando atingem nota 6 no Ideb, Índice de Desenvolvimento da Educação. Sabe o que significa isto? Significa comemorar o mínimo. Algo do tipo: "passei". Esse índice representa uma coisa apenas: as crianças estão aprendendo a ler e escrever. Só isto. Não há nada de excelência. É o indicador mínimo de que a escola conseguiu ao menos ensinar a garotada a ler e escrever um texto. 

No Brasil, educação se faz no discurso. No Dia do Professor, ouvi promessas de Dilma Rousseff e José Serra, candidatos à presidência da República. Por sinal, a petista promete mais creches; o tucano, dois professores em sala – quer dizer, um professor e um estagiário. Lindo isto, não? O tipo de proposta que ambos têm para o setor nem de longe é capaz de promover uma mudança ampla, estrutural. Escutei que vão valorizar o professor. Mas valorizar de que forma? Qual o tipo de salário? Que carga horária? Que políticas serão implementadas para desenvolvimento e promoção do educador? 

Gente, um professor de educação infantil chega a ganhar, por 20 horas de trabalho, menos de R$ 600. Em todos os lugares? Claro que não. Mas, convenhamos, quem neste país é motivado a ser professor de pirralhos por esse salário? Eu conheço educador que ganha menos de R$ 5,00 a hora para ensinar crianças de cinco, seis anos de idade. 

Não quero dizer que só os piores se tornam professores. De jeito nenhum. Tem muita gente apaixonada em sala de aula, que faz a diferença. Contudo, como motivar alguém que pode concorrer no vestibular de Medicina a ser professor da educação infantil? E, cá entre nós, quem disse que uma profissão é melhor que a outra? Uma cuida da saúde; a outra, da formação do cidadão. Uma sociedade com educação de qualidade duvidosa é uma sociedade medíocre. 

Particularmente, quando o assunto é educação, só vou confiar nas promessas de nossos políticos quando os filhos deles estudarem em escolas públicas. Vou respeitar a proposta deles quando notar que entendem a educação infantil como ainda mais importante que o ensino superior; quando os salários do professor dos primários não for muito diferente da remuneração daqueles que ensinam nas universidades. Enquanto isso, educação no Brasil é demagogia. 
Anúncios

Notas do esporte

SUL-AMERICANA
O Palmeiras venceu o Universitário Sucre pela Copa Sul-Americana. Jogando na Bolívia, a equipe comandada por Felipão fez 1 a 0 e saiu em vantagem na disputa por uma vaga na próxima fase da competição.

SERÁ?
O jogador Ronaldo Fenômeno afirma que vai ajudar a convencer Carlos Alberto Parreira a ser técnico do Corinthians. O atacante joga domingo contra o Guarani.

AMANHÃ…
E pelo Brasileirão dois jogos abrem a rodada nesse sábado. O Flamengo recebe o Internacional, no Engenhão. Em Curitiba, o Atlético Paranaense enfrenta o Goiás.

TRICOLOR DO MORUMBI
Domingo, dois grandes clássicos agitam o campeonato. O São Paulo encara o Santos. O tricolor do Morumbi quer vencer o clássico para convencer que o técnico Paulo César Carpegiani mudou a alma da equipe. Já o Peixe pensa em se aproximar da liderança e disputar o título nacional.

CLÁSSICO CARIOCA
No Rio, Fluminense e Botafogo fazem jogo decisivo. O time de Muricy Ramalho sabe que um empate ou uma derrota podem deixar o tricolor mais distante da ponta da tabela.

RAPOSA
O líder Cruzeiro vai até Porto Alegre pegar o Grêmio. Com fama de carrasco do Grêmio, o atacante Wellington Paulista espera voltar a marcar contra a equipe gaúcha.

OUTROS JOGOS
Ainda no domingo, Atlético Goianiense e Vasco jogam no Serra Dourada; Atlético Mineiro e Avaí fazem jogo dos desesperados na Arena do Jacaré; também tem Vitória e Grêmio Prudente; Palmeiras e Ceará; além de Corinthians e Guarani.

PARANAENSES NA SEGUNDONA
Pela Série B, o Paraná Clube recebe o Brasiliense no Durival de Britto; já o líder Coritiba enfrenta o Sport Recife, na Ilha do Retiro. O time pernambuco quer a vitória diante do líder para se aproximar da zona de classificação para a primeira divisão.

As manchetes dos jornais de Maringá

O DIÁRIO: – Câmara aprova criação de Secretaria de Saneamento
Executivo propõe e vereadores aprovam, por unanimidade e em regime de urgência, uma nova secretaria para cuidar do abastecimento de água, tratamento de esgoto e coleta de lixo. Uma agência reguladora e um fundo financeiro compõem o projeto.

HOJE NOTÍCIAS: – Câmara aprova criação de Agência de Água
O jornal também trata da criação de um órgão no município para gestão dos serviços de água e esgoto. O projeto voltará a ser analisado nesta sexta-feira em uma sessão extraordinária da Câmara. O vereador Humberto Henrique pontuou que acha desnecessária a urgência na aprovação e sustenta a necessidade de uma discussão mais ampla com a comunidade.

JORNAL DO POVO: – Motociclista é a 74ª vítima fatal de acidente
Ontem à tarde, no Loteamento Madrid, em Maringá, uma colisão envolvendo um ônibus da TCCC e uma motocicleta resultou na morte de um jovem de 24 anos e deixou uma pessoa ferida.