Novos hábitos de consumo

Segunda-feira ouvia a palestra de Pollyana Ferrari e lembrava de algumas de minhas aulas. Sempre comento que comprar CD se tornou uma prática de poucos. Nossos adolescentes e jovens "baixam" música no computador. Não apenas eles (os mais "velhos" também já descobriram as "vantagens" da rede), mas esse público praticamente desconhece o que é ir numa loja e comprar discos. Tudo é mais simples, fácil e rápido. As músicas estão a alguns poucos cliques. De maneira simples e fácil, em alguns minutos, dá para ouvir o artista de sua preferência.

Há algum tempo também abandonei o hábito de comprar CD. Hoje, me vejo as voltas com outra prática: jogá-los fora. Só ocupam espaço no rack. As músicas que gosto – e até as que não gosto – baixo para o computador, escuto, deleto ou simplesmente ficam no desktop esperando o momento de irem para o pendrive ou mesmo para um disco único de mp3 reunindo dezenas de artistas, bandas, grupos etc.

Meu sonho de consumo é digitalizar tudo. Inclusive os livros. Tenho uma prateleira enorme de livros, outras de CDs, revistas… Ocupam espaço, juntam poeira e dificultam a organização, principalmente para quem tem pouco tempo. Quando estão no computador, uma busca rápida nos leva ao que queremos ouvir, ler…

Alguns resistem a essas novidades. Particularmente, acho tudo isso fantástico. Mas ainda precisamos repensar a legislação, por exemplo. Já que, do ponto de vista legal, baixar um CD – como estou fazendo neste momento – é um ato criminoso.

Anúncios