Talvez eu seja só um amante à moda antiga

Anos atrás, ao conhecer as músicas de um cantor, uma me chamou a atenção. “Romântico” é o título da canção. Pelo nome, dá para ter uma ideia do que vem por aí… Mas fui surpreendido e acabei sendo tocado a compartilhar algumas impressões.

Ele começa dizendo…

Hoje mandei flores e um cartão
Fiz um verso de poesia, cena de novela violão
Serenata fim do dia na tua janela, e ela nem ai pra mim
Eu na tua janela e ela nem aí pra mim.
Queria tanto ser o alguém por quem ela sempre esperou
Queria ser o ideal, o tal grande amor
Tentava ser perfeito, mas meu jeito não lhe agradou

Até aí… tudo bem. Parece só mais uma música romântica. Dessas que a gente ouve toda hora no rádio. Porém, o intérprete continua…

Tá do avesso o mundo
Que absurdo, talvez ódio seja amor…
Se mando cartas, ela diz que tô lelé
Se mando flores, fala que to muito mel,
Doce demais, ultrapassado sou
Se digo I love you, diz que é coisa da vovó
Por ser romântico, fala que eu vou morrer só…
Só não sei mais se ultrapassado é o amor…

Os mais críticos talvez digam: ah… que poesia pobre. Desculpem-me os intelectuais de plantão, não vou discutir a estética, as rimas, a riqueza artística… nada disso. Apenas quero pensar alto sobre a ideia básica implícita na canção: como as pessoas amam hoje em dia.

É verdade que estou “fora do mercado” há mais de 20 anos. É isso mesmo. O tempo passa rápido demais e lá se vão duas décadas num mesmo relacionamento. Entretanto, aprendi a ouvir. Observar.

Talvez, da minha janela, esteja vendo de forma equivocada, até distorcida. Porém, tenho a impressão que o Henrique Cerqueira, autor da música, discute algo que muita gente tem sentido: o romantismo anda meio fora de moda. Ou seria o amor?

Não sei. Sei apenas que estranho muito esse “novo” jeito de amar. Não, não quero ser saudosista. E nem dizer coisas do tipo: “no meu tempo”… Mas as pessoas não parecem desejar o compromisso. Também não querem demonstrações muito explícitas de amor. Ser romântico é cafona, brega.

Fazer poesia?
Mandar um bilhetinho?
Fazer uma serenata?
Tudo, tudo muito ridículo.

Se o cara é romântico, vira motivo de piada.
Se a garota é romântica, idem.
A moda é ser bad boy. E a garota, desapegada.

Muita pegação, sexo… mas nada de compromisso. Se não, vira grude. O outro já se diz sufocado. Reclama e cai fora.

Confesso que não entendo bem essa contradição. As pessoas lamentam que não são felizes, mas não estão dispostas a viver intensamente o amor. Porque amar é ser romântico sim. E ser romântico é não ter vergonha de fazer coisas tolas.

É… talvez eu tenha mesmo desaprendido. Ou, sou do passado. Um amante à moda antiga, como diria Roberto Carlos. Pode ser. Mas acho que assim ainda sou mais feliz.

Anúncios

9 comentários em “Talvez eu seja só um amante à moda antiga

  1. Bem, amigo, vc tem razão. Os relacionamentos de hoje são um tanto estranhos. Namoros rápidos demais, nem chegam ao conhecimento da família e… já era; outros, longos demais. Muitos, quando se casam, já estão “enjuados” um da cara do outro. E aquele romantismo prazeroso tão aguardado para a união, muitas vezes, já não existe mais.
    Assim como o mundo se modernizou em vários sentidos, nos relacionamentos não foi diferente. A cultura hoje é a seguinte: se conhece, fica e se envolve sexualmente – talvez, na mesma noite -, é isso. Isso é o que, atualmente, se chama de AMOR.
    Isso é divertimento. Amor é algo muito além disso.
    Também tenho notado que o conceito “família” responsável, anda meio fora de moda.
    E claro, com esses relacionamentos “eu e vc”, – e não “nós”-, onde o que precisa imperar é a felicidade individual, é natural que haja tantas dificuldades no compartilhamento de ideias e espaço.
    É um pena.

  2. é exatamente assim .. sem tirar nem por.
    fiquei impressionada com a clareza com que é colocado o tema, porque é exatamente isto que está acontecendo ‘hj em dia’ (este termo, tb como no “meu tempo” soa como antiguado pra muita gente, mas nao tem como deixar de usar a expressão. ).
    Nós, amantes a moda antiga (e existe modo antigo de amar?? amor é AMOR) somos os “fora de moda”, rs.. somos antigos.. e o sentido da palavra AMOR vai se perdendo cada vez mais.
    Eu questionei uma musica (se é que pode ser chamada assim; mas a letra é interessante, e expressa exatamente o ‘hj em dia’) : romance é romance, amor é amor, e um lance é um lance..”..
    Eu ainda não consegui entender a definição de cada coisa, na música. Me perdoem, mas brega ou não, ainda admiro um amante a moda antiga.

  3. Bom dia Ronaldo! quero te parabenizar por mais uma vez ser assertivo no tema e na forma de dissertar sobre o mesmo, bem oportuno no dia de hoje (Dia da Independência) falar sobre como está o romantismo por ai.

    Tem uma frase que gosto muito que diz assim: A Intimidade Intimida! eis ai um grande problema que observo nos dias de hoje, e que em partes justifica essa mudança comportamental dos casais. As pessoas anda muito mau exploradas emocionalmente, muito “rasas”, e com isso temem serem “mergulhadas” pelo outro, sim….para que haja romantismo é preciso se jogar, se lançar, posar de “bobo”, mas é justamente ai que a intimidade ocorre, é quando abrimos mão das defesas e nos entregamos de corpo e alma ao outro.

    E quando nos entregarmos, sem temermos ser ridículos é que estaremos “livres”, e amar livremente é com toda certeza fantástico!

    Um excelente dia a você!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s