É só você que pede desculpas?

Às vezes é preciso voltar a um tema. Discuti-lo sob um outro olhar. Ou garantir mais profundidade. É o que pretendo neste post.

Ao escrever sobre “pedir desculpas mesmo quando não se tem vontade”, algumas pessoas disseram que já tiveram tal experiência. E não foi boa. Afinal, corre-se o risco de chegar um momento em que você deixa de ser você. Ou seja, perde-se a autenticidade, a verdade e, principalmente, a identidade.

Quem sustenta essa tese tem toda razão. Mas, quando escrevi, não falava de uma atitude que deve se tornar regra. Na verdade, tudo que vira regra rouba nossa capacidade de ser humano. O humano é contraditório. Nisso constitui sua beleza. Por mais previsível que alguém seja, sempre haverá espaço para surpreender. Fazer algo fora do seu comum.

A vida é chata demais para ser vivida sempre do mesmo jeito. E talvez sejam os comportamentos repetitivos que tornam uma relação cansativa, desgastante a ponto de deixar de ser interessante.

Entretanto, no que diz respeito ao “pedir desculpas mesmo quando não se tem vontade”, sustento a necessidade dessa atitude quando se reconhece que a relação é mais importante que o simples fato de ter ou não razão no embate que motivou a mágoa. E concluí o texto defendendo a ideia de que, se você continua achando que o outro foi quem errou, o assunto deve ser retomado quando a “poeira baixar” a fim de rediscutirem o comportamento que os levou a se ferirem.

Mas – e esse “mas” é muito importante – ninguém deve anular-se. Se os confrontos repetem-se e toda vez é você quem pede desculpas, alguma coisa está errada. A relação deixou de existir. Ou, só existe para uma das partes. Costumo brincar que relacionamento é “bicho esquisito”. E é mesmo. Uma das partes pode deixar de viver e passar a existir apenas em função do outro. Quando isso acontece, há pouca chance de se restabelecer o equilíbrio – com concessões de ambos. Alguém já se acostumou a ser o “centro do universo”, sente-se acima do outro e dificilmente vai reconhecer as carências, inclusive afetivas, do parceiro.

“Pedir desculpas mesmo quando não se tem vontade” é uma atitude nobre. Para preservar relacionamentos. Mas é indicada para relacionamentos saudáveis. Em que há amor, carinho, vontade, respeito. Se constituir-se numa regra, alguém estiver constante anulando-se, é fundamental rever o relacionamento. Talvez ele deixou de existir e só você ainda não percebeu.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s