Minha filha… um texto, uma emoção

Estou longe de ser um bom pai. Mas tenho um enorme orgulho dos meus filhos. Por opção, raramente falo deles. Ou de minha família. Eu sou um sujeito público. Eles, não. Se um dia quiserem mudar isso, será uma escolha deles. Não minha.

Hoje, porém, sinto-me no dever de quebrar minha “regra”.

Enquanto me preparava para sair de casa e ir para a CBN, encontrei um bilhetinho da minha pequena. Minha garotinha deixou um recado no balcão. Tinha data, nome e uma pergunta:

– Pai, você gostou?

E, depois dessa pergunta, outra:

– Dá para colocar no blog?

Minha menininha, minha Maria Eduarda, com seus dez aninhos, atrevendo-se a escrever. Sei que ela gosta. Tem o hábito de mandar cartinhas, bilhetes… Porém, não imaginava que quisesse compartilhar alguma coisa em meu blog.
Fiquei emocionado, confesso.

O texto dela é curto, mas muito singelo. Compartilho.

Escolhas

Tem vários momentos da vida que precisamos escolher.

Com as escolhas, formamos o nosso caráter. Se a pessoa faz escolhas boas, ela é sabia; se faz escolhas ruins, não é sabia.

Você que joga lixo no chão, não respeita a natureza, não respeita os negros, índios, japoneses… que caráter você tem?