Pequenos hábitos podem destruir relacionamentos

relacionamentos_habitos

Cada um de nós possui hábitos muito particulares. Manias, prefiro dizer. Coisas aparentemente simples, inofensivas, que de alguma forma organizam nossa vida e formam nosso jeito de ser.

Pode ser a maneira de colocar o papel higiênico no suporte, a toalha estendida após o banho, a roupa organizada na gaveta… O jeito de sentar à mesa, de colocar os alimentos no prato (Primeiro, o arroz? Ou o feijão).

Isso é nosso. E todos temos. Talvez não seja muito consciente, mas esses hábitos – ou manias – estão em nós.

O problema é como esses hábitos se revelam dentro do relacionamento. Esses comportamentos, por incrível que pareça, afetam seriamente a vida a dois.

Lembro de um casal que teve graves problemas. Na terapia, eles descobriram onde o problema começou: no rolo do papel higiênico. Isso mesmo. Um tinha o hábito de deixar a ponta do papel saindo por baixo; o outro, por cima do rolo. As brigas começaram aí. Descobriram suas diferenças e as acentuaram a partir de um “gosto” pessoal.

Essas coisas acontecem porque algumas pessoas parecem acreditar que o seu jeito de fazer é o único que está correto. Não conseguem admitir uma outra maneira.

Tenho dito que gente é bicho esquisito. Relacionamentos são complexos. Não é fácil dar certo. Entretanto, os grandes problemas geralmente surgem pelas pequenas coisas.

Nem sempre as pessoas percebem o quanto um hábito pode incomodar. Se não há flexibilidade, um certo humor para lidar com as “manias”, essas diferenças viram implicância e começam a minar o relacionamento.

Afinal, por que a minha gaveta tem que estar do jeito que ela gosta? Por que não posso comer com a perna cruzada por sobre a cadeira?

São questionamentos que surgem, vão incomodando aos poucos e separam as pessoas. Quando acordam, as palavras de carinho já acabaram, os pequenos gestos de afeto ficaram apenas nas lembranças.

Tudo por que deixaram que seus hábitos se tornassem mais importantes que a pessoa que está do lado, que escolheram para viver.

Quem é muito resistente em abrir mão de certos comportamentos cotidianos – até mesmo de organização – deveria perceber o quanto pequenas atitudes podem fazer mal e ferir o outro. A sua verdade pode ser entendida como implicância. E o que parecia apenas uma forma correta de fazer as coisas vira motivo de discórdia e desamor.