Eu não queria magoar você

Gostaria de ter as palavras certas para todos os momentos. Não tenho. Você não tem. Nenhum de nós têm. O argumento certo na hora certa pode evitar o conflito, a mágoa, a dor. Entretanto, é impossível responder a expectativa do outro. O outro, por vezes, espera algo que você desconhece. Pode ser um abraço, quando você deu um beijo. Pode ser um elogio, quando você fez uma piada. Pode ser o silêncio, quando preferiu falar.

Sem responder satisfatoriamente ao desejo do outro, causa frustração, não silencia o conflito – por vezes, o amplifica.

Nas complexas relações humanas, somos aprendizes. Estaremos sempre aprendendo mais a respeito de nós mesmos e sobre aqueles que fazem parte de nossa vida.

Entendi ao longo dos anos que compreender que o outro nem sempre age como queremos é a melhor maneira de evitar as mágoas no relacionamento. A pessoa que amamos não funciona do nosso jeito. Funciona do jeito dela. Responde por ela, não por mim.

Mas pouca gente se dá conta disso. Por isso, vive o eterno desafio de frustrar-se, aparar arestas, reaproximar-se, reconquistar. É natural. Porém, poderia ser mais fácil se nos “desarmássemos”.

Acho que todo mundo já disse algo sem pretensão alguma de magoar e viu no outro uma reação inesperada. Talvez tenha sido uma brincadeira. Quem sabe um carinho entendido como “fora de hora”. Ou um comentário que incomodou. Apenas um gesto, apenas um ato, suficiente, porém, para magoar.

O autor da façanha “trágica”, no entanto, não imaginava aquilo, não esperava ferir. Às vezes, queria agradar. Mas desagradou. Acontece. As relações também são feitas de desencontros, de pequenos erros.

Quem machucou se surpreende, pois não era esse o efeito previsto. Quem se sentiu agredido, incomodado, por vezes, espera pelo menos um pedido de desculpas. Mas como pedir desculpas se sequer imaginava ter ferido?

A sobrevivência da relação consiste na capacidade de entender esses pequenos fracassos cotidianos. Eles são inevitáveis.

Mas com um pouquinho de boa vontade dá para evitar que os conflitos se transformem em crises. Não tem receita, só disposição para não julgar, ter paciência, não concluir de forma precipitada, manter o coração aberto para as explicações e saber perdoar.