Decepção, nossa eterna companheira

Vez ou outra nos decepcionamos. Decepcionamo-nos com os outros e também com nós mesmos.

A decepção é uma espécie de frustração. Espera-se algo e nada acontece. Ou porque o outro não atendeu nossas expectativas ou porque não fomos capazes de fazer aquilo que desejávamos.

Não tem jeito. Esse sentimento sempre vai existir. Faz parte da vida.

Dias atrás vi um texto sobre o assunto escrito pelo Professor Ozaí. Ele é ótimo. E tem argumentos mais profundos que os meus. Eu sei falar das nossas emoções. Apenas isso. E, enquanto lia, pensava nas diferentes situações cotidianas que nos decepcionam.

Sabe, a gente só se decepciona com quem está perto, com quem se convive e confia. Gente distante, que não faz parte daqueles por quem temos afeto, não causa decepção. Não esperamos nada dessas pessoas. E se nada esperamos, elas têm pouca influência sobre nossas emoções e sentimentos.

Então, é justamente por estar próxima, por convivermos, por confiarmos, que uma atitude do outro pode nos magoar tão profundamente.

É verdade que tem gente que se magoa fácil. Qualquer coisa é suficiente para ficar de biquinho. Entretanto, a decepção é um sentimento mais profundo. É algo que machuca pra valer e, por vezes, quebra o laço de confiança.

Uma traição causa decepção. Mas nem precisa ser um caso de infidelidade para fazer sangrar o coração.

Você se decepciona quando conta um segredo pra um amigo e descobre depois que ele espalhou sua intimidade pra outras pessoas. Você se decepciona quando, depois de anos de amizade, espera um abraço amigo após a derrota e só recebe um olhar de reprovação. Você se decepciona quando aposta todas as fichas em alguém e a indica para um trabalho e, dias depois, percebe que o sujeito é incapaz de cumprir com suas tarefas. Você se decepciona quando espera um carinho da pessoa amada no momento em que está triste e ela sequer nota suas lágrimas. Você se decepciona quando se entrega completamente e não tem do outro nada mais que algumas migalhas de atenção.

Perdoar pode ser a saída? Sim. Perdoar sempre será necessário. Afinal, nunca vamos saber os verdadeiros motivos de quem nos magoou. Entretanto, a gente precisa perdoar pra preservar nossa sanidade mental. Não significa aceitar a convivência eterna com alguém que nos feriu. Mas, quando decepcionados, perdoar é mais que dizer: “ah… está tudo bem; esqueci”. Isso não existe. Perdoar nesses casos é fundamental para não transformar a existência num mar de amargura. É reconhecer que sempre vamos nos decepcionar. Faz parte do próprio ato de viver. E conviver. É reconhecer que, mesmo isolados, haverá momentos em que seremos o motivo de nossas decepções.

Anúncios

18 comentários em “Decepção, nossa eterna companheira

  1. O Ronaldo me surpreende à cada dia , é mágico , impressionante!
    Ele escreve exatamente tudo que muitas vezes desejei expressar , mas , por alguma força maior não consegui . Parabéns Amigo!!!!

  2. ronaldo voce é excelente até parece que sabia oque eu precisava pra hoje, estou vivendo tudo que diz seu texto. voce é extraordinário parabéns

  3. Olha é muito importante entender momentos especiais em nossa vida….saber como lhe dar com eles e buscar ajuda se for o caso, tudo visando nosso bem-estar físico emocional e espiritual. Só assim, poderemos aproveitar melhor a vida que é uma dádiva abençoada de Deus. Amei esse texto…parabéns! louvo a Deus por sua vida. obrigado por nos abençoar com essas pérolas.

  4. Sinto um pouco de tudo de mim mesmo. Mais sei que tenho um Deus que me acompanha. Obrigada por leva-me a entender o que sinto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s