A insegurança que nos mata

Uma das coisas que mais faz sofrer é a insegurança. No relacionamento, machuca demais. Rouba a alegria, gera constante estresse e, por vezes, motiva conflitos com o parceiro – que podem resultar até mesmo em separação.

Como não ficar inseguro quando a namorada faz uma viagem com amigos e você não está lá e nem conhece todo mundo que está com ela? Como não sentir-se incomodado se ele sai com amigos para uma festa, que terá várias outras garotas e você sabe que, por mais correto que seu amor seja, ele não é o tipo que passa por um ambiente sem chamar atenção? Como evitar a insegurança se as amigas dela não gostam de você e fazem de tudo para criar um ambiente favorável pra que ela conheça outros homens?

Complicado, né?

É difícil encontrar quem não tem uma dosezinha de insegurança. Nem que seja bem pequenininha. Pode até ser para situações muito específicas – bem diferentes das que listei. Mas a insegurança está lá… E incomoda. E sabe de uma coisa? A própria Psicologia explica explica, mas não dá conta de tratar de forma satisfatória desse sentimento. Afinal, teorias não silenciam a dor do coração. E quem sente só queria uma coisa: não sentir-se inseguro. Ou “prender” a pessoa amada para não correr o risco de perdê-la. Como não dá, o negócio é lidar com esse medo.

Semelhante a outros sentimentos, a insegurança tem origem na nossa própria história. No relacionamento, também pode ser motivada pela dinâmica do romance. Mas, em geral, embora internalizados, o medo e a insegurança vêm das “ameaças” externas.

Nascemos indefesos. Somos dependentes. A maneira como somos educados pode nos levar à autonomia ou a eterna dependência afetiva. Como não existem pais/educadores perfeitos, todo mundo desenvolve algum tipo de “transtorno” emocional. E aqueles que não são inseguros podem até ter confiança em excesso – o que também não é bom.

Encontrar o equilíbrio – que é o que todo mundo precisa – não é tarefa fácil. Depende de constante autoconhecimento. E de uma luta consigo mesmo.

Dá pra evitar o incômodo diante dos quadros que listei acima? Difícil, né? Como ficar bem se você sabe que seu namorado está num ambiente favorável a ser alvo de piriguetes ou de “mulheres bem sucedidas”? Tem que confiar muito nele e no próprio taco. Rsrs. Até dá pra controlar o ciúme exagerado, as perguntas insistentes, as ligações de quinze em quinze minutos… Mas impedir o coração de ficar angustiado é uma outra história.

Tem coisas que acontecem no coração que não é tão simples evitar. A pessoa não escolhe ficar insegura. A pessoa não escolhe ficar triste. A pessoa não escolhe sentir ciúme… Ninguém escolhe sofrer. As atitudes que temos diante dos fatos até podem significar escolhas. Mas nem sempre são conscientes.

Sinceramente… eu não tenho respostas pra esse tipo de dor. Apenas entendo que, se está machucando, é necessário reconhecer que tem algo errado. E se não está bem, e a relação é que produz essa ansiedade toda, dialogar com sinceridade ajuda – embora não signifique o fim desse sentimento, pois ele nasce, como dissemos, nas “ameaças” externas (e ninguém vai trancar o namorado em casa).

Outra coisa a fazer é identificar e reconhecer a própria história. A vida da gente, aquilo que já passamos, motiva muito do que sentimos. Às vezes, o problema está na gente… numa carência afetiva desenvolvida ao longo da infância e adolescência. Entender também a dinâmica do relacionamento e perceber se ele tem base sólida é fundamental para continuar – ou não – apostando no romance. Se o parceiro ou a parceira tem histórico de infidelidade e é, por isso, que gera medo… Se o relacionamento não tem compromisso… Se há dúvidas sobre o amor do parceiro… Talvez o melhor seja dar um ponto final. Não vale viver angustiado por algo sem futuro.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s