Por que os jornais não dizem quem apoiam?

O The New York Times declarou apoio à reeleição de Barack Obama. O editorial foi publicado nesse sábado, 27.

Quando vi a notícia, lembrei de uma discussão que já fiz várias vezes em sala de aula. Nos Estados Unidos é comum os jornais se posicionarem. E sem prejuízos. Para eles, para os eleitores e para os políticos.

O NYT anunciou que prefere Obama e isso não o fará perder leitores republicanos. Nem Mitt Romney deixará de falar com os repórteres do jornal. Também não se sentirá perseguido.

Há maturidade política suficiente nos Estados Unidos para que todos entendam tal atitude como natural. Sabem que os veículos de comunicação não deixaram de exercer seu papel social pelo fato de apoiarem um candidato.

Como isso seria aqui no Brasil? Impossível, né.

Os eleitores diriam que os jornais e jornalistas estariam vendidos. Os políticos passariam a privilegiar as informações para os que os apóiam e se achariam perseguidos pelos veículos que escolheram os adversários. E, por vezes, muitos meios de comunicação perderiam a linha e se engajariam, de fato, na campanha eleitoral. Seria um “deus nos acuda”.

Infelizmente, o que acontece lá não tem como acontecer por aqui. Embora ainda ache que seria mais justo, inclusive com os eleitores – afinal, todos têm uma posição -, falta maturidade para todas as partes envolvidas.

Pouca gente daria conta.

Por enquanto, há apenas dois exemplos de posicionamento declarado. Nas eleições presidenciais, o Estado de São Paulo declarou apoio a José Serra; a revista Carta Capital, a Dilma Rousseff.

É alguma coisa. Um começo. Quem sabe, um dia a gente chegue ao ponto de ter uma cultura política que permita um debate transparente e sem e menos hipócrita.

Anúncios