Pedagogia da reclamação

O aluno não é autodidata, carece do mediador
O aluno não é autodidata, carece do mediador

Vida de professor não é fácil. Na sala de aula ou fora dela. Entretanto, embora exista muita reclamação com a burocracia, o que mais escuto são lamentos pelo que acontece em sala de aula. O profissional reclama do aluno. Reclama da conversa, reclama do desrespeito, reclama do desinteresse, reclama da ausência de leitura, reclama do não cumprimento de atividades.

Do outro lado, a rotina do estudante não é nada divertida. As aulas seguem a lógica “giz e quadro negro” ou, no máximo, datashow com textos resumidos. Se o professor não escreve e/ou lê o tempo todo, fala o tempo todo. É maçante. E inúmeras atividades são solicitadas. O aluno tem dez disciplinas? Terá, no mínimo, dez trabalhos para fazer – além das aulas. Ele acha tudo chato, quer mudanças, deseja ser respeitado. Sem ser ouvido, prefere ficar trocando mensagens no celular ou navegando nas redes sociais.

O professor reclama; o estudante também. Embora ambos estejam insatisfeitos, não chegam a um acordo. Nem a insatisfação gera mudança.

Cá com meus botões, entendo que as duas partes têm falhado em seus deveres. Por ser professor, prefiro, neste momento, a autocrítica. Sinceramente, não gosto de ver colegas reclamando de alunos. Fico pensando: por que não muda de profissão? Entendo que enfrentamos problemas. E não são poucos. Mas aprendi que, quando o estudante percebe que o professor se importa com ele, a gente recebe de volta pelo menos um pouco de respeito.

Eles falam da gente pelas costas? Claro. Criticam? Certamente. Não são santos. Porém, acredito que é possível assegurar um ambiente mínimo para promoção do conhecimento. Além disso, não é nada produtivo ter esse conflito, essa espécie de “queda de braços” entre professores e alunos. Como haver aprendizado num ambiente como esse? Como produzir conhecimento se é transferido para o outro a obrigação de interessar-se pelo saber? O aluno deve querer aprender. Mas o educador carece de generosidade, deve ter vontade de partilhar, de estimular o desejo pelo saber.

Embora não acredite ser adequada a comparação, penso que, em alguns aspectos, o professor é como um pai. O filho (aluno) nem sempre quer fazer determinadas coisas. Também é birrento, briguento, arruma confusão, é desinteressado. O pai não desiste. Insiste, corrige quando necessário, alerta… Porém, não abandona o filho, não o deixa largado. O professor deveria ser assim. Não muda nada ficar reclamando, se lamentando, argumentando que “eles são todos iguais: um bando de desinteressados”.

Educar é persistir. É reconhecer que o saber se constrói por meio da interação. E interação acontece quando a gente se interessa pelo outro. Reclamar e abandonar o aluno a própria mercê só desgasta as relações e amplia as distâncias entre professor e aluno.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s