Tempo para seu amor

tempo2

Existe uma diferença lamentável entre namoro e casamento: o tempo dedicado à pessoa amada. Quando a gente namora, namorar é verbo, é ação. Parece fazer parte de uma atividade rotineira, programada, pensada, elaborada. Ganha tempo na agenda. Está na lista como prioridade.

Se alguém nos convida pra sair, para uma reunião, a gente pensa:

– Ah… mas hoje eu preciso namorar.

Quando a gente casa, casamento é substantivo. Um lugar, o espaço ocupado por um homem ou uma mulher. Parece que o casamento é em si mesmo uma rotina de atenção ao parceiro. É como se  dormir e acordar ao lado de uma pessoa, dividir algumas refeições e visitar a sogra garantissem sentido ao relacionamento. Namorar torna-se passado, e casar… casa-se um dia só. No namoro, a gente pensa “vou namorar hoje” (olha o verbo em ação); depois do casamento, ninguém diz “vou casar hoje” (a ação acaba). O casamento parece um fim em si mesmo.

Quem para e pensa “Hummm… Hoje vou chegar em casa, tomar um banho, colocar uma roupa legal e convidá-la pra sair um pouco.”?

Não é raro o marido projetar: “Vou tomar um banho, colocar o pijama, assistir o futebol…”. Ele nem pensa nela. No máximo, imagina transar com a parceira quando for pra cama.

E se pensa, é porque a mulher pediu pra que passe no supermercado. E a reação mais leve é algo do tipo:

– Que saco!!!

A mulher não é muito diferente. Pensa nas coisas de casa, arrumar uma coisa aqui, outra ali, falar com uma amiga, dar uma passada na casa da mãe… E quando lembra do marido é porque tem umas caixas atrapalhando no quarto.

– Ele tem que levar aquelas caixas pra garagem ainda hoje.

É incrível como muda a dinâmica do romance a partir da oficialização do “sim”. Os casais investem em seus sonhos – casa própria, decoração, carro, viagens… Mas ignoram a importância do tempo dedicado ao outro.

Antes, passavam horas no telefone; hoje, as conversas giram em torno do trabalho e dos problemas domésticos. Antes, sair sozinhos era prioridade; hoje, a carreira ocupa todo o tempo…

O casamento não precisa mudar as pessoas, o jeito de tratarem do romance. Talvez alguém até argumente:

– O casamento tem muitas demandas. Não é a mesma coisa do namoro. Não dá para fazer as mesmas coisas.

Eu concordo. Não dá mesmo. A vida fica diferente sim. Algumas coisinhas desagradáveis que não faziam parte da pauta do dia a dia passam a fazer parte da vida a dois. Mas casou, não casou? Se disse “sim” é porque tinha prazer em cuidar e dar atenção ao outro, em ter rotinas de carinho, de atenção, de diálogo, de brincadeiras… E, teoricamente, sabia que as responsabilidades aumentariam. Portanto, não há  justificativa para se acomodar. Acomodar significa parar, estacionar o romance. E abrir mão do que há de melhor num relacionamento. 

Quem não dedica tempo ao seu amor perde o romance. Abre mão de ser feliz a dois e vive uma vida medíocre.

Anúncios

14 comentários em “Tempo para seu amor

  1. Perfeito o texto. Parabéns mais uma vez Ronaldo. E a última frase resume muito bem “Quem não dedica tempo ao seu amor perde o romance. Abre mão de ser feliz a dois e vive uma vida medíocre.”

  2. Sério mesmo, que os casais fazem isso de se estressar por mercado etc?
    No meu casamento é o contrário o marido é que insiste em mercado, me recuso a ir ao mercado toda hora ou deixar que ele vá.
    Me recuso a pegar em vassoura ou roupa final de semana ou deixar que meu cônjuge pegue…

    Normalmente sou arrumada e organizada mas faço vista grossa viu algumas vezes…

    Deixa eu te contar, essa tem sido a melhor fase do meu casamento. Pensamos mais em namoro que qualquer outra coisa. (rsrs) Sexta feira passada meus filhos viajaram e fizemos uns queijos e vinhos em casa mesmo, (uma festinha particular) ouvindo boa música (umas indicadas por nosso amigo Ronaldo Nezo) 😉

    Ronaldo adoro seus textos, sério!! Já não consigo mais ficar sem “Na Segunda uma Música” e os textos de relacionamentos show!!
    Abç ae

  3. Gostei do seu texto: simples e enxuto, mas no mínimo, altamente reflexivo… vale a pena mesmo pensar um pouco mais como namorados, investir na relação, não apenas no “dia dos namorados”, que o mercado elegeu para ser O dia. Se “É preciso chuva para florir…” reguemos!

  4. Namoro há quase cinco anos e quero muito me casar logo. Falo nesse assunto todos os dias, pergunto quando iremos ficar noivos, se vai demorar muito, etc e tal. Ele prometeu várias vezes ficarmos noivos, mas sempre volta atrás porque diz que tem q pensar melhor sobre o assunto. Ele tem 29 anos, é formando e não sei porque não toma logo essa decisão que me consome e abala nosso relacionamento.

  5. Ronaldo, sou casada a vinte e cinco anos, passamos pelos momentos do verbo e nesse momento substantivo muito bem comparado no texto, acredite, nunca deixamos o adverbio ROTINA de vida medíocre nos fazer infelizes, sempre buscamos em cada momento individual dessa realidade, mostrar ao outro que o casamento só somaria os nossos desejos em comum e nunca esquecer os verdadeiros valores da base da nossa relação. Fiz questão de deixar essa minha vivência como um exemplo também para seus demais leitores. Obrigada pelas palavras e contexto das suas mensagens.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s