Multa para quem joga lixo na rua

lixoQuem joga lixo nas ruas na cidade do Rio de Janeiro paga multa. Pelo menos é o que prevê a legislação do município em vigor a partir do dia 1º de agosto. A pena varia de R$ 157 a R$ 3 mil. Claro, o assunto é polêmico e tem muita gente achando a medida um absurdo.

Ao ver a notícia, fiquei pensando na quantidade de lixo que as pessoas jogam nas ruas todos os dias. Vez ou outra, observo gente que abre a janela do carro e descarta lata de refrigerante, cerveja e até garrafinha de água. Tem aqueles que despacham os papéis, cartazes, folders etc colocados no limpador de pára-brisa. E ainda há os resíduos menores: tampinha de garrafa, bituca de cigarro… São os “porquinhos de plantão”.

E aqui estou falando apenas desse “lixinho cotidiano” – que se produz dentro no carro, andando nas calçadas etc. Existem ainda os grandes descartes – produtos de informática, lâmpadas e até sofás, colchões…

Multar quem joga me parece uma medida bem razoável. Tem gente sem compromisso algum com a cidade, com o meio ambiente. Gente que acredita que sempre vai ter alguém pra ir lá e limpar a sujeira que produz. São pessoas arrogantes, sem sentimento coletivo, ignoram o que é responsabilidade social. Acham que o poder público tem a obrigação de fazer por eles. Um bando de imbecis.

O que me preocupa em leis como essa é sua aplicabilidade. Quem vai multar? Como flagrar? O agente de trânsito fará isso? O guarda-municipal? Deveriam ser todos os agentes públicos. Afinal, os flagras são diversos. Porém, instantâneos. Acontece agora e pronto. Não dá tempo de chamar o fiscal para multar o sujeito que jogou a latinha pela janela do carro.

Ainda assim, legislar sobre esses temas é uma necessidade… Até para gerar o debate na coletividade.