Tem jeito de deixar as reuniões menos chatas?

group of confident professional employees in a serious meeting from aboveEu tenho pavor de reuniões. Não gosto delas. Acho improdutivas, chatas. Enroladas, na verdade. Raramente é possível ser objetivo, prático e motivador nessas ocasiões. Aquela imagem colocada nas revistas de negócios de gente sentada em volta de uma mesa, interagindo, sorridente… é uma grande balela.

As reuniões de trabalho são necessárias, reconheço. Não todas, claro. A maioria é perda de tempo. Ainda assim, são uma forma de expressão da própria democracia. Organizações que não proporcionam esse espaço de debate de idéias geralmente são autoritárias. Há apenas uma linha mestra que rege as atividades de todos. Ainda assim, não gosto delas.

Não significa que sou contra a democracia. Apenas penso que é quase impossível juntar um monte de gente e fazer as coisas fluírem de maneira rápida, funcional. Sempre tem aquele colega que parece ter necessidade de aparecer. O sujeito fala, fala, falta… interrompe, dá palpites. Tem o outro que bota defeito em todas ideias. Na opinião dele, nada vai dar certo. Fica pior quando quem conduz a reunião é preciosista. A pessoa é carente de atenção, quer mostrar que sabe, ou quer se apresentar como alguém flexível, tolerante…

Reuniões ainda nos fazem conhecer os bajuladores, maldosos, invejosos, falsos. A gente encontra de tudo. É preciso ter estômago. O meu não dá conta: a gastrite reclama logo. Por isso, nessas horas o café é sempre indesejado.

E não sou apenas eu que não simpatizo com reuniões. Uma pesquisa feita com 2 mil executivos brasileiros apontou que 69% deles as odeiam. É muita coisa, né. Quase 7 de cada 10.

Bom, meu texto não é pra propor um guia, uma fórmula. Nada disso. Nem se trata de algo voltado pro mundo corporativo. Não mesmo. Eu só busco um jeito melhor de viver. E as reuniões me incomodam. Acho que dá pra ser democrático sem obrigar uma equipe inteira a participar desses encontros chatos. Tem coisas que não carecem de reunião pra serem resolvidas. Com as tecnologias também dá pra pensar em debates online, em tempo real ou não (onde todo mundo vai lá, palpita etc). Um mediador pode facilitar esse processo e conduzir as conversas. Mas o mais inteligente ainda é ouvir as pessoas, fazer uma pesquisa… Tentar achar alternativas pra torná-las menos desagradáveis. Contornar horários, ter coisas que as pessoas gostam (comida, por exemplo)… E mais dois pontos: o primeiro, garantir equilíbrio entre todas as vozes (ninguém fica sem falar e nenhum participante pode falar demais) e, o principal, ter horário pra começar e terminar.

Sei lá… Pra mim, acho que ajudaria um bocadinho. Ah… e implementar o que foi decidido, né? Não dá pra ficar indo do nada pro lugar nenhum. Falar, falar e não fazer nada do que foi conversado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s