O pessimismo faz mal

pessimismo

Em novembro de 2008, em plena crise econômica mundial, escrevi:

Em tempos de crise financeira, é preciso evitar os excessos de pessimismo

Na época, o ex-presidente Lula havia encarado os pessimistas de plantão, boa parte da grande imprensa e os analistas de economia pra dizer que a crise passaria por aqui como uma “marolinha”.

Seis anos depois, num ano eleitoral, o cenário na Europa e nos Estados Unidos não é dos mais confortáveis. Porém, não dá para dizer que o quadro é preocupante como naquela ocasião. Ainda assim, não faltam notícias negativas sobre a economia brasileira. Nessa quinta-feira, 3, por exemplo, a Gazeta do Povo trouxe como manchete:

Pessimismo com o futuro atrasa retomada da economia

Pois é… Pessimismo faz mal. Faz mal pra vida da gente. Faz mal pra economia. E curiosamente, muitas vezes o pessimismo tem motivações abstratas. Não há dados concretos, porém o mau humor está ali, instalado. A gente acha que pode dar errado e passa a agir a partir de uma expectativa nossa.

No caso da economia, a expectativa ruim não nasce necessariamente em nós. Analistas de economia, políticos de oposição, gente ligado ao mercado financeiro observa os movimentos econômicos e espalha o pessimismo. Com a anuência da imprensa, que nem sempre discute o tema de maneira responsável, o pessimismo reverbera. E é incorporado pela população.

Quem pretendia comprar, fica mais cauteloso; quem tinha intenção de investir numa reforma, construção da casa nova etc, prefere esperar… Industriais optam por não ampliar a produção; comerciantes compram menos, contratam menos… Enfim, o pessimismo segura o crescimento da economia.

O mais interessante nesse processo é que o pessimismo muitas vezes (como é o caso atual) não tem origem concreta. Por exemplo, atualmente o desempenho do emprego e da renda é positivo, setores como os de serviço, comércio e indústria seguem avançando. Entretanto, os dados positivos não são suficientes para romper com o pessimismo. E por que ele acontece? Porque a equipe do governo Dilma não inspira confiança, não consegue mostrar que é capaz de dar novos rumos à economia e, por outro lado, o discurso de que “está tudo errado” se repete. E a repetição transforma meias verdades em verdades absolutas. Pior, pouca gente questiona isso.

Por isso, na economia – ou fora dela -, o pessimismo representa um peso, um atraso. Quando a gente adota um olhar pessimista, perde a chance de ver as possibilidades. Fica ranzinza, rancoroso, mal humorado. E não cresce. Na economia, o país não cresce; na vida, abre mão de se tornar um ser humano melhor, de ter prazer de viver.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s