Na segunda, uma música

Johann Sebastian Bach é considerado por muitos o maior compositor de todos os tempos. Escreveu cerca de mil peças. Na época dele – final do século XVII, início do século XVIII -, um músico e compositor apenas sobrevivia de sua arte. Não se ganhava dinheiro. E Bach, mais que viver de forma modesta, dedicou todo seu talento à vida cristã. Esse artista genial trabalhou anos e anos para a Igreja Luterana.

Cerca de 150 anos antes, os luteranos haviam introduzido a música congregacional nos rituais de culto. Martinho Lutero, durante a reforma protestante, rompeu com vários dogmas católicos e deu voz ao povo também através do canto. Durante as cerimônias religiosas, a música passou a ser cantada por todos. Bach seguiu os passos de Lutero e compôs centenas de músicas que serviram à liturgia dos cultos luteranos.

Filho de uma família de tradição musical, Bach já foi visto por alguns religiosos como o quinto evangelista. Além de Mateus, Marcos, Lucas e João (autores dos evangelhos do Novo Testamento), Bach teria escrito um outro evangelho, mas esse por meio da música.

Uma das obras-primas do compositor é “Jesus, alegria dos homens”. E é esta música incrível que compartilho nesta segunda-feira. Escolhi uma interpretação singela feita pela norueguesa Sissel Kyrkjebø. Aqui, a cantora, que transita pelos clássicos e por canções populares, não canta. Mas ainda assim… encanta.

Vale a pena ver e ouvir.

Outra versão sublime desta canção é do grupo Celtic Woman. Que tal conhecer?

Anúncios