Ele não roubou minha carteira

carteiraSaí apressado de casa para comprar alguns pães. Optei por uma caminhadinha rápida. Já era noite e a rua é bastante escura. Ainda assim, não me preocupei. Carteira na mão… e lá vou eu. Andei alguns metros e notei um sujeito estranho. Fumava. E não era cigarro… Obrigatoriamente, passaria por ele. O rapaz não parecia ter pressa. Senti um friozinho na barriga. Já ouvi sobre alguns assaltos na região. Então tratei de esconder a carteira. O problema era a falta de bolso. Improvisei na blusa e me aproximei…

Quando fui passar pelo rapaz, ele olhou pra mim e disse:

– Ei, está andando na penumbra?

Falei qualquer coisa e fui logo passando. Mas a minha carteira caiu. E bem aos pés do sujeito. Quer dizer, eu que estava com medo de ser assaltado, “entregava” a carteira “de graça” para o camarada. Sequer tive tempo de esboçar alguma reação. Ele se abaixou, pegou a carteira, limpou e… me entregou.

Agradeci e segui em frente. Envergonhado, claro. Tinha acabado de levar um “tapa na cara” da vida. Havia julgado pela aparência.

Sabe, não estou dizendo que o mundo só tem pessoas boas. Nem que devemos andar descuidados pela rua. Não sei quem era o rapaz. Se era alguém honesto ou não. Porém, eu fui apressado em julgá-lo. Talvez por medo… Ainda assim, julguei.

A gente faz isso o tempo todo. Muitas vezes, as condições favorecem nossas conclusões. Tudo aponta para uma “verdade”. No meu caso, o fato de estar escuro, ter ouvido notícias sobre assaltos e mais a aparência do rapaz. Porém, com frequência, cometemos injustiças. Avaliamos de forma errada as pessoas. E até as rejeitamos, excluímos do convívio social.

Diariamente, devemos exercitar a dúvida. Duvidar do nosso olhar… Somos apressados demais em julgar, avaliar e tirar nossas conclusões. Sem pensar muito vamos logo dizendo que a pessoa é chata, sem-vergonha, falsa… A gente vê alguma coisa e acha que sabe o que está acontecendo ou aconteceu.

Para se aproximar do que é verdadeiro, é preciso conhecer. E conhecer depende de convivência, de contato, de relacionamento… Não é “de fora” que damos conta de dizer o que o outro é. Ou o que outro faz.

Anúncios

3 comentários em “Ele não roubou minha carteira

  1. Boa noite Ronaldo! Li e fiquei “boquiaberta” com o inusitado da situação! O benefício da dúvida é real e necessário, tempo x convivência x avaliação. Enfim, os tempos atuais colaboram para a precipitação de nossa parte em algumas situações, e muitas das vezes erramos. Procuro seguir o até que me prove o contrário… Ms em uma rua escura é dificil.
    Realmente, rapidez nas conclusões, comentários e julgamentos é arriscado… cinco minutos para pensar… hahaha… brincando um pouco, ok.
    um abraço.

  2. Desculpa, Ronaldo, mas eu ri!
    Não sei de quem eu ficava com dó: se da carteira entregue, ao chão, ou do rapaz.
    As circunstâncias da vida nos colocam em cada situação! Quem nunca passou por isso, né?!
    Um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s