Escravas sexuais

escravaPor pesquisar sobre cultura, sempre defendo que não existe uma cultura superior a outra. Hábitos, costumes… são valores de cada povo. Entretanto, parece que algumas coisas carecem de uma medida universal. Como não ficar chocado quando mulheres são vendidas como escravas sexuais? É isso mesmo… Vendidas como uma mercadoria qualquer, numa feira. Detalhe, e com comprador inclusive propondo a troca por armas. É assustador.

O mercado de escravas sexuais contempla inclusive adolescentes. Num vídeo chocante que está no Youtube, é possível ver homens fazendo piada enquanto estão falando da venda das garotas. Chegam a sugerir que os compradores não esqueçam de espiar os dentes das escravas.

Esse comércio de mulheres é promovido pelo estado islâmico no norte do Iraque. E quem são elas? Geralmente são de famílias yazidis, mas também existem cristãs. As Nações Unidas estimam que pelo menos 2,5 mil foram capturadas no último verão, porém pesquisadores da Universidade de Oklahoma acreditam que esse número passe de 4 mil e pode chegar a 7 mil.

Sabe, não dá para entender como o homem é capaz de desprezar o humano que lhe parece diferente, que não professa sua fé ou cultura. A discriminação contra mulheres e crianças, contra negros, homossexuais etc, como ainda ocorre em países como o nosso, é algo que não dá para aceitar. Mas e com esses povos? Sinceramente, não sei como adjetivar. É simplesmente assustador notar que existem pessoas que chegam ao ponto de vender gente como escravo – nesse caso, mulheres e meninas como escravas sexuais.

Você consegue se colocar no lugar dessas mulheres? Dá para imaginar como se sentem? Eu não dou conta de fazer isso. Apenas me sinto menos gente ao saber que esse tipo de coisa acontece no mundo. Tenho vontade de pedir “para o mundo aí que eu quero descer”.

Quem quiser ver o vídeo que citei, está logo aí… O vídeo foi considerado autêntico por autoridades e pesquisadores.

Anúncios

2 comentários em “Escravas sexuais

  1. Realmente estarrecedor, por enquanto.

    As pessoas vão se acostumando com as notícias, que como essa, começam a nem terem destaque, a nem serem notadas. É por isso que penso que certos seres, que não considero humanos ou gente, como estes aí do vídeo, nem domesticados através da religião servem para o convívio.

    Cultura, que às vezes expressamos em nossas frases como sendo algo muito elevado, é, simplesmente, hábito, aquilo que fazemos diariamente, costume. E, há de se questionar sim, se tudo isso é normal, sob o pretexto da cultura, a cada vez que um consegue cozinhar e almoçar um cãozinho, quando o outro consegue casar com uma criança de 6 anos ou quando muitos consegue sacrificar um touro com flechadas, paus e pedras – exemplos. Também temos que olhar para os nossos pequenos hábitos, pois, estes se tornam a cultura lesiva no futuro.

    Quando cito animais como o cão, quero dizer que qualquer atrocidade com outro ser vivo é repugnante, é hediondo, independente da vítima ser um animal racional ou irracional.

    Qual a solução?
    Não sei, mas, aqui mesmo no Brasil temos muitos casos de pedofilia, de estupros, de abusos cometidos por homens. E, também mulheres. E, não se dá tanto importância, até que aconteça com alguém mais próximo. Não raro, os familiares atribuem a culpa à vítima. E quantas pessoas não somem diariamente? Que fim levam? Estão sendo escravizadas? Já se sabe da existência de redes, que fazem caminho aqui no Brasil, especializadas no assunto, que ludibriam mulheres oferecendo trabalho em outros países. Claro, tudo muito velado.

    A internet traz à tona coisas horripilantes, práticas de remotos tempos. É uma forma de denuncia, e também de desmascarar que não somos ou estamos tão civilizados assim. Que tanta “cultura”, ciência, tecnologia, religião, etc. não foram capazes nos tornar “super homens”, ou pelo menos “humanos”.

    São fatos recorrentes, e que na “luta do bem contra o mal”, não podemos deixar de nos expressar e nos indignar com situações como esta. Para todos casos eu diria: deixemos de ser tão complacentes! Tão pacíficos com a sujeira – que às vezes bate à nossa porta. É preciso expor sim o que se pensa, trocar idéias, se posicionar, e quando possível, agir. Ou pedir pra descer do mundo…

    Muitas pessoas estão alheias a tudo isso, mesmo com tanta informação esfregada em nossas caras. Pessoas que fazem questão de se abster, de não opinar, de não se posicionar sobre os diversos assuntos que interferem em nossas vidas. E, tenho certeza que essa ausência de juízo é que está nos levando sutilmente à extinção…

    Já me estendi demais Ronaldo. Mas, muito importante essa tua indignação: Sinal de que ainda temos uma chance de melhorar, de que ainda temos pessoas, como você, que não aceitam o hediondo como natural.

    Um grande abraço,
    Michele

    ps: um link de uma notícia que praticamente foi esquecida, o link é de uma matéria recente, mas, a maioria dos que noticiavam, pararam em maio de falar no assunto.
    http://www.portugues.rfi.fr/mundo/20141101-boko-haram-nega-tregua-e-libertacao-de-estudantes-sequestradas-na-nigeria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s