A importância do parceiro que acolhe nos momentos de adversidade

A gente conhece de verdade a pessoa amada quando surgem as maiores adversidades. Quando falta o emprego e as dificuldades batem à porta, como a parceira reage? Quando a mãe morre e uma depressão avassaladora coloca a mulher prostrada numa cama, o que o marido faz?

Acho que todo mundo conhece algum marido que deixou a esposa quando ela ficou muito doente… Ou uma mulher que passou a humilhar o companheiro depois de seis meses desempregado. Também conhecemos inúmeras histórias de casais de namorados que brigam, brigam e brigam, porque um não dá conta de ter empatia pelo problema do outro, não sabe apoiar, acolher, auxiliar.

Também por isso penso que são as dificuldades pelas quais passamos que nos ajudam a conhecer melhor o parceiro. Gente que ama demonstra amor na adversidade. E demonstra de forma prática. O problema se torna motivo para unir ainda mais o casal. E a união fortalece a relação.

Ela está doente? Ele cuida, trata, ajuda na casa… Ele está desempregado? Ela incentiva, tenta achar formas de ampliar a renda da família… Ela tem problema com os pais? Ele tenta reaproximá-los, compreender, pacificar…

Sabe, não é nada fácil lidar com o problema alheio. Por mais que você esteja envolvido com alguém e ame demais aquela pessoa, quando não é algo que te afeta diretamente, a tendência é querer se livrar do problema. Não é fácil compreender a dor do outro. Não é fácil ter a palavra certa, saber enxugar as lágrimas. E talvez, justamente por isso tudo, a palavra chave nessas horas seja “paciência”. O apóstolo Paulo, numa de suas epístolas, diz que “o amor é paciente”. E na adversidade é momento de praticar a paciência.

Ao longo dos anos, também aprendi que uma forma de ser paciente na adversidade, ter empatia pela dificuldade do outro, é olhar para o passado e recordar o que aquela pessoa representa para você. Muitas vezes, as dificuldades fazem com que a gente esqueça o que já viveu de bom no relacionamento. Pelo menos nessas horas, o passado pode ajudar a nos fortalecer no presente.

Esse olhar para o que de bom já experimentaram juntos é fundamental para manter um espírito agradecido… Porém, mais que olhar para o passado, é necessário ter esperança, ter fé. Ninguém supera as adversidades da vida sem fé. Se falta fé, afundamos. O pessimismo toda conta e coloca o relacionamento em xeque.

Por fim, eu diria que os momentos de adversidade são oportunidades para demonstrar de maneira clara que nos importamos com o relacionamento. Quem acolhe o parceiro nos momentos mais difíceis, ganha a admiração do outro. E o amor se fortalece através da admiração. Quem se sente admirado, sente-se reconhecido… Isso cria um ciclo virtuoso no relacionamento.

Sim, eu sei que escrever é mais simples que superar a morte de um filho, o câncer do parceiro, a doença da sogra que tira a esposa de casa… Mas vida a dois significa mais que estar junto nos bons momentos.

Anúncios

Um comentário em “A importância do parceiro que acolhe nos momentos de adversidade

  1. Estou passando no momento por isso, sei o quanto é doloroso. A minha esposa desistiu do nosso casamento quando estou doente e desempregado. Ela não buscou conselhos nas pessoas nem em Deus, não dialogou comigo para tomar decisão tão importante, decidiu sozinha e terminou o matrimônio de 6 anos pelo telefone, de maneira fria e calculista. Eu não reconheço mais a mulher com quem convivi todos esses anos. Realmente “a gente conhece de verdade a pessoa amada quando surgem as maiores adversidades”.

    “Muitas vezes, as dificuldades fazem com que a gente esqueça o que já viveu de bom no relacionamento”. Parece até que foi eu quem escreveu essa frase, porque eu já meditei sobre isso e cheguei à conclusão de que ela esqueceu, sim.

    “Quem acolhe o parceiro nos momentos mais difíceis, ganha a admiração do outro”. Eu disse que ela perderia minha admiração ao partir no meu momento mais difícil, mas ela respondeu que não precisa da minha admiração para viver. Ela foi-se com a ilusão de que alcançará a felicidade sobre a infelicidade do parceiro, a quem, menos 15 dias antes do término, dizia amar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s