Para quê viver 90 anos?

A expectativa de vida vai chegar a 90 anos para mulheres de alguns países. Acredita-se que isso vai acontecer até 2030. Países como Coreia do Sul, França e Espanha vão estar nessa situação.

Essa parece ser uma excelente notícia. Afinal, as pessoas estão vivendo mais. Incrível, né? Eu sonho viver 120 anos, então acho o máximo a informação desse estudo.

Mas, sejamos sinceros, viver tanto pra quê? Vejam só como temos vivido. Vivemos dias vazios. Vivemos para o trabalho e reféns de uma lógica que rouba o melhor de nós. Quase todo o nosso tempo é dedicado a correr atrás do dinheiro. E o dinheiro corre de nós. Quando olhamos para a vida que levamos, notamos o quanto tem sido vazia, chata, sem graça, sem sentido.

Então para quê viver 80, 90 ou 120 anos?

A vida que vale a pena é a vida que é plenamente vivida. Vida que experimentamos em sua essência. Vida com amor, com graça, leveza e pelo menos um pouco de liberdade. Vida que serve aos outros. Vida que faz rir, que faz chorar… Mas vida que se sente. Vida em que felicidade não é apenas uma expectativa de um por vir que parece nunca chegar.

Ninguém muda ninguém

Eu sei que o sonho de muita gente é mudar pessoas próximas. Mudar o namorado, o marido, a esposa… Mudar os filhos, a mãe, a sogra… Mudar amigos. E até o chefe. Mas não funciona assim. Ninguém muda suas atitudes se não estiver convencido que precisa mudar.

A mudança começa no convencimento pessoal. Algumas pessoas, eu diria muito poucas, estão abertas para ouvir críticas, questionamentos a respeito de suas atitudes, de seus comportamentos. Essas pessoas já possuem uma pré-disposição para mudar. São pessoas dispostas a crescer. Porém, a maioria pode até se dizer disposta a mudar, a ouvir críticas, mas, na prática, na convivência do dia a dia, elas resistem. Ao ouvirem qualquer tipo de questionamento, ouvem na defensiva. Isso geralmente ocorre porque a pessoa sente-se acuada. É como se a crítica a estivesse desqualificando.

Por isso, minha dica de hoje é muito simples: não se desgaste tentando mudar as pessoas. Se você notar que existe a abertura para o diálogo, fale com carinho, fale com generosidade. Faça isso duas ou três vezes. Se notar resistência, não perca seu tempo. Você vai se irritar, se estressar e, pior, ainda corre o risco de ser vista como uma pessoa chata, daquelas que se acham donas da verdade.