A ausência que mata

Robin Willians se matou em 2014. Ator de sucesso por mais de 30 anos, teve um fim triste. E não apenas pelo suicídio. O suicídio foi apenas consequência de um período de existência vazio, triste, solitário.

O comediante chegou ao ponto de se sentir incapaz de voltar a fazer as pessoas rirem. Mesmo casado (pela terceira vez), vivia distante da esposa. Cada um tinha seu quarto, suas rotinas.

Robin não se perdoava pelo fim do segundo casamento e, em sua cabeça, imaginava ter provocado sofrimento nos filhos. E isso de tal forma que, ao invés de se aproximar deles, mantinha-se acuado, culpado.

Muitos outros aspectos desse drama aparecem na obra biográfica Robin, escrita pelo jornalista Dave Itzkoff, do The New York Times.

O que mais me chamou atenção foi a fala de um dos filhos de Robin Williams: “sinto que deveria ter passado mais tempo com ele. Porque alguém que precisava de apoio não recebeu o que queria”.

Essa conclusão me fez pensar nas inúmeras vezes que, mesmo tendo alguém sofrendo ao nosso lado, não notamos. E, se notamos, entendemos que a pessoa deve ser forte o suficiente para, sozinha, lidar com os problemas; ou pelo menos procurar ajuda profissional. Na prática, a gente não quer se envolver. Já temos nossos problemas, né?

Acontece que ninguém vive bem sentindo-se abandonado. E às vezes um pouco mais de nossa atenção pode trazer o conforto que um coração precisa.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s