No Brasil, quem nasce pobre continua pobre

Tenho sustentado que um dos maiores dramas do Brasil é a desigualdade social. Embora condições desiguais – gente rica e gente pobre -, sejam uma realidade da estrutura social e econômica, a desigualdade por aqui é ainda mais acentuada. Ou, como brinco com meus alunos, a desigualdade brasileira é ainda mais desigual.

Dados divulgados nesta sexta-feira pela OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico) mostram que, entre 30 países pesquisados, o Brasil é o segundo pior no ranking de mobilidade social.

O que isso significa? Significa que, no Brasil, é muito mais difícil sair da pobreza e chegar à classe média, por exemplo. Veja só que loucura… Seriam necessárias 9 gerações para que um descendente de um brasileiro que está entre os 10% mais pobres atingisse o nível médio de rendimento do país.

Na prática, quem nasce pobre no Brasil tem enorme chance de continuar pobre.
O estudo da OCDE mostra que mais de um terço daqueles que nascem entre os 20% mais pobres no Brasil permanece na base da pirâmide. Apenas 7% conseguem chegar aos 20% mais ricos. Na média da OCDE, 17% dos pobres conseguem chegar ao topo da pirâmide.

Observando a história recente do Brasil, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico também identificou que o Brasil estava conseguindo melhorar as condições de vida dos mais pobres na última década, antes da recessão econômica. O problema é que os últimos anos trouxeram de volta a desesperança e as poucas perspectivas futuras.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s