Quem é o profissional do futuro?

Gosto de pensar neste assunto não necessariamente na perspectiva do pessoal que escreve sobre carreira, liderança… Esse pessoal que dá palestras pelo Brasil afora ou escreve no Linkedin.

Penso neste assunto observando os movimentos da sociedade, as novidades tecnológicas que se impõe a cada dia… E, principalmente, no surgimento de uma cultura fluída que tira toda estabilidade e rompe com as garantias que parecíamos ter no passado.

É indiscutível que o futuro é incerto. Mas há indicações de que o mercado se tornará cada vez mais seletivo e muita gente terá que se reinventar para conseguir uma oportunidade de trabalho.

Quem vai sobreviver a todas as mudanças?

Os especialistas indicam algumas características fundamentais. Todo trabalhador precisa ser também um empreendedor, alguém capaz de inovar – ou seja, fazer de forma diferente o que já faz.

É fundamental ter competência técnica em tecnologia. Gente que não consegue dialogar com as tecnologias, fazer uso delas de forma eficiente, dificilmente vai conseguir sobreviver.

Outra característica é a disposição para estudar as tendências do mercado. Não dá para viver alheio ao que está acontecendo… Muito menos ignorar como as mudanças tecnológicas, sociais e culturais afetam o mercado de trabalho.

O profissional do futuro é alguém capaz de duvidar de suas próprias convicções. É necessário estar sempre pensando e repensando suas práticas diárias e questionar se há maneiras de ser mais eficiente fazendo o que já faz. Ou seja, não há espaço confiar em suas crenças, achar que você está certo. Conheço gente que diz: “eu faço isso há 20 anos; sei o que estou fazendo?”. Sabe, isso é um risco muito grande. O certo de hoje pode estar errado amanhã.

Também é fundamental ser criativo. E aqui está um dos maiores dramas, na minha opinião. Só é criativo quem vive experiências para além das rotinas. Por exemplo, quem lê bons livros, assiste filmes, faz viagens, passeia no parque… Ou seja, vive experiências estéticas bastante ricas.

Difícil reunir todas essas características? Sim. Muito difícil. Mais ainda porque muita gente sofre de preguiça mental. Raramente estuda, raramente se questiona, raramente aceita viver experiências incômodas… Além disso, principalmente os mais jovens, querem apenas viver aquilo que dá prazer. O que é difícil, o que requer persistência, o que requer horas e horas de esforço, a leitura profunda tudo isso é descartado, porque é chato.

Pois é… O problema é que todas as características do profissional do futuro demandam força, energia e, principalmente, disposição para romper com todo e qualquer tipo de conforto pessoal.

Anúncios