Qual é a hora certa de tomar uma decisão?

A gente nunca deveria fazer escolhas sob efeito de fortes emoções. Se você está feliz demais e toma uma decisão, corre o risco de fazer bobagem; se está irritado, também.

Pesquisadores da Universidade de Tel Aviv, em Israel, descobriram que até a fome ou o cansaço pode afetar negativamente nossas decisões.

Diariamente, fazemos escolhas. De coisas práticas a outras tantas de natureza subjetiva. A gente começa o dia decidindo que roupas usar. Define se vai tomar café, qual trajeto para chegar ao trabalho ou levar os filhos para a escola. Também decidimos como falar com aquela pessoa que não fez o trabalho como solicitamos e até mesmo se vamos ou como vamos responder ao chefe por aquela repreensão estúpida e que nos envergonhou na frente dos colegas.

Muitas dessas escolhas são feitas quase de forma automática, com base em nossas experiências anteriores. E isso nem sempre é positivo. Afinal, desde a roupa que usamos até a forma como respondemos ao chefe, cada atitude revela um pouco do nosso caráter e da capacidade que temos para desempenhar determinadas tarefas.

Por isso, estar consciente das escolhas que fazemos e das emoções que estão nos influenciando em cada momento pode fazer a diferença entre sermos ou não bem sucedidos.

Se temos consciência de que estamos bastante animados, podemos optar por não ficar com aquela garota que vai causar dores de cabeça depois. Se percebemos o nível de irritação do momento, podemos sair de perto do chefe e evitar pedir demissão num momento que precisamos do emprego.

Parecem ser pequenos detalhes, mas ter a mente calma, o coração tranquilo, nos ajuda a ter a clareza necessária para fazermos as melhores escolhas para nossa vida e para a das pessoas próximas.

Anúncios