A curiosidade deve motivar a busca por aprender

O processo de aprendizagem não é nada divertido; pelo contrário, é bastante desgastante e cansativo.

Porém, a busca por aprender, tendo como foco apenas a preparação para o trabalho, pode até assegurar um objetivo a esse processo, mas não o torna significativo.

O que garante significado ao ato de estudar é a curiosidade. Quando a gente procura entender os fenômenos sociais, físicos, biológicos, químicos, matemáticos… As estruturas da linguagem, a riqueza da literatura… Quando fazemos isso, por curiosidade, nossa mente se abre, um novo mundo se abre diante de nós. Somos desestabilizados, confrontados… E isso atualiza e renova nossa maneira de ver e pensar.

Na sociedade capitalista, parece que tudo precisa ter uma função prática, uma justificativa objetiva. Isso tira a beleza do ato de aprender.

É a curiosidade, o desejo de ver melhor e mais longe, a paixão por saber é que deveria nos motivar a estudar.

Se estudamos apenas pela perspectiva de ganhos financeiros, não nos abrimos efetivamente para o saber. O foco passa a ser tão somente o dinheiro.

É justamente a motivação pelo lucro que torna as pessoas suscetíveis à corrupção e nos desumaniza. Cada um passa a ter um preço. Quando nos movemos por paixão, nada pode nos corromper. Não trocamos a liberdade do pensar, a reputação e os valores, por uma mala de dinheiro.

Um jovem que escolhe Medicina pensando no status dessa profissão e em ganhos financeiros não será capaz de se comover com um pobre coitado à beira da morte que pede socorro na porta de um hospital.

Gente que tem paixão por aprender é como esponja: absorve todos os tipos de conhecimento e se conecta com o mundo por compreendê-lo, não pelos resultados financeiros que pode obter.