Só vive em paz quem faz o que precisa ser feito…

A frase que dá título a este texto é do professor Mário Sérgio Cortella. E ela nos serve de alerta, uma espécie de lembrete sobre nossas práticas cotidianas.

Quase todos nós, no fundo, sabemos o que precisa ser feito. Temos noção daquilo que nos cabe fazer – seja nos relacionamentos, no trabalho e até no que diz respeito ao desenvolvimento pessoal.

A quantidade de informações que recebemos diariamente aponta quais as práticas fundamentais: o exercício da ética, do respeito, da tolerância… A necessidade de alimentar os bons afetos nos relacionamentos, a importância de perdoar, a abertura e dedicação ao aprendizado constante…

Enfim, esses valores nos são ofertados diariamente e, por isso, quando você está numa situação específica, sabe o que precisa fazer. Numa sala de aula, por exemplo, o aluno sabe que deveria deixar o celular do lado e tentar prestar atenção na sala para aprender algo diferente. Na empresa, o funcionário sabe que faria bem para o crescimento profissional tomar a iniciativa e realizar tarefas que não parecem ser obrigação dele – o colaborador sabe que isso provavelmente seria bem visto pela chefia. Mas ainda assim, muita gente opta por não fazer.

Por isso, quando o prof Cortella diz: só vive em paz quem faz o que precisa ser feito, ele destaca que, ao não fazer o que precisamos fazer, permanece em nós o incômodo da consciência de nossas falhas, do fato de sermos responsáveis por alguns dos nossos fracassos. Talvez nem sempre queiramos admitir, mas, no fundo, sabemos que fomos parcialmente (ou totalmente) responsáveis pela perda daquele emprego, na nota baixa, no fracasso da formação escolar e até mesmo do fracasso do relacionamento.

Por outro lado, quando fazemos o que precisa ser feito, ainda que tudo dê errado, temos paz de espírito. Dentro de nós, permanece a convicção de que fizemos o nosso melhor.

Fazer o que precisa ser feito exige ação, exige uma atitude racional. Mas isso é possível. Afinal, a capacidade de racionalizar é uma das características que nos diferenciam dos animais.