Aprendendo com Paulo Freire: não sou dono da verdade

Ouça a versão em podcast!

O professor Paulo Freire foi um educador brilhante. O mundo da educação segue aprendendo com seus ensinos. E não apenas o mundo da educação. Paulo Freire pensava a educação tendo como referência a própria pessoa e a sociedade em que ela vive. Por isso, quando lemos as obras desse grande professor, temos ensinos para a vida.

Ainda ontem, ao reler alguns de seus textos, encontrei um pensamento que compartilho por aqui. O educador sustentava a importância de marcarmos nossas posições, mas de respeitarmos as posições dos outros.

Disse ele:

Se de um lado não posso me adaptar ou me “converter” ao saber ingênuo dos grupos populares, de outro, não posso, se realmente progressista, impôr-lhes arrogantemente o meu saber como verdadeiro.

Lindo isso, né?

Paulo Freire sustenta aqui uma de suas práticas de vida. Afirma que não pode simplesmente se adaptar ou se converter a um tipo de saber que ele considera ingênuo, vazio, desconectado da realidade. Entretanto, o educador lembra que, se ele é realmente um sujeito progressista, não pode impor o saber dele como verdadeiro.

Essa é a essência do pensamento democrático progressista: marcar seu posicionamento, mas nunca impor o seu saber como sendo a verdade. É necessário respeitar o saber alheio, ainda que seja ingênuo ou se tenha provas que o outro esteja errado.

Noutras palavras, eu não devo me adaptar e nem me converter ao outro, mas não me porto como sendo o dono da verdade e nem obrigo a outra pessoa a aceitar o que eu penso.

Já pensou como seria maravilhoso se todos nós reproduzíssemos essa máxima de Paulo Freire? Nossas relações seriam pacíficas, baseadas no respeito e na tolerância.