Só aprende quem tem a consciência de que não sabe tudo

Ouça a versão em podcast!

Você se sente uma pessoa completa? Já sabe tudo que precisaria saber? Ou admite que ainda há espaço para se desenvolver mais? Quem sabe, até para mudar atitudes, hábitos, comportamentos? Se acredita que estamos sempre aprendendo, você e Paulo Freire estão de acordo.

A consciência de que somos seres inacabados, ou seja, estamos em constante formação é mais um dos princípios da pedagogia freiriana. Paulo Freire afirma que “na inconclusão do ser, que se sabe como tal, que se funda a educação como processo permanente”.

Paulo Freire parte da premissa de que, embora ninguém esteja pronto, é fundamental se reconhecer como um ser incompleto, inacabado. A consciência do inacabamento do ser assegura a abertura para o aprendizado. Quem diz “eu sou assim e não vou mudar”, se vê como um ser pronto, acabado, consequentemente, essa pessoa não estará aberta ao aprendizado. Noutras palavras, só existe chance de aprender alguma coisa nova, se há o reconhecimento de que cada interação pessoal, cada texto lido, cada aula assistida pode proporcionar conhecimento.

Todos nós estamos em desenvolvimento, em formação. Ao longo de toda a vida, podemos aprender e mudar. A pessoa que é hoje de um determinado jeito, pode deixar de ser amanhã e passar a agir de outra maneira. Mas para que isso aconteça é necessário ter consciência de que somos inacabados, estamos em formação e o saber que possuímos pode se somar a outros saberes ou até mesmo ser abandonado por algo que nos transforme em pessoas melhores.

Numa perspectiva histórica, nas palavras de Paulo Freire, “mulheres e homens se tornaram educáveis na medida em que se reconheceram inacabados. Não foi a educação que fez mulheres e homens educáveis, mas a consciência de sua inconclusão é que gerou sua educabilidade”. Na prática, não foi a educação que nos transformou; foi o reconhecimento de que poderíamos aprender mais. Por isso, nos abrimos inclusive para o processo formal da educação escolar. Ou seja, o desejo de saber mais criou todas as práticas educativas que hoje conhecemos.

É o reconhecimento de que podemos ser mais, aprender mais, que podemos fazer as coisas de outras formas, que nos coloca em movimento, que nos mantêm na busca por novos conhecimentos.

Segundo Paulo Freire, tanto o professor quanto o aluno, como todas as pessoas, devem viver essa experiência educativa; a experiência da constante procura pelo saber. O educador lembra que todo ser humano já nasce curioso, “programado para aprender”, um aprender que não se esgota, que se renova a cada instante e que oferece novas possibilidades de desenvolvimento.

Como você celebra o Natal?

O Natal te faz feliz? Ou esse dia te deixa triste?

Como sou cristão, quero começar dizendo: eu não vejo problema em comemorar o Natal. Acho que a polêmica que algumas pessoas fazem em torno disso é uma grande bobagem. Coisa de fariseu. É fato que Cristo não nasceu no dia 25 de dezembro, mas quem aí nunca comemorou o aniversário noutra data? Pra mim, se existe algum problema com o Natal, o problema está na maneira de celebrar o Natal.

Eu gosto dos sentimentos desta época do ano.

É verdade que durante muito tempo foi um período que não me trazia sentimentos bons. Mas o tempo me ajudou a lidar melhor com tudo e a ressignificar esta época do ano.
Eu tive uma infância simples. Nossa família era pobre. E eu via as grandes festas, as pessoas ganhando presentes e isso tudo me machucava bastante, porque nós não tínhamos nada daquilo. Meus pais sempre fizeram o melhor que podiam. Minha mãe cuidava dos presentes, mas existia uma distância entre a realidade e o desejo – entre o real e a imagem idealizada de Natal.

Depois, já adulto, quase todas as crises e dificuldades que vivi foram nesta época do ano. Então, dezembro me trazia dor no estômago.

Mas nos últimos anos tenho lidado melhor com o Natal. Ainda sofro com a desigualdade, com as dores por identificar tanta gente que sequer tem um prato de comida na ceia de Natal, mas tenho aprendido celebrar esta data como uma oportunidade de dividir, de estar junto das pessoas que amo, como uma dádiva de Deus pelo presente que é a família, que é a vida em Cristo Jesus, a razão do Natal.

Portanto, embora eu não saiba como você celebra o Natal, fica aqui meu convite para que ame o que você tem, ame as pessoas que estão com você, celebre com o que você possui, seja muito ou seja pouco. Mas celebre, principalmente porque o dono da festa também nasceu muito pobre, não tinha um quartinho, uma caminha confortável… O dono da festa nasceu para dizer aos pobres, aos que sofrem dores, desamparo, abandono.. Ele nasceu para dizer a todas as pessoas que esse mundo é mal, mas Ele existe para dar esperança, esperança de um mundo sem separações, sem barreiras, sem injustiça. Um mundo de amor e paz.

Então celebre sim. Celebre por Jesus!

Um Natal abençoado pra você e sua família,
Que Deus te abençoe.

Aprendendo com Paulo Freire: ensinar não é transferir conhecimento

Ouça a versão em podcast!

A educação brasileira nunca adotou Paulo Freire como um referencial para as práticas pedagógicas. Primeiro, porque o pensamento do autor não inspirou efetivamente as leis que norteiam as políticas de educação implementadas por estados e municípios. Segundo, porque Paulo Freire não é efetivamente estudado nos cursos de licenciatura. A maioria dos professores conhece apenas fragmentos do pensamento do educador, mas nunca houve uma tentativa de tê-lo como fonte inspiradora. Terceiro, porque para fazer educação como Paulo Freire propôs, é preciso ir além dos métodos; é necessário incorporar uma outra maneira, altruísta, de agir e se relacionar com as pessoas e com o próprio mundo.

E é exemplificando este aspecto que vou desenvolver este artigo.

De acordo com Paulo Freire, quem ensina deve “saber que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção.”

Esta é uma das teses centrais do educador. Talvez a mais desafiadora. Ela exige uma mudança de postura em quem ensina; demanda a compreensão que o conhecimento não é um objeto qualquer que você, ao entregar ao outro, continua sendo o mesmo objeto.

Veja como é difícil… Vamos pensar numa situação familiar, doméstica.

Quando eu ensino meu filho a organizar o quarto dele, geralmente tento fazer com que ele reproduza a minha noção de organização. A organização dele deve se assemelhar a minha. A forma de organizar o quarto também deve ser como eu organizaria. Mais que isso, se meu filho questiona a lógica da organização, a própria necessidade de organização, é possível que eu me irrite e responda de forma imperativa que devem ser assim e pronto.

E como funciona com Paulo Freire? Na proposta do autor brasileiro, eu não transfiro um conhecimento, eu possibilito que o aluno – ou meu filho – produza, construa o conhecimento. Há um espaço de liberdade para as indagações, curiosidades e até questionamentos.

É isso que acontece em sala de aula? Frequentemente não. O que são os livros didáticos, por exemplo? A prática de um modelo em que o professor reproduz um saber, sem espaço para a criatividade dele, e tampouco há o respeito ao ritmo e à realidade do aluno. Não são raros os exemplos usados em livros didáticos para ilustrar determinadas lições que são desconhecidos pelas crianças.

Na universidade isso é diferente? Não. Por que hoje temos tanta polêmica envolvendo o ensino superior? Porque existem professores que abrem um texto de Karl Marx, por exemplo, e transformam o sociólogo no único referencial, única autoridade para explicar o capitalismo. E se o aluno questionar, pode ser alvo de respostas irritadas do professor.

E eu cito Marx, mas poderia mencionar outros nomes. Nas universidades, há seguidores fiéis de inúmeros pensadores, filósofos etc. São professores que transformaram suas referências de leituras em guias, quase de forma dogmática.

Sabe o que isso significa? Significa que não tem Paulo Freire nas práticas pedagógicas desses professores.

Paulo Freire sustenta a necessidade de permitir que o aluno problematize, discuta e construa o conhecimento dele; não é o meu conhecimento, não é do jeito que entendo, não é do meu autor preferido. Noutras palavras, o meu conhecimento não pode se impor.

O pensador comenta que essa postura é muito difícil, às vezes, penosa. Ela contraria as nossas tendências, a nossa vontade de fazer com o que o outro reproduza as coisas do meu jeito.

Paulo Freire diz que o professor deve manter uma vigilância constante sobre si próprio para evitar os simplismos, as facilidades, as incoerências grosseiras… Por isso, é um processo cansativo, admite Freire. Ainda assim, sustenta, viver a humildade de reconhecer o próprio equívoco é condição indispensável para ser educador.

E Paulo Freire vai além. Ele diz que, se eu não gosto de alguém, se tem uma pessoa que me desagrade demais, não posso desprezá-la. O educador sustenta que não posso permitir que a raiva que sinto de uma pessoa me leve a “raivosidade que gera um pensar errado e falso”.

Para Paulo Freire, isso não cabe nas práticas de um educador. O educador não pode, com um discurso cheio de si mesmo, decretar a incompetência absoluta de alguém, minimizar, destratar.

Você já viu isso acontecer em sala de aula? Quem sabe até num vídeo circulando nas redes? Talvez um professor ou professora destratando ou ofendendo alguma pessoa, quem sabe até um político, em nome daquilo que acha ser o certo? Pois é… Isso acontece porque Paulo Freire não faz parte das práticas pedagógicas da maioria de nossos professores. Tampouco está presente nas políticas educacionais do país.

Ter alguém que diga "você está errado" é um privilégio

Defendo a importância de aceitarmos ser confrontados pelas outras pessoas quando estamos agindo de forma errada. Ter alguém que diga “você está errado” é um privilégio.

Quando alguém aponta nossas falhas, temos a chance de mudar as nossas práticas e tomar um outro caminho.

Por outro lado, também defendo a ideia de que é preciso saber criticar alguém. Saber falar. Se alguém vai apontar o erro do outro, a chance de incomodar é de 100%; então que pelo menos seja gentil.

Mas aí vem a grande questão: a maioria das pessoas não têm a polidez, a empatia e nem o amor necessário ao outro para confrontar da maneira adequada. Isso nos coloca num impasse: se a crítica for agressiva, exagerada, maldosa devemos ignorá-la?

Entendo que algumas vezes é necessário deixar pra lá. Mas isso não significa deixar de ouvir. Tem que ter estômago? Sim. Mas sempre devemos ouvir e filtrar.

Como fazer isso? Respondo: a pessoa fala um monte de coisas… Você ouve tudo e avalia: eu faço isso? O que estou fazendo poderia ser interpretado da maneira como a pessoa está vendo?

Se você não faz e nem há chance de suas atitudes serem interpretadas de um modo equivocado, você ignora e segue em frente. Talvez a pessoa falou o que falou, te agrediu, por ser mal resolvida, mal amada e estar com inveja de você. Porém, se algo te incomodou ou sobrou um pontinho de interrogação, pergunte a alguém que você confia; de preferência, para uma pessoa mais madura, experiente: ei, eu tenho feito tal coisa? Você acha que estou errado?

Não precisa nem citar que foi criticado. Muito menos falar o nome da pessoa que te confrontou. Apenas pergunte, como se estivesse pedindo ajuda, pedindo uma opinião.
Em algumas ocasiões, se não estamos errando em nossas ações, podemos estar nos comunicando de forma inadequada com quem convive conosco.

A abertura para ouvir as críticas é um passo transformador. O nosso desenvolvimento pessoal passa pelo reconhecimento e abandono de determinados hábitos e atitudes que, por vezes, se tornaram naturais para nós.

A caminhada é mais fácil quando nos abrimos para os relacionamentos

Ouça a versão em podcast!

Precisamos de gente em nossa vida. Embora a existência seja, de certo modo, solitária, é fundamental ter com quem somar e dividir.

A caminhada é solitária por que as pessoas entram e saem da nossa vida. Cada uma delas deve construir seus próprios projetos, relacionamentos… Muitas delas se afastam para dar conta das próprias necessidades e, com isso, também se distanciam emocionalmente.

Outras tantas deixam nossa vida porque a morte tiram-nas de nós.

Entretanto, embora sempre existam partidas, precisamos ser receptivos àqueles que chegam. Sei que para muitas pessoas isso é desafiador. Tem gente que já sofreu tanto em relacionamentos que prefere se manter distante. Também há quem é introspectivo e se sente mais confortável sozinho – eu sou uma dessas pessoas. Conviver parece não ser algo agradável.

Entretanto, é preciso romper com as barreiras que nos separam das outras pessoas. Vivemos melhor quando nos relacionamos. Ainda que muita gente nos deixe durante o percurso, é necessário quem encontramos; trazê-las para perto de nós, dividirmos as experiências e as coisas boas que temos, também somar forças para a construção de nossos sonhos e aprendermos aquilo que podem nos ensinar.

Se a gente não se abre para o outro, a vida não se torna apenas solitária, experimentamos a solidão e nos tornamos mais frágeis.

São os relacionamentos que nos fortalecem, que possibilitam as trocas e que possibilitam inclusive as conquistas pessoais e profissionais. Tudo se torna muito mais difícil quando estamos sozinhos. Não se trata apenas de ter alguém com quem você possa conversar, trata-se de contar com gente para agregar, aprender, ensinar, auxiliar na realização de um projeto, facilitar na abertura de uma porta – às vezes até para mediar o contato com alguém que você sonha conhecer.

Por isso, é importante não nos fecharmos em nós mesmos; a caminhada fica mais fácil quando nos abrimos para os relacionamentos.

Aprendendo com Paulo Freire: ser aceito como sou

Ouça a versão em podcast!

Sermos aceitos do jeito que somos tem um efeito poderoso em nossa vida. Por que muitas pessoas sofrem? Porque notam que não são aceitas do jeito que são.

Talvez este seja um dos assuntos mais urgentes da atualidade. Trata-se do que chamamos de identidade.

E embora o assunto seja complexo e mereça a atenção de inúmeros teóricos, na vivência prática, o que nos afeta de maneira direta é a imagem que temos de nós mesmos e como esta pessoa que somos é aceita pelas outras pessoas.

O educador Paulo Freire trouxe uma importante contribuição ao discutir a respeito disso. Segundo ele, o professor tem papel fundamental em acolher o aluno, respeitando a identidade cultural dele. E isso é maravilhoso no pensamento de Paulo Freire.

O que acontece na infância e na adolescência? A descoberta da identidade, a descoberta de quem sou. Este processo é intenso e, por vezes, marcado por confrontos até mesmo com a família.

Entretanto, tudo fica ainda mais difícil por que a sociedade possui modelos, padrões. Até mesmo os pais idealizam um tipo de filho, de filha. Na escola, apenas certos perfis de alunos são bem aceitos, conseguem ter amigos… Há outros tantos que são rejeitados ou ignorados.

Você que me lê talvez não tenha tido problemas com a sua identidade durante a adolescência. Mas é provável que conheça alguém que não era bem aceito no grupo porque era gordinho, ou porque demorava mais para aprender. Quem sabe o motivo da rejeição era a condição social, ou talvez a religião?

As características estéticas são outro referencial de definição do acolhimento ou da rejeição, principalmente, na adolescência. Frequentemente, meninos e meninas tidos como bonitos são os mais populares.

Tem também aqueles que parecem ter um jeito desengonçado de andar, são magros demais, às vezes, até meio corcundas… Tudo isso motiva julgamentos e atribuição de valores enviesados que machucam as pessoas, mexem com suas emoções.

Paulo Freire lembra que na adolescência era um desses garotos muito pobres, magro, desajeitado… Sentia-se deslocado na escola, tinha dificuldade em se relacionar, sentia-se pequeno diante dos colegas ricos. Foi justamente um olhar respeitoso de um professor experiente, durante a avaliação de um texto, que motivou o adolescente Paulo Freire a acreditar em si mesmo.

Sejamos sinceros: você gostaria de uma escola assim para seu filho, para sua filha? Gostaria que a escola respeitasse seu filho como ele é, fizesse com que ele ou ela se sentisse amado, respeitado como ser humano?

Muitos de nossos meninos e meninas vivem ansiosos, depressivos, precisam inclusive de terapia, porque não são respeitados como eles são. Eles se veem diferentes e, por se verem diferentes, se sentem anormais. Passam a brigar com a balança, com os cabelos… Às vezes, entram no mundo das drogas, do crime para viverem experiências que os façam ser notados, admirados, aceitos.

Uma escola que adotasse a pedagogia de Paulo Freire seria um ambiente de bons afetos, de respeito às identidades e de promoção das potencialidades humanas.

A ilusão das aparências

Ouça a versão em podcast!

“Os sábios sabem que as coisas dificilmente são o que aparentam ser”. A frase não é minha; é de um dos líderes cristãos mais respeitados da atualidade, pastor Ed René Kivitz.

A frase resume uma das importantes verdades históricas: nem tudo é o que aparenta ser.
Esta ideia está conosco desde muito cedo. Ainda na infância, escutamos a respeito dos jogos de imagem e da necessidade de não nos iludirmos com a aparência das coisas.

Entretanto, a ausência de sabedoria parece fazer com que muitos de nós não assimilem essa verdade. O mundo continua avaliando pessoas, julgando os fatos pela aparência.

Quando Kivitz afirma que “os sábios sabem que as coisas dificilmente são o que aparentam ser”, a ideia que emerge é que apenas a sabedoria nos qualifica para, de fato, compreender que a aparência pode enganar.

Afinal, repetir a ideia nos faz papagaios e não necessariamente seres pensantes.

As mentiras que repetimos no campo da política, o funcionamento eficiente das fake news que transforma mentiras em verdades, as críticas a amigos, familiares, os julgamentos constantes a respeito de pessoas e coisas, a escolha equivocada de parceiros e parceiras para relacionamentos… Tudo isso confirma que a gente ainda avalia as coisas, as pessoas, o mundo pela aparência. Ou seja, isso se dá por não colocarmos em prática este saber: as coisas nem sempre são o que aparentam ser.

Apenas mulheres e homens sábios conseguem ter a prudência de não se deixarem enganar pelos jogos de imagem. Sim, meus caros, a sabedoria nos livra do engano, de decisões e escolhas erradas e da maldade de julgamentos injustos, baseados na aparência. Portanto, busquemos a sabedoria!