“Tornamo-nos, neurologicamente, o que pensamos”

Durante muitos anos, a ciência dizia que nosso cérebro se desenvolvia até a fase adulta e, depois, não mudava mais. Noutras palavras, uma vez formado, nada mais se modificaria no cérebro.

Nos últimos 50 anos, porém, o conhecimento sobre o cérebro sofreu uma revolução. Hoje, sabemos que, embora o envelhecimento tenha seus efeitos, o cérebro sofre modificações constantes, basta ser treinado para isso.

A chamada plasticidade neural trouxe esperança. Não há um determinismo genético, por exemplo, que impeça a aquisição de novas habilidades, tampouco que nos faça a ter sempre os mesmos comportamentos.

“Mesmo cérebros velhos podem aprender truques novos”, afirma o pesquisador Nicolas Car.

Segundo ele, inclusive a anatomia do cérebro é modificada por nossas práticas cotidianas. Pessoas que fazem a mesma coisa todos os dias, repetidamente (um motorista de táxi, por exemplo), podem ter áreas do cérebro com tamanho diferente. Isso, em função do desenvolvimento de habilidades específicas adquiridas pela atividade que exercem.

Vale o mesmo para músicos, compositores, atletas etc.

Isso explica por que, com o tempo, essas pessoas parecem tornar muito fáceis atividades que para a maioria das pessoas é bastante difícil. Na prática, o cérebro delas já assimilou essas funções.

Mas a neuroplasticidade descobriu outras coisas. “Nossos padrões de pensamento afetam a anatomia do cérebro”. Isso quer dizer que as imagens que projetamos sobre fatos cotidianos, sobre pessoas, mudam o cérebro.

O professor Nicolas Car afirma que “nossos pensamentos podem exercer uma influência física sobre o nosso cérebro, ou ao menos causar uma reação física”. Em resumo, “tornamo-nos, neurologicamente, o que pensamos”.

Gente que tem uma imagem ruim de si transforma-se na pessoa que o cérebro projeta.

A ciência tem provas de que nossas práticas cotidianas e mesmo nossos pensamentos modificam nosso cérebro. Muitas das nossas pseudo limitações, não seriam limitações se não tivéssemos ensinado nosso cérebro a ser limitado.

Portanto, caro/a leitor/a, fica aqui um convite… Compreender melhor o funcionamento do cérebro e a ciência da neuroplasticidade pode nos auxiliar a reprogramar nossos pensamentos e até mesmo nos libertar de vícios e, por outro lado, adquirir habilidades que nos permitirão fazer coisas diferentes e inovadoras.