Cuidar bem da escola é uma atitude de respeito aos alunos e professores

Ouça a versão em podcast!

Ao longo dos anos, o Estado brasileiro frequentemente tem negligenciado uma premissa básica para o sucesso do processo de ensino-aprendizagem: o cuidado com as condições ambientais, higiênicas e estéticas da escola.

Gente, é nocivo para o ensino e para a aprendizagem o descuido com a escola. Não basta pagar excelentes salários, oferecer material didático de qualidade e ignorar o cuidado com o local onde se dá todo o processo de ensino-aprendizagem. É fato que, no Brasil, salários e material didático também são um problema. Como também são problemáticas as diferentes propostas pedagógicas em vigor. Entretanto, teríamos um salto de qualidade na eficácia do trabalho do professor e no aprendizado do aluno se a escola estivesse muito bem cuidada. Certamente, seria um primeiro e importante passo na busca por melhorias na educação.

Calor ou frio em sala de aula, espaços mal ventilados, carteiras velhas e quebradas, portas defeituosas, equipamentos que não funcionam, quadros velhos que ninguém consegue apagar adequadamente, ambientes sujos e paredes com rachaduras e pinturas antigas, desbotadas, sanitários que não funcionam, pátios inadequados, quadras esportivas envelhecidas, sem piso adequado para a prática das atividades – algumas inclusive sem cobertura… Essa lista é um pouco do quadro atual que encontramos em muitas das escolas brasileiras – incluindo universidades (temos salas de aulas que precisam ser desocupadas quando chove).

Esse cenário mexe com a motivação do professor e do aluno, prejudicando a aprendizagem.

Eu costumo fazer uma analogia simples: por que nos preocupamos com as cores da nossa casa, com a qualidade do piso, o revestimento do banheiro, os detalhes do acabamento? Não bastariam as paredes, o telhado, sanitários e alguns mobiliários? Investimos tanto no espaço doméstico porque queremos sentir prazer, satisfação quando estamos ali. A gente quer se sentir bem em casa. Um espaço esteticamente adequado, higiênico, produz alegria, bem-estar.

Mas e a escola? Como se sentir bem num ambiente em que reina o abandono?

Paulo Freire tratou disso em suas discussões. Num de seus textos, ele afirma:

“O professor tem o dever de dar suas aulas, de realizar sua tarefa docente. Para isso, precisa de condições favoráveis, higiênicas, espaciais, estéticas, sem as quais se move menos eficazmente no espaço pedagógico. Às vezes, as condições são de tal maneira perversas que nem se move. O desrespeito a este espaço é uma ofensa aos educandos, aos educadores e à prática pedagógica”.

Acho essa última frase extremamente relevante. Quando o espaço escolar não possui boas condições estéticas, estruturais e higiênicas, professores e alunos são desrespeitados e a prática pedagógica fracassa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s