O educador deve acreditar que a mudança é possível

Este é mais um texto da série “Aprendendo com Paulo Freire”.

Paulo Freire sustenta que o educador deve acreditar que a mudança é possível. Para ele, o mundo não é assim, o mundo está assim. Há uma grande diferença entre ser e estar. Se o mundo não é assim, se o mundo está assim, significa que a face atual que conhecemos não representa a verdade do mundo, representa apenas a face assumida pela sociedade atual. E isso pode ser mudado.

Eu confesso que essa ideia de Paulo Freire é uma das que mais me confrontam. Sou educador. Preciso transmitir alegria e esperança, como disse em textos anteriores. E devo levar isso para sala de aula porque acredito que a mudança é possível. Mas, para mim, não é simples acreditar na mudança.

Veja… Quando olho para o mundo econômico, não consigo vislumbrar um cenário mais favorável às pessoas. O que vejo é o aumento da concentração de riquezas, a escalada da desigualdade, a fragilização cada vez maior das leis que protegem os trabalhadores, empregos precários, fechamento de postos de trabalho, sistema previdenciário injusto…

No mundo político, os embates revelam apenas a luta pelo poder. A lógica de favorecimentos aos grupos “amigos” e aos poderosos é muito semelhante ao que a sociedade vivia ainda na antiguidade e no regime feudal, durante a Idade Média.

Se volto o olhar para a educação, vejo escolas públicas com estruturas precárias, professores mal remunerados e, muitas vezes, pouco qualificados para ensinar – além de pouca paixão pelo ato de ensinar. A proposta pedagógica do país é inadequada para realidades tão distintas e, na tentativa de oferecer uma quantidade enorme de conteúdos, não é eficaz no básico: ensinar bem a ler, escrever e fazer contas.

Porém, Paulo Freire tem razão… O Brasil não é assim, o mundo não é assim; as coisas estão assim, porque homens e mulheres deram ao mundo essa cara. E é possível mudar. Nada é estático. Tudo pode ser alterado. Basta querer.

Porém, quem realmente está comprometido com a mudança? Quem está, de fato, empenhado em romper com os próprios interesses e promover o bem comum?

O egoísmo que nos é natural parece nortear as escolhas e motivar mais injustiças. Cada um quer o melhor pra si, não para o coletivo.

É neste cenário que Paulo Freire afirma: ensinar exige a convicção de que a mudança é possível.
Note, trata-se de uma exigência. Exigência de convicção.


E por que é necessário ter convicção na mudança? Porque quando o educador acredita que é possível mudar, ele entra em sala e contagia as futuras gerações; o professor motiva os alunos a serem os agentes da mudança.

Se nós, adultos, somos incapazes de alterar as coisas, nossos filhos e filhas podem construir uma sociedade mais justa. Mas, para isso, carecem de professores e professoras que não apenas ensinem conteúdos para formar mão de obra especializada. Eles precisam de educadores que plantem boas sementes em seus corações, sementes de esperança e de compromisso com a construção de um mundo melhor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s