Você já cometeu um erro muito grande?

Já fez uma besteira enorme? Como você se sentiu? Se arrependeu imediatamente? 

Outra coisa… e as consequências do seu erro? Você conseguiu evitar as consequências? Conseguiu reparar os erros? 

Eu poderia listar vários erros que cometi. Alguns deles não me causaram arrependimento na hora. Mesmo tendo causado estragos, fiquei desconfortável, triste, mas não necessariamente arrependido. O tempo, porém, foi me fazendo ver o que eu não tinha visto. E pouco a pouco, creio que pela ação do Espírito Santo, fui sendo profundamente tocado e meu coração ficou em pedaços. Me arrependi profundamente.

Mas… e aí… o que fazer?

A declaração de Davi, no Salmo 6, versos 1 e 2, reflete um pouco de como me senti: “Senhor, não me castigues na tua ira nem me disciplines no teu furor. Misericórdia, Senhor, pois vou desfalecendo! Cura-me, Senhor, pois os meus ossos tremem; todo o meu ser estremece”

Você conseguiu sentir a dor de Davi? Conseguiu notar o arrependimento de Davi? Davi clama por misericórdia. Todo o corpo dele dói. Os ossos estremecem. Davi está desfalecendo. E ele pede misericórdia. Pede que o Senhor não o castigue. Sabe, raramente nossos erros permanecem impunes.

Quando a gente erra feia, a gente colhe as consequências. Mas, se nos arrependemos, Deus nos perdoa. E o perdão de Deus é o que mais importa.

Ainda que nesta vida a gente colha as consequências dos erros que cometemos, ter acesso a misericórdia de Deus faz toda a diferença. E sabe por quê? Porque o perdão dele nos permite seguir a vida aqui em paz. Talvez a gente perca algumas coisas, mas podemos ser restaurados, reconstruídos e seguir em frente, em paz. E sabe por que seguimos em paz? Porque nenhuma perda terrena se assemelha a perda da salvação. Guarde essa palavra no coração!