O incendiário Donald Trump e o líder pacificador

A reta final das eleições nos Estados Unidos mostra as consequências de uma liderança que se vale da truculência, da agressividade verbal e das acusações sem provas para se manter no poder. O efeito é visto nas ruas. Milhares de pessoas duvidam do processo eleitoral e, sem (re)conhecerem o inimigo, elegem como adversário qualquer um que não esteja ao lado delas.

O líder deve compreender que influencia as pessoas. Aquilo que o líder fala mobiliza, motiva! O líder lidera. Por isso, líderes devem ser homens que compreendem a influência que possuem e agem de acordo com o lugar que ocupam.

Desde a filosofia clássica grega até os livros contemporâneos sobre liderança, notamos que espera-se do líder comportamentos e atitudes que inspirem, tendo como referência o bom senso, a ponderação, a flexibilidade, a habilidade de agregar.

Desde 2016, Donald Trump tem optado por dividir, separar, polarizar. Ao esbravejar, denunciar sem provas, se dizer roubado nas eleições, Trump incendeia o país. Ele mobiliza seus seguidores mais radicais e coloca a nação em risco. Coloca a democracia em risco.

O que homens como Trump parecem desconsiderar é que enquanto esbravejam na segurança de seus palácios, pessoas vão para as ruas e colocam suas vidas em risco. Pessoas inocentes podem ser feridas, mortas.

Ressalto, ainda que houvesse de fato uma conspiração contra Trump, tanto ele quanto os supostos conspiradores estão protegidos. As únicas pessoas reais que se machucam, que se ferem, são as pessoas comuns, os cidadãos que trabalham, que têm suas famílias em casa, que colocam a vida em risco para brigar por algo que talvez não passe de uma mentira elaborada por alguém que não quer abrir mão do poder.

Nas ruas (e até nas redes sociais), onde os embates acontecem, não existem “nós e eles”; existe apenas o “nós”, um mesmo povo – que se divide apenas pela linha imaginária criada por um discurso que promove a polarização e incita o ódio.

Há um princípio bíblico que os líderes não poderiam perder de vista – tampouco as pessoas, quando escolhem seus representantes. Cristo diz: bem-aventurado são os pacificadores. Cristo também fala da mansidão e da humildade.

O mundo precisa de homens pacificadores, mansos, humildes. Homens que inspirem atitudes que tornem a convivência melhor, que respeitem as pessoas que são diferentes, que amem seus inimigos… O mundo não precisa apenas de líderes que falem em nome de Cristo. O mundo precisa de líderes que vivam os ensinamentos do Cristo.