Aceitar as limitações e seguir adiante

Ouça a versão em podcast!

Com muita frequência, a gente trava diante da vida em função dos nossos medos. Nos sentimos inseguros em assumir determinadas tarefas ou em desenvolver certos projetos, porque olhamos para nós mesmos e concluímos que não temos capacidade para aquilo.

Às vezes, nossas limitações ficam muito claras. Sabemos exatamente que elas estão ali… E que são parte do que somos.

Entretanto, também é fato que as limitações que possuímos só se tornam barreiras intransponíveis porque nós as superestimamos. As limitações se tornam gigantes e nos sentimos como pequenos insetos.

O escritor Austin Kleon, ao falar sobre a própria experiência dele, num percurso que o levou a ser um dos autores mais vendidos no mundo, lembra que é preciso aceitar as limitações e seguir adiante.

Note, a proposta aqui não é aceitar os limites e desistir; é aceitar os limites e prosseguir.

Nossas limitações talvez nos obriguem a um redirecionamento, a um esforço maior… Mas não são incapacitantes. Um baixinho que sonha ser jogador de basquete, provavelmente não vai conseguir jogar profissionalmente; a altura será um problema. Entretanto, ele pode se preparar, estudar e se tornar um excelente técnico de basquete, comandar equipes profissionais e até chegar a uma seleção.

Eu adoraria ser engraçado,  divertido… Talvez isso permitiria que meus textos, vídeos, podcasts tivessem milhares de visualizações. Mas isso não me faz desistir. Eu estudo muito, me preparo e compartilho conteúdos sérios. O público é menor, mas construí certa relevância nesse segmento. Minhas limitações poderiam me paralisar. Mas eu segui adiante e estou aqui com você hoje.

Por isso, volto a dizer… Nossas limitações podem trazer inseguranças. Mas é preciso aceitá-las e seguir adiante em busca de nossos sonhos.

Não há colheita sem o plantio

Ouça a versão em podcast!

Observar o mundo da vida traz importantes aprendizados. A natureza, por exemplo, nos ensina lições preciosas. Uma delas vem da dinâmica da agricultura. A colheita nunca precede ao plantio. O plantio nunca vem antes do preparo da terra.

O homem do campo conhece muito bem esse processo: sabe que, para ter uma colheita farta, é necessário muito investimento – e não apenas de recursos. É preciso escolher bem a terra, limpá-la das pragas, prepará-la… Escolher boas sementes, usar os equipamentos certos e técnicas adequadas para semear… E tudo isso deve ser feito no tempo certo. Se plantar no inverno aquilo que deveria ter sido semeado no verão, o fracasso será total.

Todo esse cuidado ainda é pouco. Porque há o tempo de espera pela colheita. E enquanto espera, é necessário cuidar do desenvolvimento das plantas. Mas tem algo bem mais difícil. Apesar de fazer tudo certo, tudo na época certa e com a estratégia certa, não há garantia de colheita farta, porque o agricultor depende de coisas que ele não controla: as condições do tempo. A chuva, a seca, os ventos podem colocar tudo a perder.

Pois é, meu caro leitor… Com a vida da gente não é diferente! O sucesso de uma carreira, um relacionamento feliz, a conquista de um título universitário, a concretização de um projeto de vida nunca acontecerão antes de todo o trabalho de preparação. Há um tempo para plantar. E enquanto se planta, não há o que colher.

Depois de plantar, há um tempo de espera. E enquanto se espera, é preciso administrar a ansiedade, as incertezas, pois nem tudo está sob o nosso controle.

Porém, duas coisas são certas: sem todo o longo processo de preparação, plantio e espera, não há colheita alguma. E a outra certeza é: embora quem plante possa fracassar, se o agricultor tiver feito tudo certo, na terra certa, com a semente certa, no tempo certo… Tiver cuidado de sua plantação, investido tempo, dedicação… Ele tem uma enorme chance de ter uma colheita farta, maravilhosa.

Também é assim em todas as áreas da vida. Podemos não ter garantias de sucesso. Mas só há uma chance de conquistá-lo: dedicando-se ao sonho, investindo nele… Enquanto se planta, não haverá nada para colher, mas a expectativa futura é de experimentar a alegria de ser recompensado pelo esforço empenhado.

É a educação que nos faz humanos

Ouça a versão em podcast!

Quando uma formiga nasce, às características genéticas dela determinam todas as suas ações. Nada do que faz durante toda sua existência será diferente daquilo que nasceu programada para fazer. Uma formiga terá o mesmo comportamento de todas as outras de sua espécie. E, para executar com excelência suas “tarefas”, em nenhum momento, passará por algum treinamento ou processo de educação.

O que acontece com uma simples formiga também se repete com todas as outras espécies de insetos, aves, animais. É fato que alguns deles são domesticados, treinados e desenvolvem habilidades que podem ser úteis às pessoas. Porém, a natureza dotou os bichinhos do conhecimento necessário para que façam o que precisam fazer, inclusive para sobreviverem . Nada e ninguém precisa ensinar uma formiga a ser formiga, um gato a ser gato, um leão a ser leão, uma águia a ser águia… Mas, nós, homens e mulheres, precisamos ser ensinados a sermos humanos.

Somos a única espécie animal que depende totalmente do outro inclusive para sobreviver. É fato que sabemos algumas coisas quando nascemos: sabemos chorar para nos defender e para pedir ajuda, sabemos chorar para pedir comida… Entretanto, é a educação que nos faz gente. Se o processo educativo, inclusive formal, fosse interrompido e se perdêssemos todo o saber acumulado ao longo de milhares anos, voltaríamos às cavernas.

O ser humano precisa ser ensinado. E embora os primeiros anos de vida sejam suficientes para que a gente saiba as formas básicas de convivência, como a comida chega na mesa e até como preservamos nossa saúde, também somos o único animal que precisa aprender sempre. No nosso mundo, diferente do mundo dos outros bichos, conforme o tempo passa, inúmeras coisas mudam e precisamos aprender a lidar com as novidades. Além disso, muitas dessas mudanças são provocadas justamente pelos novos conhecimentos produzidos com base em todo saber já acumulado.

Mas vai além… A a educação que nos faz crescer inclusive no respeito aos outros de nossa própria espécie. Os saberes desenvolvidos pela filosofia, sociologia, antropologia, psicologia etc. nos ajudam a lidar com as emoções, fazem-nos compreender a diversidade de pensamentos, ideias… Permite-nos o respeito, a tolerância, A compreensão do outro como igual, mesmo sendo de raça, gênero ou classe social diferente.

Se nos negamos a aprender, sofremos diferentes tipos de exclusão. Uma delas é a própria falta de trabalho, algo fundamental para a nosso bem-estar, para assegurar os recursos para vivermos de maneira digna. Mas o pior mesmo é que, quando nos fechamos para o aprendizado, rejeitamos o que há de mais humano em nós: o processo de desenvolvimento constante.

Aprender sempre é imperativo. É por meio do eterno aprendizado que respondemos às novas demandas do mercado de trabalho, às inovações tecnológicas e até desenvolvemos nossas formas de convivência com outras pessoas. Fechar-se para o aprendizado é retornar à barbárie.

Se entra lixo, sai lixo!

Ouça a versão em podcast!

O escritor Austin Kleon, autor de alguns best-sellers, lembra que “você não pode escolher sua família, mas pode selecionar seus professores e amigos, a música que escuta e os livros que lê e os filmes aos quais quer assistir”.

A afirmação vai ao encontro de um temas mais recorrentes em minhas aulas e meus textos: as pessoas com as quais a gente convive, as coisas que a gente lê, ouve e vê formam o que somos.

Não temos controle de uma série de coisas. Inclusive não podemos escolher a nossa família. Você não escolhe quem será o seu pai, sua mãe, o tio, o irmão… Não dá nem pra escolher o cunhado.

Mas podemos escolher nossos amigos, nossos mentores intelectuais… E principalmente podemos controlar os conteúdos que consumimos.

Gente, não existe milagre: nós somos o conjunto de relações que estabelecemos com o mundo, com as pessoas e com as ideias que assimilamos em livros, filmes, séries, reportagens no rádio, televisão… Vídeos no YouTube, posts no Facebook, Instagram… Até as mensagens que consumimos no Whatsapp formam a base das nossas ideias.

Eu brinco com meus alunos que “a gente só tira do saco aquilo que tem no saco”. A provocação é pra lembrar que se queremos ter ideias interessantes, criativas… Se queremos ter um repertório admirável, precisamos consumir bons livros, bons filmes, seguir gente inteligente na internet e tirar todo o lixo que se apresenta diante de nós.

Se entra lixo, sai lixo.

Devemos sempre lembrar que nós seremos tão bons quanto as coisas que consumimos e das quais nos cercamos.

Cuidar bem da escola é uma atitude de respeito aos alunos e professores

Ouça a versão em podcast!

Ao longo dos anos, o Estado brasileiro frequentemente tem negligenciado uma premissa básica para o sucesso do processo de ensino-aprendizagem: o cuidado com as condições ambientais, higiênicas e estéticas da escola.

Gente, é nocivo para o ensino e para a aprendizagem o descuido com a escola. Não basta pagar excelentes salários, oferecer material didático de qualidade e ignorar o cuidado com o local onde se dá todo o processo de ensino-aprendizagem. É fato que, no Brasil, salários e material didático também são um problema. Como também são problemáticas as diferentes propostas pedagógicas em vigor. Entretanto, teríamos um salto de qualidade na eficácia do trabalho do professor e no aprendizado do aluno se a escola estivesse muito bem cuidada. Certamente, seria um primeiro e importante passo na busca por melhorias na educação.

Calor ou frio em sala de aula, espaços mal ventilados, carteiras velhas e quebradas, portas defeituosas, equipamentos que não funcionam, quadros velhos que ninguém consegue apagar adequadamente, ambientes sujos e paredes com rachaduras e pinturas antigas, desbotadas, sanitários que não funcionam, pátios inadequados, quadras esportivas envelhecidas, sem piso adequado para a prática das atividades – algumas inclusive sem cobertura… Essa lista é um pouco do quadro atual que encontramos em muitas das escolas brasileiras – incluindo universidades (temos salas de aulas que precisam ser desocupadas quando chove).

Esse cenário mexe com a motivação do professor e do aluno, prejudicando a aprendizagem.

Eu costumo fazer uma analogia simples: por que nos preocupamos com as cores da nossa casa, com a qualidade do piso, o revestimento do banheiro, os detalhes do acabamento? Não bastariam as paredes, o telhado, sanitários e alguns mobiliários? Investimos tanto no espaço doméstico porque queremos sentir prazer, satisfação quando estamos ali. A gente quer se sentir bem em casa. Um espaço esteticamente adequado, higiênico, produz alegria, bem-estar.

Mas e a escola? Como se sentir bem num ambiente em que reina o abandono?

Paulo Freire tratou disso em suas discussões. Num de seus textos, ele afirma:

“O professor tem o dever de dar suas aulas, de realizar sua tarefa docente. Para isso, precisa de condições favoráveis, higiênicas, espaciais, estéticas, sem as quais se move menos eficazmente no espaço pedagógico. Às vezes, as condições são de tal maneira perversas que nem se move. O desrespeito a este espaço é uma ofensa aos educandos, aos educadores e à prática pedagógica”.

Acho essa última frase extremamente relevante. Quando o espaço escolar não possui boas condições estéticas, estruturais e higiênicas, professores e alunos são desrespeitados e a prática pedagógica fracassa.

Como ver a Deus?

Tempos atrás, ao estudar alguns capítulos da Bíblia, encontrei um verso bíblico muito especial. De imediato, me chamou a atenção como nunca antes. Está na primeira carta de João, capítulo 4, verso 12. Diz assim: “Ninguém jamais viu a Deus; se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós, e em nós é perfeito o seu amor.”

Eu não sei se você notou, mas João faz primeiro uma afirmação: ninguém jamais viu a Deus. Mas o que ele diz logo na sequência? O que João escreve parece não ter nada a ver com a primeira declaração. O escritor diz: se amamos uns aos outros, Deus está em nós.

Você já conseguiu relacionar uma ideia com a outra? João, primeiro, sustenta a ideia de que ninguém jamais viu a Deus; depois, ele afirma que se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós.

E então? Pegou a ideia?

Como podemos ver Deus? Podemos vê-lo na face de cada pessoa que ama verdadeiramente ao seu próximo. É isso que o apóstolo está dizendo para nós: ninguém jamais viu a Deus, mas, quando nos amamos, a face de Deus se revela em nossos rostos. E em nós, o amor de Deus é perfeito!
Lindo, né?

Então a mensagem é bastante simples: ame as pessoas. Ame de todo coração. O seu rosto revelará a face de Deus.

Você torce pelo fracasso de alguém?

Você já se pegou torcendo contra? Torcendo pelo fracasso alheio? Torcendo para que a outra pessoa se dê mal?

Por diferentes motivos, vez ou outra, esse sentimento mesquinho se apossa de nós: queremos que tudo dê errado para o outro.

Isso acontece na empresa, na escola, no círculo de amigos e até na família. Por não aceitarmos determinada situação e até na esperança de que a outra pessoa aprenda uma lição, desejamos resultados ruins.

É curioso que, por vezes, nem nos importamos se vamos afundar juntos. Cegos, acreditamos que o fracasso pode trazer as mudanças que sonhamos. Ou que se faça justiça com a queda da outra pessoa.

Frequentemente, quando não temos o poder de alterar a ordem das coisas, e discordamos de algo, torcemos contra. Queremos que dê errado. Esta é nossa chance. Vislumbramos no fracasso a possibilidade do novo, ou de uma espécie de punição.

Outras vezes, silenciosamente, elegemos algumas pessoas como inimigas e queremos vê-las envergonhadas, rejeitadas. Podem não ter feito nada contra nós, mas ansiamos pela derrota. É nosso prêmio; uma espécie de vingança que alimentamos em nosso interior e que, quando se concretiza, saboreamos com muito prazer.

Não tem nada de altruísta. Pelo contrário, é mesquinho. Faz parte da maldade que nos é intrínseca. É característica nossa. Mostra quanto somos contraditórios. Revela nossa hipocrisia: a fachada de bons sujeitos, mas que esconde um coração perverso.

Ensinar exige bom senso

Ouça a versão em podcast!

Não faz muito tempo que me encontrei diante de um impasse para avaliar um aluno. O regulamento para casos como o daquele acadêmico listava algumas regras que resultariam na reprovação já no processo preliminar de fechamento da disciplina. Mas, olhando para o histórico dele, o desempenho, o esforço empreendido e conhecendo as condições externas que o afetavam naquele momento do curso, era nítido que o regulamento, se aplicado, levaria a uma injustiça. O que fazer nesses casos? Uma única resposta: ter bom senso!

O bom senso não existe nos manuais; não é uma regra explícita, textual, mas, na prática pedagógica, é essencial.

O educador brasileiro Paulo Freire é o responsável por discutir esse tema. Para ele, quem ensina precisa ter bom senso.

O bom senso é a sensibilidade que todo o educador deve ter; trata-se da capacidade de olhar para além das regras, do que dizem os regimentos e ver as condições que envolvem os processos de ensino, aprendizagem e o próprio contexto que envolve o aluno.

Essa capacidade de avaliação, para além das aparências, é baseada na capacidade de enxergar o outro, de ter empatia, de se importar com o aprendiz. Também requer uma vivência ética, a busca por equilíbrio e justiça – sem ser frio e legalista.

Todo professor exerce autoridade em sala. Ele toma decisões, orienta atividades, estabelece tarefas, cobra a produção individual e coletiva do grupo. Isso faz parte de seu papel. Não é sinal de autoritarismo; é obrigação do professor. Por outro lado, no cumprimento do seu dever, é fundamental transcender ao formalismo insensível que o “faz recusar o trabalho de um aluno por perda de prazo, apesar das explicações convincentes do aluno”. Nem sempre uma segunda chance é displicência ou desinteresse em ensinar. Muitas vezes, acolher um aluno que parece ter falhado no percurso da aprendizagem é uma maneira de dizer a ele que vale a pena tentar de novo; é garantir o incentivo necessário que pode definir o sucesso futuro ou o fracasso do aprendiz.

O ensino envolve afetos. O ato de ensinar e o de aprender não são mecânicos. Por isso, o bom professor sempre será aquele que vai além dos planos pedagógicos, dos regimentos institucionais… O educador é quem se importa com o aprendizado do outro e, para isso, exerce o bom senso – algo que não cabe em papel. Afinal, na busca da coerência com a própria dinâmica da vida, o bom senso é a transformação do amor ao saber e do interesse real pelo aluno numa prática virtuosa de educação.