Sobram opiniões sobre os outros; faltam a respeito de nós mesmos

Frequentemente, temos opiniões muito bem definidas sobre o que as outras pessoas deveriam mudar nelas.

A gente tem imagens bem formadas sobre como deveriam ser as atitudes, a maneira de falar, o jeito de responder… Qual seria a forma correta de agir com o chefe, de tratar os amigos, de se comportar com o namorado, marido, mulher etc.

Também temos opiniões definidas a respeito de como deveriam trabalhar, qual o comprometimento com os estudos, como se portarem nas redes sociais…

Curiosamente, pensamos saber tudo que as outras pessoas teriam que fazer para serem melhores, porém, pouco sabemos a respeito de nós mesmos.

Na verdade, quase sempre pensamos que nos conhecemos. E justamente por acharmos que conhecemos nossas virtudes e também as falhas que possuímos, a lista das coisas que deveríamos mudar em nós é bem restrita – às vezes, se resume em comer menos, fazer exercícios, viajar mais…

As mudanças que entendemos necessárias em nós nem de longe se assemelham às que projetamos para os outros.

Isso mostra como pervertermos e invertemos as prioridades. Deveríamos lembrar que ninguém muda ninguém. Só podemos mudar a nós mesmos. Mas, para isso, o primeiro passo é olhar menos para o outro e voltarmos os olhos para descobrir quem de fato somos, quais nossas potencialidades e o que precisamos modificar para nos tornarmos o tipo de pessoa que achamos que os outros deveriam ser.

Anúncios

Somos eternamente insatisfeitos

E é esta condição que nos move e move o mundo.

Por sermos insatisfeitos, nenhuma conquista é duradoura. Ela produz uma sensação boa, de gratificação, por algumas horas, dias, semanas. Porém, logo queremos mais. Um novo desafio, uma nova conquista.

Essa lacuna, que parece estar em nosso interior, é a condição da própria existência da humanidade.

Para o homem, ter criado a carroça não foi suficiente. Facilitou o transporte por algum tempo, mas era preciso mais. Essa vontade de algo ainda melhor, resultou, hoje, em máquinas poderosas, modernas, que não atendem apenas ao desejo de transporte confortável e seguro; traz outros tantos benefícios – até mesmo o de status e poder.

A insatisfação nos motiva a estudar mais, trabalhar mais, produzir mais.

Gente satisfeita é gente que estaciona, deixa de conquistar e perde o tesão pela vida. Não há razão para começar um novo dia se não encontramos nele um motivo para fazer algo maior e melhor.

Entretanto, a lacuna de insatisfação também não é nada positiva se nos tornamos gananciosos, egoístas, ansiosos e não conseguimos nos alegrar com as pequenas vitórias.

A ausência se torna angústia, tristeza. E o que já tem deixa de ter valor.

Se o olhar estiver sempre voltado para o que ainda não temos, abrimos mão de viver o presente, de curtir o que é nosso, de vibrar com as pessoas que amamos… Deixamos de sentir o fluir da vida.

A insatisfação é motivadora, mas também é necessário comemorar cada momento.

Por outro lado, é fundamental compreender que a minha conquista não pode ser resultado da derrota do outro, da miséria alheia.

Devo ganhar para que outros ganhem.

Se a conquista é só minha, se não faz outras pessoas sorrirem, não beneficia a coletividade, ela se apequena, é mesquinha, não contribui para o desenvolvimento de um mundo melhor.

O sorriso é mais feliz quando sorrimos juntos.

Não podemos perder nossos valores

Nas relações de trabalho ou nas relações pessoais, não podemos perder nossos valores.

O que são os valores? Considero como as nossas grandes verdades, aquelas que balizam, referenciam nossas ações.

Os valores nos identificam. Fazem parte de nossa identidade.

Quando nossos valores são confrontados, é preciso ser fiel ao que consideramos essencial – ainda que paguemos um preço por isso.

Entendo que todos devemos estar abertos para nos questionarmos, para refletirmos a respeito de nossas práticas e até colocarmos em xeque algumas de nossas crenças.

Mas existe uma distância entre a abertura para o questionamento e a relativização constante dos valores.

A abertura para o questionamento é necessária para nosso desenvolvimento. Permite que avancemos! Ajuda a nos atualizarmos, nos capacita para viver bem o tempo presente.

a fidelidade aos valores é o que assegura nossa coerência. Se notamos que algo que considerávamos relevante não é tão relevante assim, abandonamos e assumimos outro referencial de conduta. Porém, isso não significa mudar de postura diante das primeiras pressões.

Gente que não é fiel aos seus valores é gente que se corrompe facilmente, que não tem direção, não sabe onde quer chegar… Ou seja, é gente que não tem credibilidade, porque hoje age de uma maneira e amanhã de outra.

Os valores referenciam nossas atitudes em qualquer circunstância – seja dentro de casa, na empresa, na escola, na igreja… Se estamos com as contas em dia ou com problemas financeiros.

Os valores são o conjunto de crenças que revela quem, de fato, somos. Permitem que sejamos notados como gente que sabe o quer, que tem posicionamento e não é influenciado por modismos nem por cara feia!

Somos movidos pela admiração alheia

Quer ganhar meu coração? Diga que me acha o máximo.

Nas empresas, mais que o salário, a melhor estratégia para estimular o colaborador é o reconhecimento. Nos relacionamentos, a melhor estratégia é admirar – e verbalizar isso – o parceiro, a parceira, o amigo, a pessoa com quem você convive.

Somos seres afetivos. Sociais e sociáveis. Embora algumas pessoas vivam muito bem solitárias, a maioria deseja ser notada. Sim, somos carentes!

Nossos movimentos se dão em razão do outro. E quando o que fazemos é reconhecido, o coração se alegra.

É evidente que, aos poucos, aprendemos qual a diferença entre o reconhecimento em palavras e o reconhecimento prático. Afinal, tem muita gente que elogia, aplaude, mas é hipócrita – as ações contradizem o que falam.

Algumas pessoas inclusive exageram na dose. Falam sobre qualidades e títulos que não temos. Se nos conhecemos um pouquinho, rapidamente sabemos que há excesso. E se há excesso, cheira mal.

Recordo que trabalhei numa empresa na qual meu chefe geralmente me apresentava com títulos e experiências que não possuía. Dava ênfase em tudo aquilo. Parecia que eu era o máximo. Entre quatro paredes, porém, minhas contribuições geralmente eram minimizadas e tudo aquilo que falava de mim entrava em contradição na escuta profissional.

Ou seja, havia ali, naquela dinâmica, um discurso que soava falso. Isso colocava em xeque o aparente reconhecimento do meu valor.

Por isso, o reconhecimento nas relações – sejam elas profissionais ou pessoais – deve se dar na medida certa. É necessário ser consequência de conhecimento real do profissional e de seu valor. As virtudes devem ser identificadas, aplaudidas e não podem ser esquecidas no momento em que as fragilidades forem identificadas. Do contrário, as ações tornarão os elogios vazios e a conduta se mostrará incoerente.

É preciso saber escolher…

Para viver, é necessário abrir mão de algumas coisas. Não conseguimos fazer tudo que gostaríamos, ter tudo que desejamos e nem nos relacionar com todas as pessoas que admiramos.

Não iremos ler todos os livros que sonhamos, assistir todos os filmes e séries que estão e estarão na nossa lista.

É preciso escolher. É preciso SABER escolher.

Escolher quem estará conosco e o que faremos a cada dia, abrindo mão da ansiedade de tentar alcançar tudo e todos, pois isso nunca será possível.

A importância da rotina

Vez ou outra, ouço pessoas reclamarem da rotina. Eu, pelo contrário, adoro rotina.

Rotina, como lembra o escritor Mário Sérgio Cortella, é diferente de monotonia.

A rotina é absolutamente necessária. Gente sem rotina é gente que vive constantemente o imprevisível e de forma imprevisível. E isso afeta a produtividade e a própria qualidade de vida, pois gera ansiedade e estresse.

Ter rotina significa ter uma organização, um processo estruturado que garante segurança e até mesmo economia de energia.

Quando se tem uma rotina bem definida, é possível ter mais foco. Desenvolver as atividades com excelência.

A rotina permite a utilização inteligente do tempo. Assegura que se saiba exatamente o que fazer ao longo do dia, em quais horários e como fazer.

Isso nos torna mais eficientes, pois atuamos seguindo determinados padrões e procedimentos.

A rotina só é negativa quando se torna monotonia e produz desprazer.

Se tomar café todos os dias, às 7h da manhã, é algo que te incomoda, tem algo errado. O problema certamente não está em ter rotina, mas no que faz parte de sua rotina.

A vida boa se organiza com uma rotina, mas esta precisa ter um propósito e a própria existência justificar-se naquilo que se faz.

Tem gente que tem prazer em botar defeito no que é do outro

Conhece gente assim? Provavelmente, né? Essas pessoas estão por toda parte. Tempos atrás, enquanto aguardava o elevador num prédio, notei que a mulher da portaria estava toda empolgada com o notebook que havia comprado. Foi mostrar para um colega que estava papeando por ali. Em meia dúzia de frases, ele tirou o sorriso dela. Começou mostrando que a configuração era isso, aquilo… Em resumo, disse que o computador não prestava.

Depois de ver a cena, fiquei pensando nas tantas vezes que acompanhei situações semelhantes. Pode ser com o notebook, o tablet, o celular… Mas também pode ser com a blusinha nova que acabou de comprar em cinco vezes no cartão, o xampu para diminuir o volume dos cabelos… Ou quem sabe até o novo namorado. Tem gente que adora botar defeito no que é do outro. Parece ter prazer nisso.

Lembro que quando comprei, em 2008, um carro zero quilômetro. Era um golzinho, básico de tudo. Um vizinho viu o carro sem placas e foi rondar por ali. O sujeito mal tinha uma bicicleta para andar, mas assim que respondi que meu carrinho era simples, nem possuía ar condicionado, ele foi logo disparando:

– Ah… não. Não dá pra comprar carro em Maringá sem ar condicionado.

Inveja? Talvez. Mas o pior é que esse tipo de gente se espalha, se múltipla e, por vezes, puxa o outro pra baixo. Essas pessoas não vibram com a conquista alheia. Pelo contrário, parecem sentir satisfação em desvalorizar o que é do outro; parecem se alegrar na derrota; não são pessoas altruístas. Alimentam a própria alma com a tristeza, com o desânimo, com a queda do outro. Por isso, quando a pessoa consegue alguma coisa, o “estraga-prazer” aparece para tirar o sorriso, a felicidade, minimizar a vitória. É incapaz de aplaudir o outro.

Não tem muito que fazer com esses “amigos” e “colegas”. Não dá para prendê-los. Sempre vão existir. Estarão a postos em algum lugar e, quando menos esperarmos, vão aparecer. E sempre com um discurso negativo na ponta da língua. O que nos resta é ignorar. Ter fortalecida a autoestima e vez outra disparar um “dane-se; é meu, eu fiz, eu conquistei… e com muito orgulho”.

Preferimos o conforto das mentiras

Quando olhamos para a história, notamos que nós, seres humanos, gostamos das mentiras. Ficamos confortáveis com as fantasias. Elas garantem a fuga da realidade, que geralmente é bastante cruel.

Também preferimos as pessoas mentirosas às verdadeiras.

Em nossas falas, costumamos defender a verdade. Argumentamos que rejeitamos a mentira e os mentirosos, mas, na prática, não é isso que acontece.

A verdade confronta, machuca, revela a face mais dura da existência.

Quer um exemplo da moda? A empresa por trás da jovem Bettina. A farsa do discurso da Bettina no Youtube só se tornou assunto na internet por conta do evidente exagero. Em três anos, ninguém sai de uma poupança de mil e quinhentos reais para mais de um milhão de patrimônio apenas investindo na bolsa de valores.

Porém, a Empiricus, que Bettina representa, existe há 10 anos. Nesse período, vem prometendo dobrar o patrimônio de pessoas, garantir ganhos extras substanciais… E centenas de pessoas têm comprado os cursos da empresa, embora até hoje a gente não tenha nenhum amigo que ficou rico com ajuda da empresa.

A gente vê a mesma coisa na política. Basta relembrar a campanha presidencial de 2018. Procure aí na sua memória um único projeto sério para o país que foi apresentado e debatido durante a campanha eleitoral. Não há nenhum. E por isso aconteceu? Culpa dos candidatos? Não! A culpa é nossa, porque preferimos o conforto do reino da fantasia. A gente gosta de ouvir coisas do tipo “nós vamos mudar tudo isso aí”. A gente nem sabe direito que mudanças são essas, mas embarcamos facilmente nessas promessas.

O que dizer dos nossos relacionamentos? Pessoas objetivas, assertivas, que escancaram a verdade diante de nossos olhos são tidas como arrogantes, prepotentes, presunçosas. Gostamos mesmo dos bajuladores, daqueles que têm sempre um sorrisinho no rosto, são capazes de falar palavras simpáticas, elogiar nossas roupas, cabelos… Convidar-nos para o happy hour… Gente que fala mal dos outros colegas, como se estivesse confidenciando coisas importantes… E a gente parece acreditar que essas pessoas não fazem a mesma coisa pelas nossas costas.

O norte-americano Joseph Weil, que viveu 101 anos, afirmava que “a mentira é mais apetitosa“. E completava: “a pessoa mais detestável do mundo é a que sempre fala a verdade”.

Pois é… É difícil admitir, mas nossas atitudes diante do mundo confirmam que Joseph Weil tinha razão. O que explicaria o fato dele ter sido um dos trapaceiros mais bem-sucedidos da história dos Estados Unidos.