A escola deve transmitir valores

Nos últimos anos, ganhou força, principalmente no Ensino Médio, a ideia de que a escola deve focar no conteúdo. Estudar, estudar, estudar. E estudar pra quê? Pra passar no vestibular, ter excelente nota no Enem… Enfim, garantir uma vaga na universidade.
A proposta não é de toda ruim. Afinal, quem não quer ver o filho numa excelente faculdade?

Porém, a geração atual é carente de outras experiências. Experiências que muitos de nós, que já passamos dos 40 anos, tivemos a oportunidade de vivenciar. Seja pelas brincadeiras com os amigos, o cuidado dos irmãos mais novos, a presença dos pais – inclusive de forma disciplinar… Ou mesmo o trabalho já na adolescência.

Além disso, a própria escola proporcionava uma experiência agregadora. A gente estudava, mas também brincava, participava de campeonatos interclasses, não existiam graves problemas disciplinares… Eu recordo que, no meu colégio, cheguei a cultivar uma horta com um grupo de amigos. Ou seja, a gente não vivia sob a pressão de garantir uma vaga na universidade. Sem contar que todas essas outras vivências e relações nos permitiam uma maturidade que não encontramos entre os meninos e meninas de hoje.

Hoje, nossa moçadinha tem uma vida completamente diferente. E, embora possuam um preparo escolar bastante significativo (além de todas habilidades tecnológicas), são carentes de experiências afetivas, éticas, morais. Falta aos adolescentes valores como empatia, cooperação, liderança, cautela, tolerância… Na prática, se a escola não tiver uma proposta pedagógica que contemple estratégias para que eles desenvolvam habilidades sócio-emocionais, não haverá outro lugar para isso ocorra.

Anúncios

Devo dar liberdade aos meus filhos?

Alguns pais de adolescentes questionam:

– Devo ou não devo dar liberdade aos meus filhos?

Essa pergunta me faz pensar sobre o que entendemos por liberdade. Se a compreensão de liberdade for “meu filho quer fazer as próprias escolhas”, sinto muito, mas não dá para permitir que um adolescente decida sobre a vida dele.

Embora exceções existam, nossos garotos e garotas não têm maturidade para isso. Não possuem vivências. E as experiências que esse tipo de liberdade pode proporcionar não acrescentam muita coisa.

Quase sempre, as decisões dos adolescentes são pautadas pelo grupo. A moçadinha geralmente segue o que todo mundo está fazendo.

Entretanto, na voz do grupo nunca há sabedoria.

Por isso, os pais precisam, sempre que necessário, confrontar os filhos e estabelecer limites.

Talvez o adolescente diga:

– Mas todo mundo vai. O pai de fulano deixa.

Nessa hora é preciso ter forças e coragem pra dizer:

– Mas você não é todo mundo. E eu não deixo.

Muitos pais não são capazes de fazer esse enfrentamento por que temem perder o amor dos filhos. Não querem desagrá-los.

Posso assegurar, é melhor ter um filho com raiva da gente por um ‘não’ que sustentamos que chorarmos depois, culpados por nos faltar coragem para educá-lo.

Qual é o perfil do leitor de hoje?

O maior filósofo vivo da atualidade, o alemão Jürgen Habermas, disse, em recente entrevista ao jornal El Pais, que o leitor de hoje está muito distante do que desejado. Afinal, quando a gente escreve por aqui, por exemplo, tudo que deseja é que exista alguém que compreenda de maneira plena a reflexão proposta.

Habermas afirmou que “não pode haver intelectuais se não há leitores”.

Acontece que esse tipo de texto, ou de vídeo com conteúdo um pouco mais elaborado (ou intelectual intelectual, digamos) atinge pouca gente. As pessoas, acostumadas com o universo das redes, gostam mesmo é das frases feitas, dos clichês, dos gritos, das agressões, xingamentos… Nada muito elaborado. Apenas um texto de efeito, não de conteúdo complexo.

Eu confesso que as observações do filósofo Habermas me entristeceram um pouco. Eu não gostaria de acreditar que as pessoas preferem consumir conteúdos do estilo que elegeram Donald Trump, nos Estados Unidos. Afinal, não acho que em pleno século 21 a gente mereça uma sociedade de pensamento tão simplista.

Quem disse que estudar tem que ser legal?

estudar

A gente vive um momento muito peculiar. Tudo tem que ser legal. Divertido. Até fazer uma visita na casa de um parente, tem que ser um programa legal. Ninguém lembra que algumas coisas são feitas porque precisam ser feitas.

Estudar é uma delas.

Gente, não tem jeito do estudo ser legal. É um processo de agressão à mente. Sim, porque a gente está tentando colocar no cérebro informações novas. E esse processo é doloroso, cansativo. Não tem jeito de passar horas numa sala de aula ou lendo e relendo textos, livros, resolvendo exercícios… e fazer disso uma atividade divertida.

Quando somos pequenininhos, ainda nos primeiros anos, parte do aprendizado ocorre por meio das brincadeiras. Aí sim é leve, agradável…

Mas, depois, quando começam os conteúdos formais, mais densos – leitura, cálculos, história, geografia, ciências… Quando começam esses conteúdos, não tem como ser divertido. Nem se a gente usar joguinhos. Até porque não dá para ter joguinhos até o final do ensino médio ou durante a faculdade. O processo de aprendizagem é cansativo sim. E aborrece.

Pais e professores precisam mostrar isso para as crianças e adolescentes. A gente estuda, porque o aprendizado é necessário e porque nos torna pessoas dotadas de conhecimentos fundamentais para a vida em sociedade e para o progresso do mundo. O estudo é uma tarefa importante, como um trabalho que deve ser executado.

Se a gente não mostrar isso para nossos alunos, se eles não entenderem que o ato de estudar requer foco e esforço, muita dedicação, o sistema educacional vai continuar sem rumo e nós, brasileiros, seguiremos com os piores índices de educação no mundo.