Quais contradições as aulas online revelam?

A pandemia mudou a rotina de alunos e professores. Escolas, colégios e faculdades abandonaram suas práticas tradicionais e tiveram que adotar tecnologias digitais para manter a rotina do ensino e da aprendizagem. Tenho defendido esse modelo e entendo que, apesar de inúmeras falhas, trata-se de uma oportunidade de crescimento para alunos, professores e para todo o sistema educacional brasileiro – que é arcaico, devemos reconhecer.

Por outro lado, a experiência do ensino remoto tem revelado pelo menos dois graves problemas: a estrutura deficiente da oferta de internet banda larga e a ausência de acesso – que podemos chamar de exclusão digital – por milhares de crianças, jovens e adultos.

Os serviços de internet no Brasil são horríveis. Paga-se caro para ter pouco, muito pouco. Compra-se um determinado pacote de serviços e recebe-se outro. Chega a ser ridículo. E criminoso. Se o país fosse realmente sério, todas as operadoras de telefonia seriam constantemente punidas.

Em cinco meses de aulas online, não tive um único aluno que, em algum momento, não sofreu com a instabilidade da internet, conexão lenta ou a interrupção do serviço. Eu já tive aulas comprometidas pela falta de internet. A velocidade raramente chega próxima do que foi contratado e é pago pelo usuário. E essa é a realidade que as pessoas que têm experimentado no ensino online ou trabalhando em home office. O Brasil carece de investimentos volumosos para dar conta da demanda de serviços de internet. Esse problema estrutural compromete o desenvolvimento do país e o impede de competir com as principais potências econômicas. Ou seja, o gargalo da internet não afeta apenas a educação; vai muito além de falhas de conexão, aulas interrompidas, imagens e áudios travados etc. Curiosamente, não recordo de algum governo ter apresentado um plano, alguma política pública para mudar esse cenário.

Quanto à exclusão digital, o que nota-se é o aprofundamento das desigualdades. E estas se revelam de diferentes formas. Ainda esta semana, conversando com uma aluna que havia se ausentado nas duas últimas aulas, soube que está sem internet. Para ter acesso a alguns conteúdos, ela sai de casa, vai até um mercadinho do bairro, “rouba” o sinal de internet para baixar alguns textos, vídeos etc. Como faz isso de forma improvisada, nem sempre tem sucesso em todos os downloads.

Mas essa aluna não é a única que sofre os efeitos desse tipo de exclusão. Mesmo sendo professor de uma faculdade particular, poderia relatar casos de acadêmicos que foram obrigados a trancar os cursos por não possuírem um computador ou pelo menos um smartphone de qualidade razoável que permitisse acompanhar as aulas e fazer as atividades propostas pelos professores. Agora, pense, como um aluno faz uma resenha ou resumo de três ou quatro páginas digitando no celular? É possível? Sim. Mas a tarefa se torna extremamente pesarosa, desgastante.

Num Brasil de outras tantas contradições, o ensino remoto confirma e reproduz as exclusões e aponta para carências de investimento que o Estado parece incapaz de responder. Em algum momento será diferente? Talvez, mas não durante a pandemia. Sobre o depois, espero que os desafios enfrentados neste período sirvam de lição e nos motivem a discutir os problemas reais do país; que sejamos capazes de deixar em segundo plano bandeiras vazias e olhemos para o que, de fato, impede o desenvolvimento e a justiça social.

O que Deus diria ao povo hoje?

Sempre que posso, começo o dia refletindo em algum trecho bíblico. Hoje, me deparei com Isaías, capítulo 1, versos 15-17. Diz assim:

“Quando vocês estenderem as mãos em oração, esconderei de vocês os meus olhos; mesmo que multipliquem as suas orações, não as escutarei! As suas mãos estão cheias de sangue! Lavem-se! Limpem-se” Removam suas mãos obras para longe da minha vista! Parem de fazer o mal, aprendam a fazer o bem! Busquem a justiça, acabem com a opressão. Lutem pelos direitos do órfão, defendam a causa da viúva”.

Eu não sei o efeito que esses versos têm sobre você. Tampouco o que podem significar pra você. Entretanto, eles são as palavras do próprio Deus reproduzidas pelo profeta Isaías.

Nesses versos, Deus fala sobre seu desagrado com as pessoas. Ele é categórico: não vou ouvir a oração de vocês; podem orar mais, falar mais, mas não vou ouvir e nem ver vocês. E qual a razão? As mãos do povo estão cheias de sangue.

Do que Deus estaria falando? Quando conhecemos o contexto do capítulo 1, compreendemos que o povo estava agindo mal, era negligente com os pobres, desprezava os mais fracos, era insensível com o sofrimento dos humildes. Porém, esse mesmo povo mantinha uma prática religiosa exuberante. Ia ao templo, fazia sacrifícios, orava com as mãos estendidas… Ou seja, parecia um povo devoto a Deus, porém, tinha um coração impiedoso. Tinha sangue nas mãos.
Ler esses versos me faz olhar para o mundo em que vivemos…

Quem seriam os órfãos e as viúvas do século 21?

Olho para mim e ao meu redor e observo uma sociedade que também é insensível, cruel com as minorias, com fracos e oprimidos. Uma sociedade em que poderosos gritam, ofendem, enquanto anônimos morrem. Eles têm sangue nas mãos.

Muitas dessas pessoas falam o nome de Deus, e dizem falar em nome de Deus, que dizem colocar Deus acima de tudo, mas têm nas mãos o sangue de pessoas inocentes, vítimas de doenças, vítimas de fome, vítimas do preconceito…

Parece-me que para elas Deus segue dizendo: “Quando vocês estenderem as mãos em oração, esconderei de vocês os meus olhos; mesmo que multipliquem as suas orações, não as escutarei! As suas mãos estão cheias de sangue”.

O que alimenta minha esperança, é que esse Deus ainda é misericordioso. Ele segue alertando: “Lavem-se” Limpem-se!”.

Estaremos atentos para ouvi-Lo?

Paulo Freire é inimigo do Brasil?

Pelo menos para parcela da elite política brasileira, Paulo Freire é sim um inimigo do Brasil. O autor deveria ser banido nas salas de aula. Não poderia ser utilizado em hipótese alguma como inspiração de práticas educacionais. Mas por que isso acontece?

Falo sobre isso neste vídeo!

Apresento algumas ideias do autor e, em seguida, listo as três principais razões que motivam a perseguição a Paulo Freire.

Tolerância e respeito

Num planeta com mais de 7 bilhões de pessoas e cada vez mais conectado na rede, valores como tolerância e respeito tornam-se essenciais.

São mais de 7 bilhões de cabeças. Gente que possui gostos diferentes, religiões diferentes, ideologias diferentes… E com uma incrível capacidade de se expressar e defender suas opiniões.

Somos um tipo de bicho completamente distinto dos demais. 7 bilhões de leões sobre o planeta são apenas isso: 7 bilhões de animais de uma mesma espécie. Vão se distribuir pelo planeta seguindo as regras da natureza e vão se comportar de acordo com o que se espera da espécie.

Não é o que acontece conosco. Pessoas se aproximam, se distanciam, brigam e até se matam em virtude de suas ideias, das coisas que acreditam.

Séculos atrás, quando as opiniões existentes só ganhavam visibilidade no núcleo familiar ou na comunidade a que cada pessoa pertencia, aconteciam embates. Mas quase sempre a voz do pai, do padre ou de um governante prevalecia e os demais se silenciavam.

Não havia muito espaço para a divergência.

Hoje, com as redes, todos falam, todos se posicionam… E muita coisa que parece tola, ignorante, vazia nos agride. Agride nossos valores.

Isso desperta em nós a vontade de revidar, de contra-atacar e até de silenciar a outra pessoa.

É justamente neste contexto que a tolerância e o respeito se tornam valores ainda mais indispensáveis.

Para que a humanidade não caia na barbárie, é fundamental compreender que o outro pode até pensar muito diferente de mim. Talvez seja um idiota. Mas ainda assim, é humano – como eu.

Sim, caro amigo e amiga, a tolerância e o respeito são cada vez mais necessários para que possamos seguir juntos como uma espécie, que se diz superior aos outros animais.

Sem tolerância e respeito, tornamo-nos mais selvagens e cruéis que qualquer outra espécie.

Ouça o texto em podcast.

O desprezo às ciências e a fuga de cérebros

A maior riqueza de um país é o seu povo. São as pessoas que tornam uma nação grande, rica, próspera. É a capacidade de um povo de encontrar soluções para seus problemas e promover o desenvolvimento que determina o crescimento de um país ou seu fracasso.

Parte desse processo é capitaneado pelos homens e mulheres que dedicam a vida deles para a ciência. Por meio da pesquisa, essas pessoas, silenciosamente, buscam entender os mais diferentes fenômenos e pesquisam soluções para os desafios enfrentados pela sociedade.

Quando um país não incentiva a sua ciência, de certo modo, abre mão do desenvolvimento, aceita ser coadjuvante no cenário mundial.

E é isso que o Brasil tem feito ao longo de sua história.

A falta de insumos, equipamentos e incentivos públicos à pesquisa científica está gerando uma “fuga de cérebros” – gente que deixa o Brasil para fazer ciência noutros países . Cada vez mais doutores têm abandonado suas funções para trabalhar em países como Austrália, Holanda e Portugal.

Lamentavelmente, essa migração sempre existiu. O Brasil nunca valorizou de fato a sua inteligência. Para se ter uma ideia, uma bolsa de iniciação científica na graduação era de 400 reais. No doutorado, não passava de 2.500 reais. Uso os verbos no passado porque até essas migalhas estão deixando de ser pagas.

Os repasses de recursos para pesquisa sempre foram ínfimos.

Neste ano, porém, o cenário piorou profundamente. As medidas e até mesmo o discurso do governo são de total desprezo à ciência. As poucas bolsas de estudo desaparecendo, o repasse de verbas para as universidades caiu e, o que é mais grave, o atual presidente da República não tem nenhum pudor em colocar em dúvida pesquisas científicas. Basta notar que, mesmo contrariando todas as evidências, recentemente, questionou os dados de desmatamento da Amazônia e demitiu o diretor do Inpe, responsável por um dos principais centros de pesquisa do país.

Quem quer fazer pesquisa no Brasil tem se sentido desprestigiado. Pior, mestres e doutores, gente que dedica a vida aos estudos, vê seus saberes questionado por pessoas que desconhecem por completo o rigoroso processo de desenvolvimento de uma pesquisa científica . Gente, como o presidente, que jamais passou pela experiência de esboçar um projeto de pesquisa … Gente que é incapaz de ler e entender um parágrafo de um livro produzido com o rigor das ciências e que prefere os argumentos vazios e mentirosos de posts que circulam nas redes sociais ou em mensagens do whatsapp para desacreditar estudiosos.

Faço aqui uma observação, antes que alguém diga que estou sendo agressivo com quem nunca teve a chance de estudar e tampouco chegou à universidade. Minha crítica se dirige apenas – e tão somente – àquelas pessoas que questionam o saber científico sem nunca terem feito ciência, sem conhecerem o trabalho sério produzido pelos pesquisadores.

Enfim, o cenário é desestimulante. Por isso, a inteligência do país deixa nossas universidades para produzir ciência em nações que já são ricas, desenvolvidas, poderosas. Enquanto isso, o país segue por aqui menosprezando o conhecimento e tendo orgulho de sua ignorância.

Ps. Neste ano, o contingenciamento de recursos já chegou a 30% no Ministério da Educação e 42% na pasta de Ciência e Tecnologia.

Os efeitos nocivos da desigualdade social

​A desigualdade é uma das características das sociedades capitalistas. Ela funciona, inclusive, como uma espécie de mecanismo motivador da busca por condições de vida melhores. Justamente por alguns conquistarem condições privilegiadas, toda uma sociedade se move na tentativa de chegar a esse lugar privilegiado.

Em diferentes momentos históricos, houve tentativas de pôr fim às desigualdades. Porém, todas fracassaram. As políticas de igualdade produziram uma igualdade artificial, mentirosa e que, na prática, empobreceu a população. Também parece ser da natureza humana o desejo da conquista, a competitividade, a insatisfação que faz com que queiramos sempre mais e mais. As experiências têm provado que isso não é ruim. Afinal, na busca por ganhar mais, acumular mais e viver melhor, as nações se desenvolvem, tecnologias são criadas e até mesmo as condições de saúde e bem-estar das pessoas têm melhorado ao longo da história.

Entretanto, o conceito de desigualdade social transcende a ideia de uma sociedade em que as condições de riqueza são desiguais. O conceito retrata o abismo que pode existir entre quem tem mais e quem tem menos. E essa distância, quanto maior é, mais problemas traz.

Estudos têm provado que sociedades desiguais são mais violentas, têm mais gente nas prisões, maiores níveis de obesidade e de doenças mentais, mais pessoas infelizes, menores expectativas de vida e baixos níveis de confiança. Além disso, pesquisadores descobriram que a desigualdade social aumenta a segregação e os resultados educacionais de crianças, jovens e adultos são piores.

Por outro lado, a existência de políticas de promoção humana com a finalidade de reduzir a desigualdade social, além de garantirem rendimentos maiores para os trabalhadores, ainda asseguram bem-estar para as crianças, diminuição da mortalidade infantil, menores níveis de estresse, menos consumo de drogas, mais qualidade de vida para a população.

Ou seja, ainda que seja desejável assegurar que as pessoas tenham a liberdade de lutar por condições de vida e riqueza distintas, algumas tenham mais e outras menos, está provado que nenhuma sociedade pode permitir que se crie um abismo entre os mais ricos e os mais pobres. A crescente desigualdade social não é apenas injusta; ela é nociva para a população, pois piora as condições de vida de todo o conjunto da sociedade. Até mesmo os privilegiados se tornam reféns em suas próprias casas, tendo que viver trancados para evitar os efeitos de uma sociedade profundamente desigual.

Ps. Para quem quer entender mais os efeitos nocivos da desigualdade, sugiro a leitura de “The Spirit Level: Why Greater Equality Makes Societies Stronger”, dos britânicos Richard Wilkinson e Kate Pickett.

Trump e os efeitos do discurso de ódio

Não é novidade que desde a campanha de 2016, Donald Trump, em nome da defesa de uma América grande, tem acendido o ódio a estrangeiros e às minorias.

Dias atrás, no Twitter, o presidente norte-americano atacou quatro parlamentares de origem estrangeira e sugeriu que deixassem os Estados Unidos. Curiosamente, das quatro, três nasceram nos Estados Unidos. Apenas uma delas, que nasceu na Somália, chegou ao país quando criança.

Nesta semana, num comício, Donald Trump voltou a atacar as parlamentares. Criticou as quatro durante 20 minutos, mas dedicou especial atenção à muçulmana Ilhan Omar. Fez acusações sem fundamentos contra a deputada. E a resposta foi um coro de milhares de pessoas: “mande-a embora; mande-a embora!”.

O racismo, o preconceito e, a agressão contra pessoas de origem étnica diferente não são exclusividade dos americanos. Na verdade, a essência da constituição norte-americana é do respeito às diferenças. Os Estados Unidos foram construídos com a força, a inteligência e a beleza da diversidade de povos.

Contudo, entre as pessoas – seja nos Estados Unidos, na Europa ou aqui no Brasil -, esses sentimentos mesquinhos, de ódio àquele que é diferente de mim, sempre existiram.

Por meio da força da lei e do discurso de grandes lideranças que comandam as nações, o desejo de expulsar o outro de diante de mim era silenciado. Havia certo pudor de expor esse lado sujo que há na alma de muitos de nós. Além disso, tornava-se crime agredir a outra pessoa em função de sua etnia, gênero, orientação sexual ou classe social.

Entretanto, com a ascensão de homens como Trump ao poder, o ódio emergiu. O que era silenciado atrás das máscaras da convivência social agora é alardeado à luz do dia. Isso é assustador!!

A existência de governantes como Trump coloca em risco estrangeiros e minorias não por que eles necessariamente farão algo contra essas pessoas. Trump ataca as quatro parlamentares, mas não creio que fará com elas nada mais que isso. As palavras de Trump são retórica. Ele joga para a platéia. Trump não vai mandar nenhuma delas embora. Entretanto, as palavras do presidente americano são um problema porque possuem o efeito de liberar o ódio.

Se a deputada Ilhan Omar passasse perto do comício de Trump nesta semana, ela poderia ser apedrejada.

Este é o risco real de ter homens como Trump no poder.

Governantes como ele, que estão chegando ao poder em diversos países, abrem as portas do que há de pior em cada povo, em cada ser humano. Os discursos inflamados deles ganham votos e, ao mesmo tempo, liberam a perversidade que há em nós.