Aprendendo com Paulo Freire: educar pelo testemunho de decência e pureza

Ouça a versão em podcast!

Tenho insistido que o desconhecimento é um dos principais fatores que levam parte das pessoas a rejeitarem Paulo Freire. Por isso, sigo compartilhando por aqui algumas de suas ideias.

No texto de hoje, lembro uma das teses mais bonitas do educador. Para Paulo Freire, ensinar exige estética e ética.

O que isso quer dizer?

Quer dizer que “a prática educativa tem de ser, em si, um testemunho da decência e da pureza”.

Noutras palavras, quem educa deve viver e testemunhar um modo de vida coerente, digno, reto.

Recordo de uma entrevista com um professor experiente, com mais de 50 anos de sala de aula. Ao questionar sobre métodos de ensino, didática, ele me respondeu que o professor impacta a vida de um aluno na medida em que seu próprio modo de ser, a vida dele como educador e ser humano, inspira a vida do aluno.

Quantos de nós já ouvimos histórias, inclusive em reportagens, de pessoas que tiveram suas vidas mudadas pela influência de um professor? Alguém que lá atrás se importou, se interessou, amou aquele aluno a ponto de motivá-lo a desejar aprender mais, ter sonhos e lutar para torná-los realidade?

O que Paulo Freire defende é a presença de um educador que ensine, mas também inspire. Quando ele diz que a prática educativa deve ser um testemunho de decência e pureza, a ideia que emerge é de alguém que toque as pessoas pelo próprio exemplo.

Paulo Freire fala de decência, de pureza, características nobres e que parecem em falta nas escolas e na sociedade em geral.

Para ele, “transformar a experiência em puro treinamento técnico é amesquinhar o que de fundamentalmente existe de humano no exercício educativo: o seu caráter formador”.

Na perspectiva de Paulo Freire, educar é formar, formar para a vida, formar gente de caráter, contribuir para uma formação ética, e isso começa no testemunho vivo de decência e da pureza de um educador.

Ser ético é considerar o efeito de suas ações sobre as outras pessoas

Ouça a versão em podcast!

Uma conduta ética pressupõe agir com responsabilidade, considerando o impacto que nossas atitudes têm sobre a vida das outras pessoas. Muitas de nossas ações afetam as pessoas próximas. Entretanto, por vezes, em nome do nosso bem-estar ou das coisas que acreditamos serem as melhores, atropelamos quem está conosco.

Nos relacionamentos, isso é bastante comum. O marido, sonhando com sua ascensão profissional, assume compromissos sem consultar a esposa; deixa o romance de lado e parece ignorar que a parceira pode estar se sentindo abandonada.

Muitos pais fazem a mesma coisa com os filhos. Na tentativa de alcançarem o sucesso, deixam de investir na educação das crianças e no desenvolvimento emocional dos pequenos – parecem acreditar que a escola fará aquilo que deixaram de fazer. Quando notam o problema já é tarde demais. Os filhos estão distantes, com problemas na escola e, às vezes, até envolvidos com as drogas.

Agir de forma ética implica em lembrar-se do outro em minhas ações. É necessário me questionar: o que eu pretendo fazer pode prejudicar alguém? As minhas escolhas podem injustiçar alguém? Ou fazer uma pessoa infeliz?

A vida não se resume ao eu mundo. Nem mesmo aos meus sonhos, projetos ou incômodos.
Somos os principais interessados em nós mesmos. Em defender nossos planos, em promover nosso desenvolvimento e até em nós defendermos. Mas isso não significa que vivemos sozinhos, isolados, tampouco que não tenhamos responsabilidade pelos efeitos de nossas escolhas sobre as outras pessoas.

Tolerância e respeito

Num planeta com mais de 7 bilhões de pessoas e cada vez mais conectado na rede, valores como tolerância e respeito tornam-se essenciais.

São mais de 7 bilhões de cabeças. Gente que possui gostos diferentes, religiões diferentes, ideologias diferentes… E com uma incrível capacidade de se expressar e defender suas opiniões.

Somos um tipo de bicho completamente distinto dos demais. 7 bilhões de leões sobre o planeta são apenas isso: 7 bilhões de animais de uma mesma espécie. Vão se distribuir pelo planeta seguindo as regras da natureza e vão se comportar de acordo com o que se espera da espécie.

Não é o que acontece conosco. Pessoas se aproximam, se distanciam, brigam e até se matam em virtude de suas ideias, das coisas que acreditam.

Séculos atrás, quando as opiniões existentes só ganhavam visibilidade no núcleo familiar ou na comunidade a que cada pessoa pertencia, aconteciam embates. Mas quase sempre a voz do pai, do padre ou de um governante prevalecia e os demais se silenciavam.

Não havia muito espaço para a divergência.

Hoje, com as redes, todos falam, todos se posicionam… E muita coisa que parece tola, ignorante, vazia nos agride. Agride nossos valores.

Isso desperta em nós a vontade de revidar, de contra-atacar e até de silenciar a outra pessoa.

É justamente neste contexto que a tolerância e o respeito se tornam valores ainda mais indispensáveis.

Para que a humanidade não caia na barbárie, é fundamental compreender que o outro pode até pensar muito diferente de mim. Talvez seja um idiota. Mas ainda assim, é humano – como eu.

Sim, caro amigo e amiga, a tolerância e o respeito são cada vez mais necessários para que possamos seguir juntos como uma espécie, que se diz superior aos outros animais.

Sem tolerância e respeito, tornamo-nos mais selvagens e cruéis que qualquer outra espécie.

Ouça o texto em podcast.

A morte da esperança

A esperança é um estado emocional que, de certo modo, assegura conforto em relação ao futuro. A esperança nos faz acreditar que tudo vai dar certo.

Essa forma de se relacionar com o mundo é positiva.

Entretanto, a esperança tem nos escapado. As novas gerações são gerações sem esperança. E mesmo entre nós, adultos, a esperança está enfraquecendo.

Na prática, o mundo que estamos construindo, nossas atitudes diante do planeta e da vida são responsáveis pela morte da esperança.

Quando nossos meninos e meninas olham para nós, adultos, não conseguem vislumbrar nada que alimente a esperança de vida deles.

Nosso próprio discurso a respeito do investimento no futuro se resume a insistir para que façam tudo que estiver ao alcance a fim de serem bem-sucedidos. E o que seria ser bem-sucedido? Ter uma profissão respeitada, um bom salário e reunir as condições necessárias para comprar tudo que for possível comprar.

As novas gerações olham para nós e percebem o quanto isso é pobre. As pessoas vivem cansadas, doentes, física e emocionalmente, possuem relacionamentos frágeis… Uma vida medíocre em nome do que é idealizado como vida desejável.

Por outro lado, a violência cresce, o individualismo egoísta torna a todos inimigos… E, pior, a nossa casa, o planeta, está sendo destruído.

A política é mesquinha, não está e nunca esteve a serviço de todos.

Como ter esperança? Não dá para ter esperança.

E sem esperança, muitos dos meninos e meninas não enxergam sentido na vida. Por isso, não há prazer em viver e o próprio desejo de morrer faz parte dos pensamentos de muitos deles.

A falta de esperança dessas novas gerações pode ser, porém, a nossa salvação.

A esperança que alivia as dores também anestesia as ações. Ficamos esperando uma espécie de milagre… Algo que possa dar um sentido às coisas e até salve nosso planeta.

Sem esperança, talvez nossos meninos e meninas, os mais resistentes, sejam objetivos, virem o jogo e criem formas mais honestas de viver, de se relacionar com o dinheiro e até de explorar o planeta.

Do que precisamos para viver?

Quais são as nossas necessidades? O que é essencial para vivermos bem?

Condicionados pelo nosso modo de vida atual, talvez a nossa resposta seja algo do tipo: precisamos de um bom emprego, uma casa confortável, alimentos diversificados, plano de saúde…

Enfim, nessa lista apareceriam itens bastante positivos e que são importantes.

Entretanto, como raramente fazemos essa reflexão – ou seja, como quase nunca falamos sobre as nossas reais necessidades para uma boa vida -, temos buscado uma série de coisas para suprir pseudo necessidades e, por vezes, faltam-nos aquelas que são essenciais.

Noutras palavras, nosso modo de vida moderno está distante de ser normal.

O psicólogo norte-americano Abraham Maslow, que viveu no século passado, criou uma teoria interessante sobre as necessidades humanas, o que de fato precisamos ter para viver bem.

A chamada Hierarquia de Necessidades de Maslow deveria vez ou outra ser observada por todos nós; afinal, a hierarquia de necessidades do pesquisador é bastante coerente.

A lista mostra que nossas primeiras necessidades são fisiológicas. Carecemos de comida, água, abrigo, ar, sono, higiene, saneamento.

Em segundo lugar estão as necessidades de segurança. Precisamos ter garantida a nossa segurança, a segurança de nossos entes queridos e de nossos recursos.

Terceiro, as necessidades sociais: laços familiares, amizade, vida em comunidade, intimidade, conexão com outras pessoas, com grupos.

Na hierarquia de necessidades, o quarto aspecto são as necessidades de autoestima. Temos que ter confiança, responsabilidade, senso de conquista, respeito.

Por fim, necessidades auto-atualizantes; que compreendem a criatividade, a espiritualidade, o crescimento e a realização.

A Hierarquia de Necessidades de Maslow revela que somos carentes de vários elementos. Uma boa vida não está concentrada em apenas um ou outro campo. Temos necessidades fisiológicas, mas também temos necessidades sociais e de autoestima; de segurança, mas também auto-atualizantes, que engloba, por exemplo, a espiritualidade.

Enfim, em nenhuma dessas áreas é preciso haver excesso. Só precisamos suprir o necessário; sem acúmulo. Porém, se concentramos demais nossas energias na busca da comida, do abrigo, da segurança e ignoramos os laços familiares, a conexão com pessoas, com a comunidade, por exemplo, não vamos viver bem.

A vida boa, segundo Maslow, é resultado do equilíbrio na busca por suprir as cinco categorias de necessidades humanas.

​Qual a causa da estupidez coletiva?

Muito antes da internet, pensávamos que o problema era a falta de informação. Hoje, temos informação disponível. Mais do que damos conta de consumir. Entretanto, a quantidade e a disponibilidade de informação não resolveu o problema. A estupidez ainda reina absoluta e, com ela, a ignorância.

Talvez alguns apontem que o problema da estupidez coletiva agora seja o excesso de informação. Ou a (falta de) qualidade da informação.

Eu diria que nem uma coisa e nem outra.

As razões não são muito claras, mas é possível dizer que a estupidez está relacionada à formação do indivíduo. É possível ser ignorante, no sentido de não ter o conhecimento formal, mas não ser estúpido.

O inverso também é verdadeiro: é possível ser alguém que possui informação e ainda assim ser estúpido.

Na verdade, a informação não salva ninguém da estupidez.

Se a gente não souber se relacionar com as informações, filtrá-las e aproveitar apenas o que realmente é relevante, nada muda. Gente estúpida, com acesso à informação, tem potencial de se tornar ainda mais perigosa, porque passa a se sustentar em pseudos conhecimentos para justificar seus argumentos. As fakes news estão aí para provar o que estou falando.

As redes sociais ainda potencializam a estupidez em função do sistema de algoritmos. O sujeito vive numa espécie de bolha em quase toda a informação que acessa apenas confirma o que ele supostamente já sabe. E, pior, por notar outras pessoas reproduzindo saberes semelhantes, o estúpido sente-mais poderoso, autorizado a falar.

O filtro é desenvolvido no processo de formação do indivíduo. Por isso, é fundamental a educação que a criança recebe em casa, o trabalho desenvolvido na escola, a mediação de bons professores, as brincadeiras, as amizades… Os relacionamentos que temos desde a infância.

Esse conjunto de variáveis produz valores que servirão de critérios que irão determinar nossas reações diante do mundo – da abertura para o aprendizado, do respeito com o saber alheio, da curiosidade em conhecer mais.

O que se ganha em ser agressivo nas redes sociais?

​Publiquei na última segunda-feira um post com uma música de Chico Buarque. Semanalmente, destaco um artista e uma canção naquele espaço. Faço isso há uns 10 anos por aqui.

Na segunda, destaquei Chico pela grandiosidade de sua obra. Chico Buarque tem sido injustiçado por parcela da população brasileira. Em função dos posicionamentos políticos dele, muita gente tem atacado esse artista genial.

Após publicar o texto com a música, o primeiro comentário que recebi foi justamente para agredir verbalmente Chico Buarque. O leitor não falou da música, não tratou da arte… Só xingou.

Ao ver o comentário, fiquei pensando: o que motiva uma pessoa a sentir tanta raiva de um artista para gastar tempo em parar diante de um post numa rede social a fim de atacá-lo? Detalhe, provavelmente, Chico Buarque nunca vai ler meu post e tampouco o xingamento.

Tem algo de doentio nesse comportamento. Não há justificativa racional para alguém dedicar tempo para atacar pessoas nas redes. E aqui nem se trata do Chico. Falo desse comportamento nocivo adotado por muitas pessoas.

Basta circular nas redes para ver pessoas investindo parte do tempo delas em atacar artistas, músicos, políticos, jornalistas, blogueiros… Apenas por não concordarem com eles. E são ataques ao ser humano; não às ideias. Fico com a impressão que, se pudessem apedrejar literalmente, apedrejariam.

Quando vejo isso, penso na energia emocional que se gasta em tirar um tempo do dia para algo tão vazio. A agressão é despropositada; é passional, rebaixa quem agride; desqualifica mais o agressor do que o agredido. Também faz mal para a alma. Atrai negatividade, produz hormônios ruins para o corpo. E, além disso, é um péssimo uso do tempo.

Enfim, se você já fez isso em algum momento, pense primeiro em você. O que se ganha em atacar pessoas na rede? Sejam elas do seu círculo de amizade ou celebridades da rede?

Vamos dedicar tempo para as coisas que nos fazem crescer como pessoas, que nos tornam profissionais melhores, parceiros melhores… Vamos investir tempo no autoconhecimento!

Meu convite é simples… Que a gente alimente coisas boas, menos rancor, ódio… Que a gente use bem o tempo. Afinal, nada é mais precioso que o tempo. Se um post ou um personagem nos incomoda, nos dá raiva, basta deixar de segui-lo. Ou, basta ignorar.

A vida é mais feliz quando a gente vive de maneira mais leve.

Nem sempre é por querer; é por valor moral

Nem tudo que a gente faz, a gente faz por que quer fazer; faz, porque DEVE fazer. Este é um dos princípios morais mais importantes na história da ética.

O sentimento de dever é fundamental para o funcionamento da sociedade e para as relações sociais.

A compreensão do dever é que nos motiva a contrariar os desejos, pulsões e manter uma postura correta diante do outro e da sociedade.

A fidelidade numa relação amorosa, por exemplo, é resultado de um ato moral. Por vezes, o desejo é por alguém fora do relacionamento. Por que se preserva a fidelidade? Por moral. O corpo pode reclamar novas experiências. Mas a fidelidade é um compromisso moral assumido com a pessoa com quem se escolheu viver.

Vale o mesmo para inúmeras outras situações. Na empresa, mesmo passando por dificuldades financeiras e sendo mal remunerado, o profissional que trabalha no departamento financeiro talvez tenha a oportunidade de desviar algum dinheiro. Por que não faz? Pelo dever. Não mexer no dinheiro que não lhe pertence é a atitude correta.

Um parente doente, que precisa de cuidados, que nos obriga a perder dias de trabalho, alterar nossa rotina, gastar nossas reservas financeiras… Uma situação como essa não é desejada. Não cuidamos dessa pessoa por prazer; cuidamos por dever. É o certo a fazer.

Por que trato desse assunto hoje? Simples, porque vivemos um momento em que as escolhas são movidas pelas paixões, pelo que alegra. Muita gente opta pelo whatsapp até para colocar fim num relacionamento – tudo para evitar o desprazer do olho no olho.

Entretanto, viver não é apenas fazer o que se gosta. A moral nos orienta a fazer o que devemos fazer. Algumas práticas são necessárias, não por serem alegradoras individualmente, mas pela necessidade de preservar a boa convivência, o bom funcionamento das relações sociais.