As exigências sobre a escola

Por muitos anos, a escola tem sido vista como um espaço para discussão de tudo que precisamos aperfeiçoar na sociedade.

As cidades precisam civilizar o trânsito? Vamos discutir isso na escola.
As crianças estão se alimentando mal? Vamos tratar disso na escola.
O planeta precisa ser melhor cuidado? Vamos tratar de meio ambiente e sustentabilidade na escola.
As pessoas não estão sabendo lidar com a internet? Vamos pautar esse tema na escola.
E por aí vai…

Ninguém diz efetivamente o que precisa ser feito, muito menos como ser feito. O negócio é empurrar pra escola.

De fato, a sala de aula é um ambiente privilegiado; o melhor espaço para promoção do saber. Na escola, o ensino é sistematizado, o processo de aprendizagem envolve disciplina, organização… Além disso, o saber é pautado pelo conhecimento científico.

Ou seja, justifica-se apostar na escola como o melhor lugar para promover o debate de assuntos que têm a ver com a vida das pessoas, com nossa relação com o mundo.

Entretanto, existe um problema: exige-se que o professor promova uma série de reflexões, mas a escola não ganhou estrutura adequada para isso. Muito menos houve mudanças na grade curricular. Na prática, não há tempo para tantas demandas e nem profissionais especializados.

Junto com tudo isso, a escola é pressionada pela sociedade, que, como regra, nada entende da dinâmica educacional; sobram conteúdos que não se justificam na escola – e isso nas mais diversas áreas (Física, Química, Matemática, Biologia etc.) – há um processo de desrespeito ao professor, por parte das pessoas e da classe política; os debates sobre os modelos de ensino são politizados e as reformas propostas quase sempre não possuem sintonia com a realidade da própria escola…

Como então esperar que a escola cumpra, de fato, seu papel social? Tenho comigo que, pelo contexto em que vivemos, inclusive no que diz respeito aos investimentos recebidos, a escola e professores têm sido verdadeiros heróis.

Anúncios

Notícias falsas causam linchamento

Minha insistência em falar sobre os conteúdos falsos que circulam na internet tem relação com vários fatores. Um deles é porque conheço o processo de produção de notícia na imprensa profissional. Sei da responsabilidade que existe por parte de uma equipe de pessoas especializadas no assunto e também sei os métodos e técnicas aplicadas na apuração de um fato.

Ou seja, parte do meu incômodo é motivado por uma espécie de luta pessoal em defesa do bom jornalismo.

Entretanto, outra razão é o efeito dos conteúdos falsos junto ao público. As informações distorcidas ou mentirosas que circulam na rede desinformam. E ao desinformarem, impedem que as pessoas vejam os fatos concretos.

Exemplo, no meu boletim anterior enviado à Band News, e que está também nas minhas redes pessoais, muita gente sustentou o questionamento da qualidade de formação dos médicos cubanos sob o argumento de que o curso de Medicina deles tem apenas 3 anos.

De onde tiraram isso? Certamente de tweets, mensagens de whatsapp ou blogs pseudo-informativos. Em Cuba, o curso de Medicina tem 6 anos – semelhante ao do Brasil.

A diferença existe apenas no modelo de formação – o que é chamado de currículo. Enquanto no Brasil o ciclo teórico é de 4 anos, mais 2 de ciclo clínico, em Cuba, são 2 anos de ciclo teórico, 3 anos de ciclo clínico e mais 1 ano de trabalho em campo, sob supervisão.

Mas o processo de desinformação não promove apenas a ignorância que leva as pessoas a falarem bobagem. A desinformação, por vezes, motiva decisões. E mais que isso, promove o ódio.

Uma reportagem divulgada esta semana no site da BBC mostrou o que aconteceu com dois homens em uma pequena cidade do México. Boatos sobre sequestros de crianças se espalharam pelo whatsapp. Os homens foram identificados como os supostos responsáveis. A comunidade espancou, colocou fogo nos dois homens ainda vivos. Eles foram mortos antes que alguém pudesse checar a veracidade do que havia sido divulgado no whatsapp. E o linchamento foi filmado por vários celulares.

As pessoas são cruéis. De certo modo, isso está em nossa natureza. O processo de desinformação promovido pelos conteúdos falsos que circulam na rede potencializa imagens falsas a respeito da realidade levando muita gente a acreditar no que não existe. Disseminam-se preconceitos, reforçam-se estereótipos… reputações são colocadas em xeque.

Justamente por isso insisto na importância de duvidarmos sempre. Checarmos as informações que chegam até nós. Questionarmos nossas certezas. O que foi nos dito, aquilo que lemos, ouvimos e assistimos pode não ser verdade.

A educação é um direito de todos?

A constituição federal diz que a educação é um direito de todos. Crianças, adolescentes e jovens, pobres ou ricos, têm direito à educação.

A ideia de ser um direito parece ter tido um efeito bastante nocivo na visão que temos da educação.

De certo modo, parte significativa da população se relaciona com a educação de maneira passiva. Se é um direito, eu mereço ser educado. Ou seja, essa visão implica a obrigação de um terceiro fazer algo por nós. Alguém nos educa.

O problema é que essa visão transfere para o outro o dever de fazer com que o processo de educação dos nossos alunos seja bem sucedido.

E a dinâmica, na prática, é outra. A educação é algo que se conquista. É algo que o aluno faz por si mesmo. O professor, a escola, o Estado não podem fazer pelo aluno aquilo que é papel dele.

É dever do Estado (ou do dono da escola) assegurar a vaga, o funcionamento da escola, a estrutura física adequada, a presença do professor na escola; mas cabe ao aluno o dever de se abrir para o que é ensinado e buscar efetivamente a sua formação.

Esta deveria ser a compreensão de todos nós a respeito da educação. A educação não é algo que alguém faz por mim; é algo que eu faço por mim.

Quando a gente entende isso, muda toda a dinâmica. Muda, porque, se alguma coisa não está funcionando, a gente vai atrás. Cobramos, questionamos e, principalmente, entendemos que somos os protagonistas de nossa história – os responsáveis pelo sucesso de nossa formação.

Que conteúdos informativos você consome?

Esta é uma pergunta que vez ou outra algumas pessoas fazem pra mim.

Eu tenho critérios muito claros. Primeiro, não consumo nada que seja encaminhado pelo messenger, whatsapp e que não tenha origem conhecida. Segundo, não leio informações divulgadas com frases do tipo “repasse”, “não se omita”, “vamos compartilhar”… Muito menos aquelas fotos cheias de texto, com frases de efeito. Terceiro, nada de canais que se dizem informativos, mas não seguem as regras do jornalismo. Quarto, não leio e nem assisto canais de pessoas que não tenham formação acadêmica sólida e não sejam moderadas na escrita ou na fala.

E meu principal critério é: duvidar sempre, questionar e comparar. O Google existe pra isso.

Meus critérios não são os critérios da maioria das pessoas.

O presidente eleito, por exemplo, divulgou uma lista de canais no Youtube que ele sugere aos seus eleitores e seguidores. E, da lista de Bolsonaro, não há nada que seja realmente aproveitável. Até dá para assistir uma coisa ou outra, mas só se a pessoa tiver uma visão muito ampla de mundo para saber filtrar o que é divulgado nesses canais.

A internet possibilitou o surgimento de todos esses espaços que, hoje, contribuem para a formação do universo informativo. A proliferação desses canais é algo altamente positivo. Rompeu com o monopólio informativo dos meios de comunicação tradicionais e, ao desestabilizá-los, tem obrigado a imprensa a se especializar ainda mais.

Entretanto, a população não foi educada para saber como consumir esse conteúdo. Não há formação de leitura crítica. Somado ao assustador analfabetismo funcional, que é uma realidade no país, a ignorância do nosso povo tem se aprofundado – uma ignorância agora sustentada não pela ausência de informação, mas por pseudoverdades que circulam na rede.

Espera-se que o eleitorado de Bolsonaro não o idolatre na presidência

Na política e em qualquer outra área, a idolatria é perigosa. É perigosa, porque cega.

Uma das minhas críticas a uma parcela do eleitorado do PT sempre foi a indisposição de vê-lo como responsável pelo desastre político e econômico em que se encontra o país.

As virtudes de seus governos e a proximidade com as classes mais pobres e com as minorias não justifica os erros do partido. Entretanto, muita gente inocenta suas lideranças e não consegue ter um olhar crítico, inclusive no que diz respeito à corrupção.

Esse tipo de atitude tem como raiz a idolatria.

E é o que também me preocupa na relação mantida pelo eleitorado de Jair Bolsonaro com o presidente eleito. Basta notar que durante boa parte da campanha ele foi chamado de mito.

Como eu disse, a idolatria cega. Ao cegar, impede que as falhas sejam observadas e as críticas sejam feitas. E se não há críticas, não existem questionamentos, tampouco a reavaliação de comportamentos, revisão de decisões…

Embora seja natural que o eleitorado de Bolsonaro ainda esteja em lua de mel com o presidente eleito, o brasileiro cometerá um erro grave se, nos próximos meses, não sair da condição de fã para reassumir o papel de cidadão.

Torcer para que o novo governo dê certo é algo bem diferente do que não querer ver possíveis erros. Ainda pior será se o eleitorado optar por criar um paredão de defesa do presidente atacando toda e qualquer pessoa que questione as decisões dele.

Meu mais sincero desejo é que isso não aconteça. O Brasil não merece!

O blogueiro/youtuber é quem sabe tudo?

Nestes dias, retomei o estudo da obra de Darcy Ribeiro. O antropólogo, escritor e político brasileiro foi um dos maiores pesquisadores da identidade de nossa gente. Educador, homem comprometido com o ensino e responsável por reformas universitárias em vários países da América, Darcy Ribeiro deixou-nos vários livros que deveriam ser leitura obrigatória.

Ontem, enquanto relia alguns dos argumentos de Darcy Ribeiro, pensava em como estudos com tamanha profundidade são, hoje, descartados facilmente e desconstruídos com base em meia dúzia de frases de qualquer blogueiro ou youtuber que está alinhado a algum movimento político.

Por exemplo, se, para embasar alguns argumentos, eu retomasse as discussões feitas pelo antropólogo, certamente apareceria alguém para desqualificar Darcy Ribeiro.

Lamentavelmente, esse movimento tem sido recorrente. Especialistas e pesquisas respeitáveis, credibilidades têm sido colocadas em xeque por gente ignorante, que despreza o saber e desqualifica o conhecimento produzido em estudos sérios, profundos.

Um dos maiores educadores brasileiros, Paulo Freire, tem sido visto como nefasto para a educação do país. E a ignorância é tanta que essa gente sequer sabe que, infelizmente, a escola brasileira tem quase nada de Paulo Freire – se tivesse, talvez seria muito melhor.

Eu confesso que ando assustado com esse movimento: para rebater um argumento, pesquisadores são desqualificados. E o movimento se estende também ao universo informativo proposto pela imprensa profissional.

Se é publicada uma reportagem contundente, uma denúncia, por exemplo, e essa informação incomoda algum grupo político, rapidamente aparecem blogueiros, youtubers desqualificando o veículo de comunicação e até o jornalista.

Há uma indisposição para ouvir o contraditório – ainda que apresentado por uma pessoa séria, que passou anos se dedicando à pesquisa ou que tem um currículo invejável.

Durante a campanha eleitoral deste ano, vi isso várias vezes. Você pega duas ou três análises econômicas, feitas por doutores em economia, em gestão pública, manda pra uma pessoa e ela rebate tudo aquilo que está ali tomando como referência um argumento tosco usado por alguma figura que está na internet, às vezes, simpatizando de político ou ideologia política.

Isso é simplesmente assustador. E é assustador porque perpetua a ignorância, o desconhecimento… Porque há uma valorização do senso comum, do argumento raso, do mito em lugar da ciência.

E isso só confirma o que Darcy Ribeiro já dizia há quase 50 anos… No Brasil, parece haver certo conforto na ignorância.

Gostamos do discurso das regras, só não gostamos de respeitá-las

O brasileiro gosta do discurso sobre regras, mas não gosta de viver com regras. E isso começa nas pequenas coisas.

Quer um exemplo? O respeito ao horário.

Todos os dias eu vejo alunos chegando atrasados no colégio. Muitas vezes, por certo descuido deles; porém, na maioria das vezes, por conta dos pais.

E aí a mensagem que passam para os filhos é: respeitar os horários não é importante.

Ontem foi realizada a primeira prova do Enem. E, como acontece todos os anos, alguns candidatos ficaram do lado de fora. Não chegaram a tempo.

De novo, o problema em respeitar o horário.

Mas há outras tantas regras que são atropeladas diariamente. Na escola, é o uso do uniforme, levar todo o material para a sala de aula, não usar o celular durante a aula…

No trabalho, cada empresa tem sua dinâmica. E suas próprias regras. Porém, sempre existem pessoas que encontram formas de burlá-las. Sem contar que todo chefe que exige o rígido cumprimento das regras é tido como chato, intransigente. Na prática, o chefe está apenas tendo que lembrar os compromissos que todos deveriam cumprir.

Na campanha eleitoral deste ano, ganhou o presidenciável que mais repetiu a ideia que acabaria com a bagunça em Brasília – ou seja, alguém que prometeu fazer cumprir as regras.

Muita gente aplaudiu e aprovou, por meio do voto.

Entretanto, qual será efetivamente nossas ações? Impostos serão pagos? Documentos estarão sempre em dia? Afinal, mudaremos nossas práticas e respeitaremos todas as regras – sejam elas de convivência ou de obrigações com o Estado, para o bom funcionamento do país?

Eu espero que sim. Mas ainda sonho que a gente comece respeitando as pequenas regras – seguir os horários, não faltar ao trabalho, manter os documentos do carro em dia, não furar sinal vermelho, respeitar os limites de velocidade, dar sempre a nota fiscal, não jogar lixo fora do lixo, não pisar na grama – onde é proibido… Coisas simples, mas que revelam a essência do que somos.

Com a vitória de Bolsonaro, o Brasil espera ter um novo começo

O Brasil começa a viver um novo momento político. Com a vitória de Jair Bolsonaro à presidência da República, há a expectativa da escrita de um capítulo distinto em nossa história.

Neste sentido, há certa semelhança com o que ocorreu em 1985, 1989 e 2002.

Em 1985, tínhamos a reabertura democrática, com a eleição indireta de Tancredo Neves. Em 1989, depois de quase 30 anos sem escolhermos um presidente, os brasileiros elegeram Fernando Collor. Já em 2002, o país optava por Luiz Inácio Lula da Silva, o primeiro presidente operário, alguém que parecia efetivamente identificado com o povo.

Nesses três momentos históricos, havia muita expectativa. Tratava-se de uma espécie de ruptura com um modelo de governo que havia se esgotado. Tinha-se o sentimento de poderíamos começar tudo de novo. Havia também um gostinho de “agora vai!!”.

Não sei se esse “agora vai” está presente no sentimento do nosso povo após a eleição deste ano. Porém, é certo que a vitória de Bolsonaro foi construída em função de uma enorme insatisfação com tudo que o país vem vivendo nos últimos anos.

Quem observou atentamente as manifestações de 2013 percebeu que a paciência das pessoas já estava se esgotando. Mas a classe política parece ter achado que seria fácil acalmar as pessoas.

A aposta no impeachment de Dilma foi uma estratégia da elite política do país para retomar o controle do povo. Entretanto, estes pouco mais de dois anos de (des)governo Michel Temer ajudaram a confirmar que as práticas políticas eram as mesmas de sempre. E a população também não poderia acreditar nos partidos tradicionais, principais responsáveis pela queda do PT – entre eles, o PSDB, que durante anos foi o maior opositor de Lula e Dilma.

Bolsonaro, embora tenha feito carreira ao lado de muitos políticos conhecidos, mantendo-se filiado a partidos que transitam pelo poder há anos, como é o caso do PP, o agora presidente eleito nunca foi efetivamente do alto clero da Câmara Federal, tampouco teve prestígio e poder nas máquinas administrativas.

O novo presidente, com isso, conseguiu manter sua imagem descolada das tradições políticas e se firmou como personagem que se opõe a tudo que Brasília tem representado ao longo das últimas décadas.

Ele será, de fato, o que seus mais de 57 milhões de eleitores esperam? Talvez não. Mas, para muita gente, já terá sido significativa a vitória de Bolsonaro por ter impedido o retorno do PT.